Menu
2019-09-12T12:05:36+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Risk-on

Trump paz e amor e BC Europeu impulsionam tomada de risco. Mas até quando?

Presidente americano, Donald Trump, abrandou o tom com os chineses, mas já desceu caneladas no Fed, após BCE reduzir juros e anunciar compra de ativos

12 de setembro de 2019
10:26 - atualizado às 12:05
Presidente dos EUA, Donald Trump
Presidente dos EUA, Donald Trump - Imagem: shutterstock

Um cenário positivo para os ativos de risco começou a se desenhar na noite de ontem, depois que um Donald Trump “paz e amor” anunciou que vai postergar a entrada em vigor de tarifas contra a China. Agora pela manhã, o foco está no Banco Central Europeu (BCE), que adotou taxas ainda mais negativas, retomou a compra de ativos e anunciou medidas para dar fôlego aos bancos.

As bolsas europeias passaram a operara em alta após o BCE e os índices futuros americanos também apontam para cima, mas com modestas variações na casa dos 0,2%. Mas o tom positivo perdeu um pouco de ímpeto com a entrevista do presidente do BCE, Mario Draghi, que pediu ajuda da política fiscal para dar suporte à atividade econômica.

Mas o tom conciliador de Trump, se restringe aos chineses. Pois pouco depois do BCE anunciar sua decisão, o presidente já foi ao “Twitter” dar mais umas caneladas no Federal Reserve (Fed), banco central americano.

Segundo Trump, enquanto o BCE age rapidamente e consegue desvalorizar o euro, o Fed fica sentado e esperando. “Eles recebem para pegar dinheiro emprestado, enquanto nós estamos pagando juros”.

Além do BCE e de Trump, o mercado também digere declarações do secretário de Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, que entre outras coisas falou que Trump está considerando reduções de impostos nos EUA. Além disso, ele voltou a falar na possibilidade de emitir um título de 50 anos do Tesouro já em 2020.

Os investidores receberam, ainda, dados sobre a inflação ao consumidor nos EUA. O índice de preços ao consumidor (CPI) subiu 0,1% em agosto, acumulando 1,7% em 12 meses. Já o núcleo, que tira alimentos e energia, subiu 0,3% no mês e 2,4% em 12 meses, maior leitura em 13 meses.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Risk-on até quando?

A questão que fica é como o Fed vai interpretar todas essas informações na sua reunião do dia 18. O presidente Jerome Powell não fez mudanças no seu discurso de olhar os dados e atuar conforme o necessário para sustentar a expansão da economia americana. Por isso mesmo, a expectativa é de que teremos nova redução de 0,25 ponto no juro, que está entre 2% e 2,25%, no encontro da semana que vem.

O grande “se” é se o Fed optar por não fazer nada ou cortar os juros e não acenar continuidade no movimento de baixa. Algo que pode despertar, novamente, a ira de Trump, como vimos após a reunião de agosto. Insatisfeito com a postura do Fed, Trump anunciou novas tarifas contra os chineses e classificou o país de manipulador cambial, dando início a um mês negativo para os mercados globais.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Cálculos da Firjan

Reforma tributária pode gerar 300 mil vagas por ano

Cálculos efetuados pela Firjan também mostram que a reforma nos impostos do país pode incrementar o consumo em até R$ 122,7 bilhões

De volta à velha política

Governo se rende às indicações políticas para aumentar base

Presidente foi convencido por ministros da área política de que premiar partidos leais a suas propostas seria a única forma de aprovar reformas

Grandes planos

“Vamos lançar nosso banco digital em mil lojas antes da Black Friday”, diz CEO da Via Varejo

Roberto Fulcherberguer tem trabalhado para que o sistema de vendas pela web esteja tinindo para a próxima Black Friday

Passou!

Centauro aprova plano de outorga para opção de compra de ações neste ano

Plano prevê que a quantidade máxima de ações vinculadas será de 7.943.848

Seu Dinheiro no domingo

Quanto rendeu o Seu Dinheiro em um ano?

Você sabe quanto o Seu Dinheiro rendeu em um ano? Não estou falando aqui do montante que você tem aplicado no banco. Mas do Seu Dinheiro mesmo, esse projeto independente de jornalismo e educação financeira que eu coordeno junto com a Olivia Alonso e que tem um time de feras como o Vinícius Pinheiro, o […]

Olhe e copie

5 coisas inteligentes que pessoas com consultores financeiros fazem com o próprio dinheiro que lhes dão uma vantagem

Nem todos querem ou podem pagar um planejador financeiro próprio. Mas que tal dar uma espiada no que eles andam aconselhando?

Enquanto isso, na Assembleia da ONU...

Promessa de ‘afagos’ teria convencido Bolsonaro a aceitar jantar com Trump

No pacote de gestos, a expectativa de auxiliares do Planalto é que Bolsonaro sente-se próximo de Trump

Poucos amigos

Major Olímpio diz que há estratégia no Congresso para desgastar Bolsonaro

Senador afirmou que parlamentares “votam projetos absurdos e depois jogam no colo do presidente a questão de vetar ou não esses dispositivos”

Série: os mais ricos do Brasil

Abilio Diniz: um bilionário bom de briga

Ele transformou a pequena doceria do pai na maior rede varejista do país e aos 82 anos continua na ativa

Papo de poder

Maia conversa com Bolsonaro sobre pauta de votações da Câmara para próxima semana

Entre os itens da pauta está o projeto de lei que trata do registro, posse e comercialização de armas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements