Menu
Marina Gazzoni
O melhor do Seu Dinheiro
Marina Gazzoni
2019-07-17T10:28:58+00:00
Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Oi perto de dizer ‘tchau’ à telefonia móvel

Veja os destaques do Seu Dinheiro nesta manhã

17 de julho de 2019
10:26 - atualizado às 10:28
O Melhor do Seu Dinheiro
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Ontem eu escrevi sobre os sustos que levamos aqui na redação com notícias inesperadas sobre as relações internacionais no Brasil. Na cobertura de negócios, quase nada me surpreende mais. Nesses anos de redação foram tantas reviravoltas, gigantes caídos e azarões que levaram a melhor que não acredito mais em vencedores ou perdedores absolutos.

Veja o caso da Oi e seus 20 anos de história. A empresa nasce da privatização do sistema Telebras, lá no fim dos anos 90. Entra no grupo das “campeãs nacionais” do BNDES e enche o bolso de dinheiro público para ganhar musculatura. Em 2013, anunciava uma mega fusão com a Portugal Telecom, em uma tentativa de se expandir além do Brasil. Deu tudo errado e menos de três anos depois a Oi entrava para a história com o maior pedido de recuperação judicial feito no país até então, com dívidas da ordem de R$ 65 bilhões.

O processo de recuperação foi para lá de turbulento, com briga entre acionistas, credores e a diretoria da empresa. Finalmente, eles se entenderam e os olhos se voltam, de fato, para a busca de soluções para reerguer a empresa.

Ontem a companhia anunciou um plano de venda de ativos como torres de telefonia e uma empresa angolana, mas também a sua operação de telefonia móvel. A Oi indicou claramente que seu foco não é mais brigar com TIM, Vivo e Claro pelo seu número do seu telefone. A nova direção é ganhar o mercado de fibra ótica.

Ficou interessado? A repórter Daniele Madureira traz nesta reportagem os detalhes sobre a guinada da Oi. Ela ouviu analistas que explicam como essas mudanças vão impactar as perspectivas para a empresa e o valor da ação. Recomendo fortemente a leitura!

A Bula do Mercado: de olho no Livro Bege

No aguardo da divulgação do Livro Bege do Federal Reserve, que avalia a situação econômica dos Estados Unidos, o mercado financeiro local deve ficar à deriva durante grande parte do dia. O relatório pode indicar os próximos passos do banco central americano na condução da política monetária do país. A expectativa dos investidores é que a entidade promova pelo menos dois cortes na taxa de juros até o fim de 2019. Buscando contornar os efeitos nocivos da guerra comercial, o apoio à medida cresce entre os diretores do Fed.

Falando nisso, o presidente americano, Donald Trump, jogou um balde de água fria em quem esperava uma retomada das negociações com a China em breve. Ele disse que ainda resta um longo caminho a ser trilhado antes de um eventual acordo. A fala de Trump derrubou as bolsas asiáticas. Os índices futuros em Nova York sinalizam alta, enquanto os mercados na Europa abrem no vermelho.

Ontem, o Ibovespa encerrou com queda de 0,03%, aos 103.775. O dólar fechou o dia com alta de 0,39%, a R$ 3,7709. Consulte a Bula do Mercado para saber o que esperar de bolsa e dólar hoje.

Dinheiro a caminho

Paulo Guedes pode aumentar o saldo bancário de muitos brasileiros. Explico melhor: o ministro confirmou ao Valor Econômico que pode liberar o saque do FGTS. A iniciativa serviria para dar um gás na economia brasileira, com a injeção de R$ 42 bilhões. Além disso, mais uma rodada de saques do PIS/Pasep deve ser anunciada. Confira.

Força na paralela

Às vésperas do recesso parlamentar, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, defendeu a inclusão de Estados e municípios na reforma da Previdência por meio de uma PEC paralela. Maia quer o apoio dos governadores para que a proposta tenha força no Senado - onde deve começar a tramitação. A medida seria uma saída para não atrasar a tramitação da proposta, que acabou de ser aprovada em primeiro turno na Câmara. Entenda.

Roteiro da privatização

Usina Nuclear de Angra dos ReisO Planalto está definindo uma estratégia para divulgar seu programa de privatizações. A visão é que o tema ainda tem rejeição de parte da população e do Congresso, por isso a comunicação precisa ser bem estruturada, de acordo com o Estadão. Enquanto isso, o Executivo já prepara o terreno para vender mais estatais. Saiu no Diário Oficial da União (DOU) um decreto que qualifica a Usina Termonuclear Angra 3 no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), o que deixa a usina mais próxima da privatização.

Menos duas

Petrobras iniciou um acordo para deixar suas operações de gás no Uruguai. São duas concessões dos anos 1990 que ao longo do tempo se revelaram um mau negócio à estatal, em parte por conta de mudanças nas condições de exportação do gás argentino para o Uruguai. Saiba mais.

Agenda

Indicadores
- Fipe divulga o IPC da 2ª quadrissemana de julho
- Fiesp divulga o índice de nível de empregos de junho

Balanços 
- Netflix, IBM e Alcoa divulgam balanços

Bancos Centrais 
- Banco Central divulga o fluxo cambial até 12 de julho e oferta até R$ 3 bilhões em operações compromissadas de 3 meses
- O Fed divulga Livro Bege, sumário sobre as condições econômicas em cada uma das distritais do banco central

Política 
- O presidente Jair Bolsonaro participa da Cúpula dos Chefes de Estado do Mercosul, em Santa Fé, na Argentina.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Luz no fim do túnel?

Trump: ‘estamos indo muito bem com a China, e conversando’

Membros da equipe econômica norte-americana afirmam que negociadores das duas maiores economias do mundo irão conversar na próxima semana

Tem que adiar isso daí

Vitorioso nas prévias eleitorais argentinas, Fernández defende renegociação de acordo com o FMI

Alberto Fernández afirmou que o acordo para o pagamento de dívidas junto ao Fundo Monetário Internacional é “impossível de cumprir”

Opinião polêmica

Senadora Simone Tebet: ‘Bolsonaro ainda não vestiu o terno de presidente’

Referindo-se ao presidente, senadora do MDB afirmou “jamais imaginei que pudéssemos chegar onde chegamos”

Na hora de prestar contas

Presidente do Senado briga na Justiça para manter sigilo de gastos parlamentares

Destinadas a cobrir despesas relativas ao exercício do mandato, as cotas variam entre R$ 30 mil e R$ 45 mil, a depender do Estado do congressista

Nem tão hermanos assim

Bolsonaro volta a falar sobre Argentina e diz que país está cada vez mais próximo da Venezuela

Presidente usou sua conta no Twitter para fazer novos comentários sobre o processo sucessório na Argentina

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements