Menu
2019-09-08T08:06:56+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Seu dinheiro no domingo

Não adianta culpar o Bolsonaro. É o mundo que está atrasando a recuperação brasileira

Incerteza sobre futuro da economia americana e dólar forte são vetores mais relevantes que caneladas de Bolsonaro. Lentidão das reformas também atrapalha

8 de setembro de 2019
5:30 - atualizado às 8:06
, Jair Bolsonaro
O Presidente da República, Jair Bolsonaro - Imagem: Marcos Corrêa/Presidência da República

Declarações e posturas do presidente Jair Bolsonaro são colocadas entre os vetores para uma lenta recuperação da economia e falta de fluxo de investimentos domésticos e externos. Pode até ser. Mas achar que um presidente brasileiro é mais importante que a conjuntura mundial é um pouco demais.

Estamos em um fim de ciclo de crescimento global, que se mostra mais aparente na Europa e China, em meio a uma guerra comercial que é muito maior que tarifas e câmbio. Num momento em que todos se perguntam o que será da economia dos Estados Unidos, que está melhor em comparações com os demais pares globais, só não se sabe até quando. E essa resposta é a chave para sabermos quando o dólar pode perder força, abrindo espaço para uma retomada no preço das commodities e das economias emergentes.

Para nos ajudar a entender qual seria o peso relativo de Bolsonaro e suas falas (que, muito entre nós, não deveriam surpreender a ninguém) dentro de um complexo cenário mundial, conversei com dois estrangeiros.

Um já conhecido nosso, de uma conversa sobre a imagem do país logo depois das eleições, quando Bolsonaro foi bombardeado como sendo uma ameaça à democracia pelos principais jornais do mundo. Jean Van de Walle é chefe de investimentos (CIO) da Sycamore Capital, já morou aqui no Brasil nos anos 1980 e tem mais de 30 anos acompanhando emergentes.

Também falei com o economista sênior para América Latina da Continuum Economics, Pedro Tuesta, que tem mais de 15 anos acompanhando a economia e a política brasileiras.

Agendas distintas

Pergunto a Walle se Bolsonaro tem esse peso todo sobre a economia ou sobre a bolsa brasileira.

“Eu duvido que Bolsonaro está tendo algum impacto na bolsa ou na economia. Ele está deixando a política econômica nas mãos do Paulo Guedes. Não vejo ele intervindo. Ele se ocupa da agenda de costumes. A médio e longo prazos pode até causar alguma incerteza, com assuntos como esse envolvendo Amazônia, mas creio que tem outros assuntos mais relevantes”, diz Walle.

A realidade, segundo Walle é que o mundo não está muito amigável para mercados emergentes. Temos um quadro de EUA relativamente forte em comparação com outras economias, o que leva a um fortalecimento do dólar e queda das commodities. A dúvida é como será essa desaceleração dos EUA. Se teremos uma recessão por lá ou não.

Ao mesmo tempo, como o mundo desacelera mais rápido que os EUA, há um movimento mais generalizado de aversão ao risco, o que também favorece o dólar e os ativos americanos.

“Esse conjunto nunca é favorável para emergentes. E a situação agora é essa. É desfavorável”, resume Walle

O dinheiro não liga

Segundo Tuesta, a preocupação dos investidores é se as falas e ações de Bolsonaro são uma ameaça real às Instituições, como o Congresso e a Justiça. Não que os investidores estejam preocupados com as Instituições em si, mas se o cenário for esse, isso é péssimo para os negócios.

Com aquela objetividade típica do gringo, Tuesta diz o seguinte: “Os negócios não se preocupam com direita, esquerda, minorias, floresta até que isso seja um problema para os lucros. Ninguém se importa com guerra cultural desde que isso não atrapalhe a última linha do balanço.”

Até mesmo segmentos que se dizem mais preocupados com questões sociais e ambientais não deixam de fazer negócios com a China, que é uma ditadura, lembra Tuesta.

“Esse não é o problema, por mais que você ache ou goste de pensar assim.”

Na correnteza do rio Amazonas

Do que ninguém escapa, diz Tuesta, é do quadro global que não está nada favorável. Para ilustrar seu ponto, ele chama atenção para o Chile, que tem feito reformas, estímulos fiscais e uso da política monetária (juro real está negativo por lá). Além de ter um presidente menos polêmico que Bolsonaro. Ainda assim, o país andino tem problemas econômicos.

Já no México, o presidente é visto como socialmente inclusivo e preocupado com pautas minoritárias. Mas sua postura com relação à economia é vista como possível ameaça à última linha do balanço. Resultado, menores investimentos e crescimento da economia.

Tuesta, que é natural do Peru, faz a seguinte analogia para falar da importância do quadro internacional: se imagine tentando ir contra a correnteza do rio Amazonas em um banco pequeno, com um remo pequeno. “Você não pode fazer nada, o rio te leva para onde ele quiser.”

O grande problema do Brasil nessa correnteza, diz Tuesta, é que não temos um “remo” para ir contra a maré. Não temos instrumentos para resistir à correnteza. Os instrumentos seriam a política fiscal e a política monetária.

Lembra de 2008? Então, naquele momento tínhamos espaço fiscal para gastar (superávits primários eram de mais de 3% do PIB) e tinha como fazer política parafiscal e monetária. Além de contarmos com commodities em alta. “Agora, nada disso vai acontecer”, explica.

A ideia, segundo Tuesta, é tentar sobreviver à corrente, pois não será possível ir contra ela.

“Se o seu remo é pequeno, você tenta apenas não bater nas margens. Tenta sobreviver com o menor número possível de cicatrizes.”

Manter a rota do barco, segundo Tuesta, é manter o foco nas reformas e demais ajustes econômicos e não tomar medidas contracíclicas exageradas. Esse foi o erro de Dilma Rousseff, com exageros fiscais e corte de juros na marra.

Segundo Tuesta, quando você olha os números e o desenho da política econômica, o Brasil está mantendo a rota, sobrevivendo. Mas ele reconhece que isso é algo bastante difícil politicamente, pois as pessoas estão pedindo grandes medidas. O que o governo não pode fazer é entrar em pânico.

O fantasma argentino

Walle diz que o que está acontecendo com a Argentina é o tipo de crise que não acontece em mercados globais favoráveis. “A Argentina é a última vítima global dessa tendência negativa”, explica.

Para Walle, o mercado global avalia que há algum um efeito contágio da Argentina para o Brasil. “Historicamente os países são parecidos, com os mesmos tipos de problemas”, avalia.

O caso da Argentina, segundo Walle, é um exemplo para todo mundo olhar. Mauricio Macri não aproveitou a oportunidade, não que seja fácil fazer reformas. Mas o ponto é que se passar mais um ano e o Brasil continuar sem crescimento, o mercado pode chegar à mesma conclusão com relação a Bolsonaro.

“Se o Brasil tivesse feito reformas mais rápidas, a situação agora poderia ser diferente. Mas as coisas andam muito devagar e o tempo passa rápido. E você olha a Argentina e pensa que o Lula poderia voltar”, pondera.

O ponto destacado por Walle é que a crise está durando muito tempo no Brasil e os investidores começam a se desesperar e procurar outras opções. Ele se diz impressionado pelos investimentos e compras de imóveis feitas por brasileiros nos EUA. “O brasileiro está tirando dinheiro do Brasil e isso é preocupante”, diz.

Faço a mesma pergunta sobre a Argentina para Tuesta, que diz não acreditar em uma volta de Lula ou PT ao poder. O crescimento decepciona, mas consumidores e o mercado estão um pouco mais otimistas.

“As memórias da recessão são muito novas. A esquerda colocou o país em uma crise tão grande que é difícil de esquecer, mesmo considerando que os eleitores têm memória curta”, avalia.

Há saída ou esperança?

Walle, que ajuda a alocar os cerca de US$ 15 bilhões da Sycamore, diz que está cautelo e com poucos investimentos em mercados emergentes.

“Temos que esperar o ciclo americano. A economia desaquecer por aqui. Ver se ele será bem gerenciado, se não vamos para uma recessão e uma crise. Esse é um assunto para o ano que vem, para 2020, e pode ser muito favorável para emergentes”, diz Walle.

Uma desaceleração sem recessão nos EUA levaria o dólar a perder força ante as demais moedas, favorecendo as commodities e outros investimentos.

“Talvez vejamos, pela primeira vez em sete ou oito anos, o mundo crescendo mais rápido que os EUA e isso iniciaria um ciclo negativo para o dólar e positivo para emergentes. Estou esperando isso”, afirma.

A oportunidade, diz Walle, deve surgir dentro de nove a 18 meses. A questão é como será gerenciado esse ciclo de desaceleração nos EUA.

“Isso é fundamental para o Brasil, que nunca vai conseguir fazer reformas de maneira rápida. Melhora de ambiente global compraria tempo para o Brasil. Eu ficaria bem otimista com o dólar perdendo força.”

Sobra algo de bom?

Para fechar, Walle diz que gosta das empresas de proteína no Brasil, pois esse é um mercado que o país está bastante bem posicionado para tirar vantagem da gripe suína. “JBS e BRF podem andar bem.”

Além disso, ele acredita que o Brasil pode se beneficiar muito da guerra-fria entre China e EUA. Se a China não compra dos EUA, compra do Brasil.

Pergunto se Bolsonaro não terá de escolher entre China e EUA em algum momento. Resposta: “O empresário vai explicar para o Bolsonaro que a China é mais importante. A China não concorre com o Brasil na agricultura. O país deve manter a posição tradicional de não se comprometer."

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Cálculos da Firjan

Reforma tributária pode gerar 300 mil vagas por ano

Cálculos efetuados pela Firjan também mostram que a reforma nos impostos do país pode incrementar o consumo em até R$ 122,7 bilhões

De volta à velha política

Governo se rende às indicações políticas para aumentar base

Presidente foi convencido por ministros da área política de que premiar partidos leais a suas propostas seria a única forma de aprovar reformas

Grandes planos

“Vamos lançar nosso banco digital em mil lojas antes da Black Friday”, diz CEO da Via Varejo

Roberto Fulcherberguer tem trabalhado para que o sistema de vendas pela web esteja tinindo para a próxima Black Friday

Passou!

Centauro aprova plano de outorga para opção de compra de ações neste ano

Plano prevê que a quantidade máxima de ações vinculadas será de 7.943.848

Seu Dinheiro no domingo

Quanto rendeu o Seu Dinheiro em um ano?

Você sabe quanto o Seu Dinheiro rendeu em um ano? Não estou falando aqui do montante que você tem aplicado no banco. Mas do Seu Dinheiro mesmo, esse projeto independente de jornalismo e educação financeira que eu coordeno junto com a Olivia Alonso e que tem um time de feras como o Vinícius Pinheiro, o […]

Olhe e copie

5 coisas inteligentes que pessoas com consultores financeiros fazem com o próprio dinheiro que lhes dão uma vantagem

Nem todos querem ou podem pagar um planejador financeiro próprio. Mas que tal dar uma espiada no que eles andam aconselhando?

Enquanto isso, na Assembleia da ONU...

Promessa de ‘afagos’ teria convencido Bolsonaro a aceitar jantar com Trump

No pacote de gestos, a expectativa de auxiliares do Planalto é que Bolsonaro sente-se próximo de Trump

Poucos amigos

Major Olímpio diz que há estratégia no Congresso para desgastar Bolsonaro

Senador afirmou que parlamentares “votam projetos absurdos e depois jogam no colo do presidente a questão de vetar ou não esses dispositivos”

Série: os mais ricos do Brasil

Abilio Diniz: um bilionário bom de briga

Ele transformou a pequena doceria do pai na maior rede varejista do país e aos 82 anos continua na ativa

Papo de poder

Maia conversa com Bolsonaro sobre pauta de votações da Câmara para próxima semana

Entre os itens da pauta está o projeto de lei que trata do registro, posse e comercialização de armas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements