Menu
2019-04-04T14:01:03+00:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Construtora e incorporadora

Moody’s retira o rating da Gafisa e justifica: “questões comerciais”

Última ação da agência havia sido um rebaixamento do rating de B3 para Caa1, com perspectiva negativa

28 de novembro de 2018
20:03 - atualizado às 14:01
prédios em São Paulo
Gafisa vem passando por mudanças profundas nos seus negóciosImagem: shutterstock

A agência de classificação de risco Moody's anunciou nesta quarta-feira, 28, que vai retirar os ratings da construtora e incorporadora Gafisa. Segundo a agência, os motivos para a decisão foram questões comerciais.

Antes da mudança, a última ação da agência em relação à empresa havia sido um rebaixamento do rating de B3 para Caa1, com perspectiva negativa. Vale lembrar que esse nível, para os padrões da Moody's, equivaleria a uma situação muito próxima de um calote.

Mudanças nas ações

A Gafisa vem passando por mudanças profundas nos seus negócios. Depois da troca de comando e a chegada de Mu Hak You ao poder, a empresa aprovou na terça-feira, 26, a deslistagem de seus American Depositary Shares (ADSs) da Bolsa de Nova York. O programa da construtora passou do Nível 3 para o Nível 1, com negociação somente em mercado de balcão - o que, na prática, representa a passagem para uma patente menor de Wall Street.

Para operadores ouvidos pelo Broadcast/Estadão, depois de tantos problemas envolvendo a mudança na gestão de companhia nos últimos meses, o movimento inspira cautela.

Em relatório, a equipe de analistas da Guide Investimentos ponderou que a medida é parte da estratégia da nova gestão, onde a GWI busca otimizar as estruturas administrativas da empresa e reduzir custos. A Guide lembra que parte da administração anterior já foi destituída, e a GWI vinha questionando diversas práticas. "A medida pode ainda trazer rumores sobre eventual fechamento de capital também no Brasil", observa a corretora.

Depois da decisão, a Gafisa foi a público para justificar a mudança. Segundo a companhia, foram levados em consideração os custos e benefícios do atual programa de ADR. A construtora afirma que com o passar dos anos, a relevância do programa de ADR, em relação a liquidez e volume, reduziu significativamente, o que levou à sua reavaliação.

"No passado, quando houve a listagem, havia expectativa de que os benefícios, principalmente relacionados à captação de recursos, suplantariam os custos de manutenção do Programa de ADR nível 3, incluindo auditoria externa, despesas para atender às exigências da SOX (Sarbanes Oxley) e despesas com a NYSE", diz a Gafisa no documento.

*Com Estadão Conteúdo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

O HOMEM MAIS RICO

Jeff Bezos: paciência para esperar o lucro da Amazon fez o maior bilionário do mundo

Como o empresário transformou uma pequena livraria online em uma das maiores varejistas do mundo e desbancou Bill Gates da lista da Forbes com uma fortuna estimada em US$ 148 bilhões.

Demissão anunciada

Ministro da Fazenda da Argentina renuncia ao cargo e traz novas turbulências ao mercado internacional

Anúncio foi feito por meio de uma carta enviada a Mauricio Macri em que Nicolás Dujóvne justifica a necessidade de uma renovação na área econômica

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements