Menu
2019-08-13T15:01:18+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Mais privatizações na agenda

Ministério da Infraestrutura quer abrir capital da Codesp até final do governo Bolsonaro

Conclusão do processo ainda depende, no entanto, de uma equalização de passivos, como ações trabalhistas e corte de pessoal

13 de agosto de 2019
14:09 - atualizado às 15:01
Dinheiro; notas e moedas de real
Imagem: Shutterstock

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, afirmou nesta terça-feira, 13, que a Pasta pretende realizar até o fim do governo atual a abertura de capital da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp).

O presidente da Codesp, Casemiro Tércio Carvalho, lembrou que, para que a desestatização ocorra, a companhia ainda precisa equalizar seus passivos, como ações trabalhistas.

Segundo ele, a Codesp tem hoje cerca de R$ 1,5 bi de comprometimento de caixa no curto prazo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Uma das ações planejadas, de acordo com Carvalho, é um Plano de Demissão Voluntária (PDV). A abertura do PDV, que envolverá 500 funcionários, está prevista para outubro, informou.

O ministro da Infraestrutura destacou a importância do projeto de desestatização das companhias docas do País, que tem como objetivo trazer maior eficiência e melhor governança da gestão portuária.

Conforme o presidente da Codesp, o projeto de abertura de capital da companhia já atrai o interesse de grupos de Cingapura e da China, além de brasileiros.

Freitas e Carvalho participaram no período da manhã de coletiva de imprensa na B3, na capital paulista, após a licitação de três terminais portuários realizada pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

Ferrogrão

Freitas também afirmou que a Ferrogrão é um projeto prioritário para o governo e que os estudos de concessão já estão praticamente prontos. Segundo ele, a Pasta segue com a intenção de realizar uma concessão da ferrovia, embora a exploração do projeto pudesse ser adequada também ao regime de autorização - o que, porém, demandaria uma mudança legislativa do marco regulatório do setor.

O ministro afirmou que o Congresso tem se mostrado "pro-business" e que recebeu bem a ideia de permitir a exploração de ferrovias no País por meio do regime de autorização. Caso aprovado, esse projeto poderia gerar uma "avalanche de recursos" ao setor ferroviário, disse.

Porém, Freitas observou que, especificamente no caso da Ferrogrão, os investidores interessados dizem se sentir mais "confortáveis" com a presença do Estado no projeto.

Freitas participou na manhã desta terça de coletiva de imprensa na B3, na capital paulista, após licitação portuária realizada pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Luz no fim do túnel?

Trump: ‘estamos indo muito bem com a China, e conversando’

Membros da equipe econômica norte-americana afirmam que negociadores das duas maiores economias do mundo irão conversar na próxima semana

Tem que adiar isso daí

Vitorioso nas prévias eleitorais argentinas, Fernández defende renegociação de acordo com o FMI

Alberto Fernández afirmou que o acordo para o pagamento de dívidas junto ao Fundo Monetário Internacional é “impossível de cumprir”

Opinião polêmica

Senadora Simone Tebet: ‘Bolsonaro ainda não vestiu o terno de presidente’

Referindo-se ao presidente, senadora do MDB afirmou “jamais imaginei que pudéssemos chegar onde chegamos”

Na hora de prestar contas

Presidente do Senado briga na Justiça para manter sigilo de gastos parlamentares

Destinadas a cobrir despesas relativas ao exercício do mandato, as cotas variam entre R$ 30 mil e R$ 45 mil, a depender do Estado do congressista

Nem tão hermanos assim

Bolsonaro volta a falar sobre Argentina e diz que país está cada vez mais próximo da Venezuela

Presidente usou sua conta no Twitter para fazer novos comentários sobre o processo sucessório na Argentina

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements