Menu
2019-07-17T18:33:53-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Há limite para o Magalu?

Ações do Magazine Luiza já subiram mais de 30% neste ano. Para o Bradesco BBI, há espaço para mais

Apesar dos ganhos expressivos dos papéis do Magazine Luiza nos últimos anos, o Bradesco BBI acredita que os papéis ainda podem subir mais, uma vez que a empresa possui boas perspectivas para surfar a nova onda do e-commerce

17 de julho de 2019
15:42 - atualizado às 18:33
Magazine Luiza
Imagem: Divulgação

Vamos a alguns fatos rápidos sobre as ações ON do Magazine Luiza (MGLU3):

  1. Desde o fim de 2015, os papéis acumulam ganhos de mais de 18.000% (sim, dezoito mil por cento)
  2. Somente em 2019, os ativos da empresa já avançaram mais de 30%
  3. Nesta quarta-feira (17), as ações fecharam em alta de 4,44%, a R$ 244,39
  4. O Bradesco BBI ainda vê espaço adicional para valorização

Pois é. Mesmo após toda essa onda positiva nos últimos anos, o mercado ainda possui uma visão bastante otimista a respeito da empresa e do potencial de ganhos dos ativos em bolsa. E o Bradesco BBI é mais uma casa a colocar o Magalu entre as principais escolhas no setor de varejo no Brasil.

E o que pode dar ainda mais força às ações da companhia daqui para frente? Em relatório, a instituição financeira faz uma extensa análise a respeito da "segunda onda" do e-commerce, que engloba produtos como vestuário, calçados e cosméticos. E a conclusão foi clara: o Magazine Luiza encontra-se bem posicionado para surfar essa nova tendência.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O analista Richard Cathcart pondera que, ao longo dos próximos cinco anos, a penetração do varejo eletrônico no Brasil vai sair dos atuais 6% para cerca de 10% — o que implica numa taxa composta de crescimento anual de 20% na receita total de vendas (ou GMV, na sigla em inglês).

No entanto, as taxas elevadas de expansão não devem ser verificadas de maneira uniforme entre os principais players do setor. Para Cathcart, a evolução da participação de mercado das empresas depende de dois fatores: a eficiência logística e a participação nos setores dessa "segunda onda".

E o Magazine Luiza tende a brilhar nesses dois aspectos, ressalta o analista. A aquisição da Netshoes, após longa disputa com a Centauro, é vista pelo Bradesco BBI como fundamental para amentar a exposição do Magalu ao comércio eletrônico de artigos esportivos, vestuário e calçados.

Além disso, a instituição financeira destaca que a ampla rede de distribuição de produtos do Magazine Luiza dá à capilaridade e densidade à organização logística da companhia, o que representa uma vantagem competitiva em relação aos concorrentes no e-commerce.

Como resultado dessa análise, o Bradesco BBI elevou a recomendação para as ações ON do Magazine Luiza, passando de neutro para outperform — ou seja, com desempenho acima da média. Além disso, a instituição fixou um preço-alvo de R$ 320 para os papéis do Magalu ao final de 2020.

E o mercado comprou essa visão positiva: as ações ON da companhia fecharam o pregão de hoje cotadas a R$ 244,39. Assim, considerando o valor atual, o novo preço-alvo da instituição implica num potencial extra de ganhos de mais de mais de 30% até o término do ano que vem.

Vale lembrar, ainda, que o setor de varejo como um todo teve um bom desempenho no Ibovespa nesta quarta-feira, em meio à expectativa quanto à liberação para o saque dos recursos do FGTS — a leitura é a de que esse dinheiro poderá estimular o consumo das famílias no curto prazo.

Futuro do e-commerce

Em seu relatório, Cathcart estima que, atualmente, 55% do comércio eletrônico do Brasil está ligado aos eletrodomésticos e eletrônicos. Assim, o potencial para crescimento nessas duas categorias parece limitado — o que abre espaço para a chamada "segunda onda".

E, além do Magazine Luiza, outra empresa aparece bem posicionada para aproveitar o aumento na demanda por produtos de vestuário e artigos esportivos: o Mercado Livre, que já possui uma forte presença nesses setores. "Por outro lado, achamos que a B2W e a Via Varejo estão atrasadas", escreve o analista.

Do ponto de vista da logística, o Bradesco BBI pondera que o modelo de vendas diretas (conhecido como 1P) é o mais eficiente — e o Magazine Luiza é o principal player nesse tipo de entrega, o que deve dar à empresa uma vantagem competitiva no longo prazo.

"A aquisição da Logbee permitiu à Magalu transformar as lojas numa rede com mais de 800 hubs de entrega, o que significa que ela está mais perto do consumidor e com capilaridade e densidade superior à B2W (200 hubs) e ao Mercado Livre (cujas entregas ainda são enviadas pelos Correios)", diz Cathcart. "Isso implica em mais velocidade e menos custos".

Concorrência

O Bradesco BBI também atualizou suas métricas para as demais empresas do e-commerce brasileiro. No caso do Mercado Livre, a instituição manteve recomendação outperform para as ações negociadas nos Estados Unidos (MELI), estabelecendo preço-alvo de US$ 835 ao fim de 2020.

Já B2W ON (BTOW3) e Via Varejo ON (VVAR3) foram mantidas em neutro, com preços-alvo de R$ 43 e R$ 8 no término do ano que vem, respectivamente.

Queridinha do mercado

Mesmo após os ganhos acumulados ao longo de 2019 — e dos últimos anos —, as casas de análise seguem mostrando ampla confiança em relação ao Magazine Luiza. De acordo com a Bloomberg, sete instituições financeiras possuem recomendação de compra para os ativos ON da empresa, incluindo o Bradesco BBI.

Outras seis mostram-se neutras em relação aos papéis, e apenas uma recomenda a venda. "Elevamos a recomendação para o Magazine Luiza porque estamos mais confiantes de que a empresa será uma das vencedoras no e-commerce do Brasil no longo prazo", finaliza Cathcart.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

VENDA DE AÇÕES

Cofundador da Uber vende cerca de US$ 166 milhões em ações da gigante em dezembro

O fundador de 43 anos fez a venda de mais de 5,8 milhões de papéis da Uber nos últimos três dias úteis desta semana

MAIS LIDAS

O bilionário sem dinheiro

O que eu vou falar agora pode parecer contraditório. Muita gente rica tem a grana curta. O bilionário Elon Musk é um caso clássico disso. É que 99% da sua fortuna está aplicada em ações da Tesla, a montadora de carros elétricos criada por ele. Dinheiro na conta ele tem pouco (certamente muito mais do […]

ADIADA

Governo adia para 2021 fim de taxa em aeroportos

De acordo com ele, a proposta será incluída apenas na Lei Orçamentária Anual de 2021, portanto, a taxa será mantida no ano que vem

Boas novas

SulAmérica vai pagar R$ 110 milhões em juros sobre capital próprio

O pagamento foi aprovado pelo conselho de administração da companhia e terão direito os acionistas na base da empresa em 18 de dezembro, com as ações sendo negociadas “ex” juros a partir do dia seguinte

acordo

Governo brasileiro avalia positivamente acordo entre EUA e China

Para Marcos Troyjo, as vantagens que o Brasil terá com o fim das incertezas causadas pela guerra comercial entre os dois países superam qualquer ganho pontual de mercado que o País teve com a disputa

ALÔ, ACIONISTA!

B3 vai pagar R$ 389 milhões de juros sobre capital próprio

O pagamento de JCP também é uma forma de distribuir lucros, mas em vez de terem um benefício tributário para os acionistas, como ocorre com os dividendos, os Juros sobre Capital Próprio beneficiam a empresa

Projeções para 2020

Os melhores investimentos do mundo: as apostas da BlackRock para 2020

Entre os ativos preferidos da gestora global para o ano que vem estão as ações e os títulos de renda fixa dos mercados emergentes

MUDANÇAS À VISTA?

Concessionária de Viracopos ‘sinaliza’ com processo de devolução, diz ministro

No fim de novembro, a Aeroportos Brasil, administradora de Viracopos, protocolou na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) as considerações finais do processo de caducidade (extinção) do terminal de Campinas

Leilões

Governo projeta até 44 leilões para 2020, incluindo a rodovia presidente Dutra

Em 2019, segundo o ministro, o governo realizou 27 licitações. Foram 13 terminais portuários, um trecho da Ferrovia Norte-Sul, as rodovias BR-364 e 365 e 12 aeroportos

O Ibovespa e o eu do futuro

A Helena, minha filha de nove anos, e os amigos da escola decidiram escrever uma carta para o “eu do futuro” como trabalho de final de ano – hoje é o último dia de aula. Eu nunca tive esse tipo de atividade quando criança, mas já pensei várias vezes em como seria fazer algo do […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements