Menu
2019-08-12T18:25:53+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
30% mais pobre em um dia

Macri: Mercados mostram que há um problema grave de confiança entre Kirchnerismo e o mundo

Presidente da Argentina, Mauricio Macri, pediu que Alberto Fernández e Cristina Kirchner façam uma autocrítica e construam credibilidade que não têm junto à comunidade internacional

12 de agosto de 2019
18:01 - atualizado às 18:25
Mauricio Macro
Presidente da Argentina, Mauricio Macri - Imagem: Print Youtube

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, concedeu uma entrevista na tarde desta segunda-feira comentado as prévias eleitorais do país, que deram ampla vantagem à candidatura de Alberto Fernández e Cristina Kirchner. Resultado que promoveu um dia muito ruim nos mercados do país, com queda de mais de 30% da bolsa e um salto semelhante na cotação do dólar.

“O maior problema é que a alternativa Kirchnerista não tem credibilidade no mundo”, disse, Macri, pedindo para que os oposicionistas façam uma autocrítica a fim de construir essa credibilidade que hoje eles não têm.

O movimento dos mercados, segundo Macri, demostra que “há um problema grave entre o Kirchnerismo e o mundo, que não confia no que eles pretendem fazer com a Argentina”. Ainda de acordo com Macri, essa falta de confiança já prejudica os argentinos hoje mesmo.

Macri disse estar disponível para ajudar os oposicionistas a fazerem essa reconquista, mas que eles terão de mostrar que farão algo distinto em comparação com as outras vezes em que comandaram o país. O marido de Cristina, Néstor governou o país de 2003 a 2007 e a própria Cristina entre 2007 a 2015.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Mensagem e pobreza

Segundo Macri, cada eleição é uma mensagem e ele entendeu a mensagem dada ontem pelos argentinos e creditou a falta de votos para sua reeleição a uma “bronca acumulada” do duro processo econômico que se iniciou com sua eleição.

De forma bastante resumida, Macri assumiu com uma agenda de reformas econômicas, mas não conseguiu gerar resultados na velocidade esperada. A inflação segue elevada, o país está em recessão e voltou a fechar acordo de ajuda com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Para dar uma ideia do que foi o otimismo com a eleição de Macri, a Argentina fez uma captação de títulos perpétuos em 2017 em operação que teve forte demanda. Os papéis, que eram negociados 74 centavos de dólar no fim da semana passada, caíram para cerca de 54 centavos no pregão de hoje.

“Estamos mais pobres”, disse Macri, ao comentar a forte reversão de expectativas com relação à sexta-feira, quando os mercados por lá tiveram um dia de euforia, com a avaliação de que a diferença dele para os candidatos Kirchneristas não seria tão grande.

A prévia eleitoral, no entanto, mostrou cerca de 47% dos votos para Fernández e 32% para Macri. Para muitos bancos e consultorias, a reversão desse placar até outubro é praticamente impossível.

O peso chegou a cair mais de 30% ante o dólar, com a taxa de câmbio indo a 60 pesos por dólar. Essa disparada do câmbio certamente terá novos impactos sobre a inflação, dificultando ainda mais o trabalho do BC argentino, que em meio ao caos do pregão de hoje elevou o juro em 10 pontos percentuais, para impressionantes 74%, e fez dois leilões no mercado de câmbio, totalizando US$ 100 milhões.

A preocupação do mercado é que o país decrete, novamente, uma moratória de sua dívida ou tenha de fazer reestruturação das linhas internacionais já tomadas junto ao FMI.

A entrevista pode ser encontrada nesse link.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Cálculos da Firjan

Reforma tributária pode gerar 300 mil vagas por ano

Cálculos efetuados pela Firjan também mostram que a reforma nos impostos do país pode incrementar o consumo em até R$ 122,7 bilhões

De volta à velha política

Governo se rende às indicações políticas para aumentar base

Presidente foi convencido por ministros da área política de que premiar partidos leais a suas propostas seria a única forma de aprovar reformas

Grandes planos

“Vamos lançar nosso banco digital em mil lojas antes da Black Friday”, diz CEO da Via Varejo

Roberto Fulcherberguer tem trabalhado para que o sistema de vendas pela web esteja tinindo para a próxima Black Friday

Passou!

Centauro aprova plano de outorga para opção de compra de ações neste ano

Plano prevê que a quantidade máxima de ações vinculadas será de 7.943.848

Seu Dinheiro no domingo

Quanto rendeu o Seu Dinheiro em um ano?

Você sabe quanto o Seu Dinheiro rendeu em um ano? Não estou falando aqui do montante que você tem aplicado no banco. Mas do Seu Dinheiro mesmo, esse projeto independente de jornalismo e educação financeira que eu coordeno junto com a Olivia Alonso e que tem um time de feras como o Vinícius Pinheiro, o […]

Olhe e copie

5 coisas inteligentes que pessoas com consultores financeiros fazem com o próprio dinheiro que lhes dão uma vantagem

Nem todos querem ou podem pagar um planejador financeiro próprio. Mas que tal dar uma espiada no que eles andam aconselhando?

Enquanto isso, na Assembleia da ONU...

Promessa de ‘afagos’ teria convencido Bolsonaro a aceitar jantar com Trump

No pacote de gestos, a expectativa de auxiliares do Planalto é que Bolsonaro sente-se próximo de Trump

Poucos amigos

Major Olímpio diz que há estratégia no Congresso para desgastar Bolsonaro

Senador afirmou que parlamentares “votam projetos absurdos e depois jogam no colo do presidente a questão de vetar ou não esses dispositivos”

Série: os mais ricos do Brasil

Abilio Diniz: um bilionário bom de briga

Ele transformou a pequena doceria do pai na maior rede varejista do país e aos 82 anos continua na ativa

Papo de poder

Maia conversa com Bolsonaro sobre pauta de votações da Câmara para próxima semana

Entre os itens da pauta está o projeto de lei que trata do registro, posse e comercialização de armas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements