Menu
2019-07-19T15:32:47-03:00
Com pouco apetite para consumir

Intenção de consumo das famílias recua 1,7% em julho, na 5ª queda consecutiva

“O consumidor segue cauteloso, condicionado pelo nível de endividamento e pelo mercado de trabalho, em que o desemprego vai se mostrando persistente”, avalia o presidente da CNC, José Roberto Tadros em nota

19 de julho de 2019
14:50 - atualizado às 15:32
shutterstock_390919138
Imagem: Shutterstock

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) teve queda de 1,7% em julho em relação a junho, a quinta consecutiva no ano, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O indicador ficou em 89,9 pontos, ante 91,3 pontos em junho, permanecendo abaixo dos 100 pontos desde abril de 2015. A queda da ICF desde março reflete, segundo a CNC, as dificuldades enfrentadas pelas famílias brasileiras para manter o padrão de vida.

Na comparação com o mês de julho do ano passado, houve uma alta de 5,5% no indicador. No entanto, todos os componentes da ICF apresentaram taxas negativas, em uma situação equiparável à do período de forte crise econômica em 2015-2016, pontua a CNC em comunicado.

No acumulado de 2019, a taxa, que encerrou o primeiro semestre zerada, agora apresentou uma inflexão e está em patamar negativo, com perda de 1,7%. No ano, a intenção de compras subiu somente em janeiro (5,1%) e fevereiro (2,7%).

"O consumidor segue cauteloso, condicionado pelo nível de endividamento e pelo mercado de trabalho, em que o desemprego vai se mostrando persistente", avalia o presidente da CNC, José Roberto Tadros em nota. Segundo Tadros, o cenário econômico pode melhorar no segundo semestre, com a aprovação da reforma da Previdência, mas é preciso avançar em medidas que vão destravar a economia, como a reforma tributária e a MP da Liberdade Econômica.

O item que avalia o momento para consumo de bens duráveis recuou 3,8% na passagem de junho para julho. Isso, diz a CNC, revela que as famílias não estão confiantes em adquirir este tipo de bem, cujas características dependem do crédito, da prestação dentro do orçamento e da confiança para o pagamento futuro. O item Perspectiva de Consumo também puxou o indicador geral para baixo, ao registrar recuo de 3,2%, assim como o item Nível de Consumo Atual (-2,6%), Renda Atual (-0,6%) e Emprego Atual (-0,6%).

"As sucessivas quedas da ICF evidenciam que o endividamento das famílias torna a conjuntura de recuperação econômica mais difícil. Se no cenário de escassez de crédito os juros pouco cedem, as empresas acabam adiando investimentos e o desemprego vai se mostrando resistente em diminuir", destaca a CNC.

A pesquisa identificou também que a retração aconteceu em todo o País. As maiores quedas ocorreram no Nordeste (-2,4%) e no Sudeste (-2,2%). A maior variação negativa foi identificada nas famílias cujos ganhos atingem mais de dez salários mínimos, registrando -2,9%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Lula solto impacta mais ainda eleições, diz Doria

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vai impactar ainda mais o cenário eleitoral depois de ser colocado em liberdade, avalia o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Em entrevista ao Estadão/Broadcast, Doria disse que para o petista é uma “questão de honra” lançar uma chapa competitiva para disputar a Prefeitura de São […]

Melhora da economia interrompe perda de popularidade de Bolsonaro, diz Datafolha

O otimismo em relação à atividade econômica nos próximos meses aumentou para 43%, ante 40% em agosto e 50% no início do governo

NOVO RACHA

PSDB terá candidato à presidência em 2022, garante Bruno Araújo

João Doria prepara sua própria candidatura à sucessão de Jair Bolsonaro. Enfrenta, porém, um concorrente interno: Eduardo Leite, governador do RS

Saiba três formas de investir nas ações ou ganhar dinheiro com o IPO da XP

Você pode investir diretamente nas ações da XP lá fora abrindo conta em uma corretora americana, via fundos ou comprando papéis de um banco aqui no Brasil

O que você precisa saber sobre o IPO da XP na bolsa americana Nasdaq

Eu conto para você se vale a pena se tornar sócio da empresa responsável por inaugurar no Brasil o modelo de plataforma aberta de investimentos para o público de varejo

A terceira onda. Um novo milagre econômico vem por aí?

Tudo indica que um novo bull market das commodities esteja começando. E, como das outras vezes, isso será extremamente benéfico para o Brasil

Oxford Economics eleva previsão de crescimento do PIB do Brasil em 2020 para 2%

Casa avalia que as recentes tarifas sobre o aço e alumínio brasileiro não devem atrapalhar a recuperação da atividade, que vem ganhando fôlego

Marfrig confirma oferta subsequente de ações que pode somar R$ 3,3 bi

A oferta será primária e inclui um lote secundário, para a venda de ações detidas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES)

BLACK WEEK

MAIS LIDAS: Quem bombou na Black Friday?

Meus vizinhos se empolgaram na Black Friday. E não foram só eles: os números do varejo mostram um crescimento considerável na edição deste ano

Ex-presidente da Bayer no Brasil cria startup de cannabis

Em voo solo, há quase um ano e meio, empresário prepara-se para voltar ao setor, desta vez em um segmento em franco crescimento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements