Menu
2019-06-01T16:09:36+00:00
expectativa

Exterior e fusão impõem volatilidade ao setor de alimentos

Guerra comercial e peste suína podem representar oportunidades de expansão para empresas brasileiras; movimentos de fusão e aquisição, como a intenção anunciada pela BRF e Marfrig também são pontos que devem adicionar volatilidade às ações do setor

1 de junho de 2019
16:09
Embalagem de carne bovina
Imagem: shutterstock

A guerra comercial entre Estados Unidos e China e a peste suína podem representar oportunidades de expansão para empresas brasileiras de alimentos. Analistas, no entanto, alertam que uma possível desaceleração da economia chinesa pode impactar as exportações do setor. Movimentos de fusão e aquisição, como a intenção anunciada pela BRF e Marfrig também são pontos que devem adicionar volatilidade às ações do setor.

"De forma intuitiva tanto a guerra comercial quanto a peste suína parecem positivas, pois em tese, abrem a possibilidade de aumento do volume de negócios para as exportadoras brasileiras", avalia o analista Victor Martins, da Planner Corretora. É preciso acompanhar os desdobramentos, diz.

Para o analista André Ferreira da MyCap, o agravamento da peste suína na China tem feito o mercado internacional voltar os olhos para o mercado brasileiro, contribuindo para um aumento das exportações, assim como dos preços. "O cenário segue positivo porque a demanda por proteína animal ainda vai aumentar, já que é esperada uma queda superior a 30% da produção chinesa por consequências da doença", afirma.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O profissional avalia, no entanto, que a guerra comercial entre as duas maiores economias do planeta pode levar a uma desaceleração da economia chinesa impactando o segmento.

O economista-chefe do banco digital Modalmais, Alvaro Bandeira, lembra ainda que é preciso considerar os movimentos de fusões e aquisições internas, como a operação anunciada entre BRF e Marfrig.

Ferreira da MyCAP avalia que a fusão das duas empresas pode ser positiva no longo prazo pela abrangência global da marca, que vai abrir caminho para entrada em mercados mais consolidados, onde gigantes do setor dominam. "Por outro lado, no curto e médio prazos, o desafio de ajustar uma operação dessa magnitude será bem complexo, exigindo assim uma boa governança corporativa e visão estratégica", afirma.

Martins, da Planner, por sua vez, alerta que as negociações só começaram e existe a possibilidade de a transação não ocorrer. Ele lembra que o Memorando de Entendimentos assinado entre as duas companhias prevê um período de exclusividade de 90 dias, prorrogáveis por 30 dias. Nesse período serão avaliadas as sinergias, a estrutura societária mais eficiente a ser adotada, não estando descartados ajustes nos termos da transação. "Nesse contexto, preferimos acompanhar os desdobramentos, lembrando que a operação necessita da aprovação de acionistas importantes de ambas as companhias além dos órgãos de defesa da concorrência."

Para esta semana a Guide Investimentos trocou as ações ordinárias da Eztec pelas preferenciais de Itaúsa. A Mirae Asset continua com Vale e acrescentou quatro novas ações: Banco do Brasil, BR Distribuidora, Marfrig e Gerdau Metalúrgica PN.

BB-BI mudou quase toda a carteira com manutenção apenas de Locamerica. Entraram Bradesco PN, BR Distribuidora ON, IRB Brasil Re ON e Cteep PN. A MyCap manteve apenas Banco do Brasil no portfólio e acrescentou BRMalls, CCR, Duratex e Ultrapar.

Bradesco fez uma alteração com Tenda ON dando lugar para Even ON. O banco digital Modalmais fez duas mudanças com entrada de IRB Brasil Re ON e Engie Brasil ON no lugar de Banco do Brasil e BB Seguridade.

Expectativa de alta de ações ganha fôlego

A expectativa positiva para o Ibovespa teve um salto no Termômetro Broadcast Bolsa, que tem por objetivo captar o sentimento de operadores, analistas e gestores para o comportamento do índice na semana seguinte. Entre 26 participantes, a previsão de alta na próxima semana atingiu 65,38%, ante 48,39% na pesquisa anterior. A de queda recuou de 19,35% para 15,38% e a de estabilidade caiu de 32,26% para 19,23%. O Ibovespa teve ganho semanal de 3,63%.

Na próxima semana, as atenções seguem concentradas em Brasília, em especial em torno da movimentação para a reforma da Previdência. Os parlamentares devem acelerar os trabalhos, na medida em que a intenção do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é aprovar o texto, que ainda está na comissão especial, já no primeiro semestre. O relator da proposta, Samuel Moreira (PSDB-SP), afirmou que pode apresentar seu parecer antes do dia 15. "Quem sabe no fim da semana que vem ou no começo da outra. Estamos nos preparando para isso", disse ontem.

Na agenda de indicadores, os pontos altos são os dados da produção industrial de abril e o IPCA de maio. "Estimamos ligeira recuperação da indústria em abril, com expansão de 0,2% no mês, ainda sinalizando fraca retomada da economia doméstica. O IPCA de maio deverá apresentar deflação em alimentação e descompressão em combustíveis, chegando a uma alta de 0,22%", afirmaram os economistas do Bradesco.

A divulgação do relatório de emprego norte-americano de maio, na sexta-feira (7), é o destaque da agenda internacional da semana que vem, marcada ainda pela divulgação de Índices de Gerentes de Compra (PMIs, na sigla em inglês) na Europa, China e nos Estados Unidos.

Na Europa, o calendário de eventos traz a reunião do Banco Central Europeu (BCE), na quinta-feira.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Fazendo as contas

Guedes: preço do gás pode cair 40% e PIB industrial crescer 8,46%

Ministro afirmou que a quebra do monopólio do gás é um movimento de mercado, mas o governo federal não vai socorrer os Estados

Canetada

Bolsonaro diz que vetará possibilidade de Congresso definir nomes para agências

Bolsonaro disse que as agências reguladoras têm poder muito grande e que a prerrogativa do presidente indicar seus chefes é “muito importante”

Seu Dinheiro na sua noite

Alguém anotou a placa?

Na perspectiva de Mercúrio, um personagem da série X-Men dotado de supervelocidade, o resto do mundo é que se movimenta como se estivesse em câmera lenta. Já ficou conhecida a fantástica cena de um dos filmes da franquia em que Mercúrio salva todos os heróis de uma explosão. A graça é que a sequência toda […]

Vai um aeroporto aí?

Governo quer privatizar aeroportos de Congonhas e Santos Dumont em 2021 ou 2022

De acordo Tarcísio Freitas, a ideia do governo é transferir todos os aeroportos da Infraero para a iniciativa privada até 2021

Sinais?

Investidor estrangeiro está indo de ações e fundos para a renda fixa, diz Banco Central

Dados do banco mostraram que, em maio, houve saída líquida de US$ 2,448 bilhões em ações e fundos

Passando a tesoura

Governo vai reduzir estimativa para crescimento do PIB neste ano

A última previsão oficial, utilizada como parâmetro para as revisões orçamentárias, de 1,6%, foi divulgada em maio

Quem dá mais?

Justiça manda leiloar Lamborghini de Eike Batista e lancha de Sérgio Cabral

Bem mais caro colocado em leilão por Bretas, que ocorre no próximo dia 4, é a lancha Intermarine 680, também de Eike

Eu também quero!

Unidas acompanha Movida e anuncia parceria para instalar pagamentos automáticos em sua frota de veículos

Segunda maior locadora de automóveis do Brasil anunciou uma parceria com a Veloe, unidade de negócios da Alelo, do Banco do Brasil e Bradesco

Um toma lá dá cá

Joice Hasselmann cita ajustes na reforma da Previdência e projeta economia perto de R$ 1,1 trilhão

Deputada afirmou que o porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, anunciará as alterações nesta segunda ou terça-feira

Tudo tem um porém

Fitch: reforma da Previdência tem progresso, mas riscos ao crescimento persistem

Agência de classificação de risco ressalta que novas medidas fiscais serão necessárias para estabilizar a expansão da dívida pública

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements