Menu
2019-07-19T19:24:53+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Saldo negativo

O Ibovespa passou a semana correndo em círculos. E acabou perdendo o equilíbrio

Assim como um cachorro entediado persegue o próprio rabo para tentar se distrair, o Ibovespa tentou encontrar um fator para dar direção às negociações, em meio ao vácuo deixado pela reforma da Previdência. Mas foi em vão: o índice correu em círculos, sem conseguir abocanhar nada, e fechou a semana com baixa acumulada de 0,44%

19 de julho de 2019
10:25 - atualizado às 19:24
Cachorro correndo atrás do rabo
Ibovespa caiu mais de 1% hoje; dólar subiu a R$ 3,74 - Imagem: Shutterstock

O Ibovespa teve uma semana de cão.

Não é que a bolsa brasileira enfrentou dias particularmente difíceis, nada disso. Mas, assim como um cachorro entediado persegue o próprio rabo para tentar se distrair, o índice tentou encontrar um novo fator para dar direção às negociações, em meio ao vácuo deixado pela reforma da Previdência.

E o Ibovespa correu em círculos. Tentou abocanhar o saque do FGTS, mas ele escapou no último minuto. Ensaiou uma alta em conjunto com as bolsas americanas, mas esse fator também se mostrou fugaz. E, depois de tantos giros em vão, os agentes financeiros ficaram tontos — tal qual o melhor amigo do homem, ao passar minutos dando voltas no mesmo lugar.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Essa tontura foi sentida nesta sexta-feira (19): o Ibovespa terminou o pregão em baixa de 1,21%, aos 103.451,93 pontos, acumulando uma perda de 0,44% na semana. O dólar à vista também se desequilibrou: a moeda americana subiu 0,45% hoje, a R$ 3,7458 — um ganho de 0,2% desde segunda-feira.

Vale analisar, contudo, o desempenho dia a dia. Na segunda (15) e na terça (16), o índice caiu 0,10% e 0,03%, respectivamente. Na quarta (17) e na quinta (18), subiu 0,08% e 0,83%, nesta ordem; e, hoje, caiu 1,21%.

Sem bolinha para buscar

O Cãobovespa — desculpem pelo péssimo trocadilho — reage a muitos estímulos, mas um deles se destacava: a reforma da Previdência. E quanto mais longe essa bolinha era arremessada, mais animado ficava o mascote.

Só que, com o início do recesso do Congresso, esse brinquedo foi guardado no armário — só voltará à ativa em agosto. Então, lá foi o cachorro buscar outros jeitos para gastar energia.

Começou vasculhando a própria casa: o que poderia chamar a atenção por aqui? O noticiário corporativo não trazia muitas novidades, e, em Brasília, o cenário político esteve quase em stand by. É importante salientar o quase, já que um detalhe do front do governo foi suficiente para capturar a imaginação do mercado.

No meio da semana, começou a ganhar força a informação de que a administração Bolsonaro iria liberar, na quinta-feira (18), o saque parcial das contas ativas do FGTS — a ideia é estimular o consumo e aquecer a atividade doméstica. E, na ausência da Previdência, essa fagulha foi suficiente para alegrar os agentes.

Só que a animação não deu em nada: afinal, o governo adiou o anúncio para a semana que vem. E lá foi o Cãobovespa buscar alguma outra coisa para se distrair...

Girando em círculos

A saída, então, foi olhar pela janela e ver o que estava acontecendo do lado de fora. E, no exterior, um tema concentrava as atenções: as discussões referentes à taxa de juros dos Estados Unidos.

Em linhas gerais, os mercados mostram-se confiantes quanto ao corte nas taxas americanas já na próxima reunião do Federal Reserve (Fed), no fim desse mês. Mas não há consenso quanto à intensidade desse corte: há quem aposte em 0,25 ponto percentual, e há quem defenda 0,50 ponto percentual.

Só que, ao longo da semana, os sinais vindos lá de fora foram inconclusivos a respeito desse tema. Os dados mais recentes da economia americana ora mostravam enfraquecimento, ora indicavam força — e as indicações de autoridades do BC dos EUA também ficavam em cima do muro.

Mas, na quinta-feira, esse cenário pareceu pender para um dos lados — o dos que defendem um corte mais rápido nos juros. Afinal, o presidente da distrital de Nova York do Fed, John Williams, assumiu um tom agressivo num discurso, dando a entender que era favorável a uma ação intensa da instituição o mais rápido possível.

Com isso, as bolsas americanas ganharam força e foram ao campo positivo — e o Ibovespa se animou. Só que, assim como no caso do FGTS, a alegria durou pouco.

Ainda na quinta-feira, o Fed de Nova York veio a público para colocar panos quentes, afirmando que a fala de Williams não tinha relação com a política monetária do país. E, hoje, outros presidentes distritais do Fed assumiram tons mais amenos — Eric Rosengren, do distrito de Boston, disse inclusive que não via um corte de juros como necessário.

Com isso, os mercados americanos murcharam e fecharam em queda nesta sexta-feira: o Dow Jones caiu 0,25%, o S&P 500 recuou 0,62% e o Nasdaq teve baixa de 0,74%. E o Ibovespa, cansado de correr atrás do rabo, cedeu à realização de lucros.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Luz no fim do túnel?

Trump: ‘estamos indo muito bem com a China, e conversando’

Membros da equipe econômica norte-americana afirmam que negociadores das duas maiores economias do mundo irão conversar na próxima semana

Tem que adiar isso daí

Vitorioso nas prévias eleitorais argentinas, Fernández defende renegociação de acordo com o FMI

Alberto Fernández afirmou que o acordo para o pagamento de dívidas junto ao Fundo Monetário Internacional é “impossível de cumprir”

Opinião polêmica

Senadora Simone Tebet: ‘Bolsonaro ainda não vestiu o terno de presidente’

Referindo-se ao presidente, senadora do MDB afirmou “jamais imaginei que pudéssemos chegar onde chegamos”

Na hora de prestar contas

Presidente do Senado briga na Justiça para manter sigilo de gastos parlamentares

Destinadas a cobrir despesas relativas ao exercício do mandato, as cotas variam entre R$ 30 mil e R$ 45 mil, a depender do Estado do congressista

Nem tão hermanos assim

Bolsonaro volta a falar sobre Argentina e diz que país está cada vez mais próximo da Venezuela

Presidente usou sua conta no Twitter para fazer novos comentários sobre o processo sucessório na Argentina

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements