Menu
2019-07-15T18:20:46+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Dando círculos

O Ibovespa correu, correu e correu. Mas, ao fim do dia, ficou quase no mesmo ponto

O Ibovespa teve uma segunda-feira (15) de bastante instabilidade, oscilando constantemente entre os campos positivo e negativo. E, em meio aos sinais mistos vindos do exterior e do front local, o índice fechou perto da estabilidade, com leve queda

15 de julho de 2019
10:23 - atualizado às 18:20
Hamster correndo numa gaiola
Ibovespa passou a sessão oscilando entre perdas e ganhos, fechando bem perto do zero a zero; dólar subiu - Imagem: Shutterstock

A roda do Ibovespa girou sem parar nesta segunda-feira (15). Afinal, havia muita energia para ser gasta: tanto por aqui quanto no exterior, diversos fatores forneceram estímulo ao índice ao longo do dia.

Havia a Previdência — ou a falta de novidades em relação à tramitação da reforma até agosto. Havia a China — ou a ausência de uma leitura clara a respeito dos dados econômicos mais recentes do gigante asiático. E também havia as bolsas americanas — ou a inexistência de uma direção única dos índices de Nova York.

E em meio a esse cenário difuso, com inúmeros fatores que não possuíam leitura clara, o Ibovespa correu em círculos, oscilando entre perdas e ganhos ao longo do dia. E, ao fim do pregão, ficou praticamente no mesmo lugar: teve leve baixa de 0,10%, aos 103.802,69 pontos.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Ao longo do dia, o principal índice da bolsa brasileira oscilou entre os 103.494,84 pontos (-0,40%) e os 104.577,91 pontos (+0,65%), terminando a sessão com leve viés negativo — com isso, o Ibovespa engatou o terceiro pregão consecutivo em baixa.

O dólar à vista, por outro lado, mostrou tendência mais clara. Ainda durante a manhã, a moeda americana mostrou que teria um dia de maior pressão, encerrando a segunda-feira em alta de 0,48%, a R$ 3,7563.

O comportamento dos ativos brasileiros esteve bastante associado ao tom visto no exterior. E, lá fora, quem deu as cartas foi a China — ou, para ser mais preciso, a incerteza quanto aos impactos da guerra comercial ao país.

Yin Yang

Três importantes indicadores econômicos da China foram divulgados nesta madrugada: o PIB referente ao segundo trimestre de 2019 e os dados de produção industrial e vendas no varejo em junho. Só que os números foram inconclusivos quanto ao estado da economia do país asiático.

Por um lado, o PIB trouxe preocupação: a economia chinesa cresceu 6,2% no segundo trimestre deste ano, resultado que ficou abaixo das projeções de analistas e que representa o menor ritmo de crescimento trimestral nos últimos 27 anos.

Mas, por outro, a produção industrial e as vendas no varejo do país em junho ficaram acima do esperado, avançando 6,3% e 9,8% no mês, respectivamente — números que indicam uma recuperação na atividade do país.

Assim, os mercados trabalharam com duas correntes de interpretação ao longo do dia. Os pessimistas mostraram-se receosos quanto ao futuro da economia chinesa em meio à guerra comercial — e um certo tripúdio do presidente americano, Donald Trump, ao comentar o PIB chinês, cooperou para trazer desconforto às negociações.

Já os otimistas fizeram uma leitura diferente: o menor ritmo de crescimento da China reforça a leitura de que os principais bancos centrais do mundo devem entrar num ciclo coordenado de corte de juros, de modo a estimular as economias globais neste momento de instabilidade.

E qual o resultado dessa dualidade para as bolsas americanas nesta segunda-feira? Assim como o Ibovespa, os índices de Nova York correram, correram e correram — e também ficaram praticamente parados.

Só que, nos EUA, o tom foi ligeiramente positivo ao fim do dia: o Dow Jones teve alta de 0,10%, o S&P 500 avançou 0,02% e o Nasdaq subiu 0,17% — e, assim, os três índices renovaram suas máximas históricas de fechamento.

"Os dados da China deram a tônica às negociações em âmbito global, mas esse compasso de espera visto nos Estados Unidos também possui relação com o início da temporada de resultados trimestrais por lá", diz Victor Candido, economista da Journey Capital.

Os dados chineses também impactaram diretamente o Ibovespa, uma vez que o bom resultado da produção industrial do país animou as ações do setor de mineração e siderurgia, com destaque para Vale ON (VALE3), com ganho de 1,70% — as indústrias da China são grandes consumidoras de minério de ferro e produtos siderúrgicos.

Previdência em stand by

Por aqui, a reforma da Previdência continua no radar dos agentes financeiros. Mas, assim como a questão da China, há duas leituras possíveis para a a confirmação de que a votação em segundo turno do texto no plenário da Câmara ficará apenas para agosto.

Se é inquestionável que o atraso no cronograma representa um ponto de incerteza quanto à tramitação da proposta, também é verdade que, com a conclusão da votação dos destaques, há a certeza de que o texto não sofrerá uma desidratação mais ampla, como era temido pelos mercados.

"[O atraso no cronograma] não é ideal, mas o mercado já entendeu que a aprovação de uma reforma razoável deve acontecer com certeza", pondera Candido, ressaltando que o exterior foi o principal fator de influência para as operações desta segunda-feira.

Essa pausa na Previdência motivou ajustes mais expressivos no câmbio — vale lembrar que o dólar à vista passou por forte alívio na semana passada, quando acumulou perdas de mais de 2%. Com isso, o real ficou na contramão das demais divisas emergentes, que se fortaleceram ante a moeda americana nesta segunda-feira.

DIs em baixa

Já a curva de juros fechou o dia com um ligeiro viés negativo, destoando do dólar. Na ponta curta, os DIs para janeiro de 2021 caíram de 5,59% para 5,56%; na longa, as curvas com vencimento em janeiro de 2023 recuaram de 6,33% para 6,32%, enquanto as para janeiro de 2025 foram de 6,88% para 6,87%.

Na semana passada, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que a aprovação, em primeiro turno, do texto-base da reforma da Previdência representava uma melhora no balanço de riscos considerado pela instituição, levando os mercados a reforçarem a leitura de que um ciclo de cortes na Selic será iniciada já na próxima reunião, no fim desse mês.

Além disso, a nova queda na expectativa de crescimento do PIB brasileiro em 2019 no boletim Focus, passando de 0,82% na semana passada para 0,81%, também alimenta a percepção de que a Selic terá de ser cortada para estimular a economia local — o que provoca ajustes à curva de juros.

China em foco

Como já dito acima, a recuperação da produção industrial da China deu força às mineradoras e siderúrgicas do Ibovespa, mas não foi só isso. O minério de ferro fechou em alta de 1,85% nesta segunda-feira, o que também impulsionou as ações desse setor.

Além de Vale ON, destaque para as ações ON da CSN (CSNA3), que subiram 1,35%, e PN da Gerdau (GGBR4), com ganho de 1,43%.

Fortalecendo o time

Quem liderou a ponta positiva do Ibovespa, contudo, foi a ação ON da Via Varejo (VVAR3), que avançou 7,82%. O mercado seguiu reagindo bem às movimentações na diretoria da empresa, que recentemente passou às mãos de Michael Klein.

Desta vez, a companhia anunciou a contratação de Helisson Lemos, até então diretor de operações da Móvile — a dona do iFood. Ele exercerá o posto de Chief Digital Officer (CDO), ficando responsável por consolidar a transformação digital da empresa.

Lopes trabalhou por 17 anos no Mercado Livre, em que ocupou a presidência por sete anos.

Petrobras e bancos caem

Apesar dos ganhos das ações da Vale, as demais blue chips do Ibovespa — papéis de maior liquidez e grande peso individual na composição do índice — fecharam em queda, puxando a bolsa brasileira para baixo.

As ações da Petrobras terminaram o dia no campo negativo: as PNs (PETR4) caíram 1,23% e as ONs (PETR3) tiveram baixa de 1,68% — no exterior, tanto o petróleo Brent (-0,36%) quanto o WTI (-1,04%) tiveram perdas.

Entre os bancos, o sinal foi o mesmo: Itaú Unibanco PN (ITUB4) caiu 0,27%, Bradesco PN (BBDC4) recuou 0,42% e Banco do Brasil ON (BBAS3) teve baixa de 0,60%.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Luz no fim do túnel?

Trump: ‘estamos indo muito bem com a China, e conversando’

Membros da equipe econômica norte-americana afirmam que negociadores das duas maiores economias do mundo irão conversar na próxima semana

Tem que adiar isso daí

Vitorioso nas prévias eleitorais argentinas, Fernández defende renegociação de acordo com o FMI

Alberto Fernández afirmou que o acordo para o pagamento de dívidas junto ao Fundo Monetário Internacional é “impossível de cumprir”

Opinião polêmica

Senadora Simone Tebet: ‘Bolsonaro ainda não vestiu o terno de presidente’

Referindo-se ao presidente, senadora do MDB afirmou “jamais imaginei que pudéssemos chegar onde chegamos”

Na hora de prestar contas

Presidente do Senado briga na Justiça para manter sigilo de gastos parlamentares

Destinadas a cobrir despesas relativas ao exercício do mandato, as cotas variam entre R$ 30 mil e R$ 45 mil, a depender do Estado do congressista

Nem tão hermanos assim

Bolsonaro volta a falar sobre Argentina e diz que país está cada vez mais próximo da Venezuela

Presidente usou sua conta no Twitter para fazer novos comentários sobre o processo sucessório na Argentina

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements