Menu
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Ações do mês

As fichas estão nas estatais… Banco do Brasil e Petrobras são as ações mais recomendadas em janeiro

Condução política e econômica do novo governo e a melhora na governança das estatais sustentam o otimismo dos investidores sobre esses papéis

7 de janeiro de 2019
5:19 - atualizado às 8:26
Governo liberal e governança são os pilares para a recomendação das ações do Banco do Brasil e Petrobras - Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Que as primeiras declarações do governo Bolsonaro logo após a posse abriram de vez o apetite dos investidores em bolsa, disso ninguém duvida. No primeiro pregão do ano, o Ibovespa rompeu de vez com os 90 mil pontos e marcou uma sequência de recordes históricos.

O gás que estava faltando na B3 veio justamente das ações de estatais. Papéis da Eletrobras, por exemplo, dispararam mais de 20% logo depois que o novo ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, fez declarações públicas favoráveis à privatização da empresa.

Com o entusiasmo à flor da pele, não foi surpresa para mim quando recebi as sugestões de analistas e gestores sobre as ações mais recomendadas para compra no primeiro mês do ano. Entre os ativos mais citados estavam, justamente, dois papéis do grupo das estatais: os preferenciais da Petrobras e os ordinárias do Banco do Brasil.

A petroleira e o gigante bancário entraram na lista VIP dos investidores em um momento de “choque liberal” dado pela nova equipe econômica. A agenda de privatizações, a mudança de comando e o claro perfil ao clássico estilo “Estado mínimo” da equipe de Paulo Guedes foram as principais bases para que os papéis do BB e da Petrobras entrassem nas apostas dos gestores. Veja a lista completa de recomendações:

Governança e lucro também ajudam

Como não só de legislação e medidas federais vive uma empresa estatal, vale destacar também a situação financeira e de negócios que as duas atuais queridinhas da bolsa vêm sustentando.

O caso do Banco do Brasil é emblemático. Com resultados operacionais superando as expectativas e uma recuperação considerável da qualidade de crédito, o banco viu sua margem de lucro e o retorno para os acionistas engatarem a primeira marcha e subirem.

A gestora Guide, uma das que indica a compra de Banco do Brasil neste mês, ressaltou em sua avaliação o controle das despesas administrativas e o crescimento da renda com as tarifas cobradas pelo banco, um claro reflexo do maior consumo de produtos e serviços dos clientes.

Além do quesito administrativo, os ativos do Banco do Brasil também se beneficiam das expectativas positivas para a economia brasileira. Essa aposta é baseada na projeção média para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) no ano que vem, que atualmente é de 2,5%, segundo o Banco Central.

O Vinícius Pinheiro já havia comentado nesta reportagem especial sobre a bolsa em 2019 que a recuperação econômica deve abrir caminho tanto para a queda na inadimplência como para a retomada da procura por crédito pela população. O resultado disso não poderá ser diferente: impulso no lucro dos bancos e maior remuneração aos acionistas.

Olha ela (de novo)

Desde novembro comentamos sobre situação da Petrobras nas recomendações mensais do Seu Dinheiro. Com as contas ajustadas e a governança em franca recuperação, a petroleira tem tudo para seguir apresentando resultados robustos tanto no fim de 2018 como no começo de 2019.

Há uma expectativa positiva com relação aos próximos passos da Petrobras, agora sob a gestão de Roberto Castello Branco. Para a Mirae Investimentos, a continuidade no plano de venda de ativos - com desinvestimentos entre US$ 14 bilhões e US$ 15 bilhões entre 2019 e 2023 - e a possibilidade de votação do projeto de cessão onerosa são os pilares desse otimismo.

Já a Guide destaca, para além da governança, a projeção de um volume maior na produção do último trimestre de 2018, o que compensaria a recente queda do preço de petróleo observada nos últimos meses e manteria a entrega de bons lucros no último período do ano.

Bancões chamam a atenção

Além das ações do Banco do Brasil, recomendadas por três das oito gestoras que encaminharam sua lista Top 3 para o Seu Dinheiro, o aparecimento de três ativos também relacionados ao setor financeiro me chamaram a atenção: as UNIT’s do Santander e as preferenciais de Itaú e Itausa.

A aposta em ações ligadas aos bancões é reflexo de um conjunto de posições otimistas que o mercado vem adotando desde o fim do processo eleitoral. Da mesma forma que Banco do Brasil se beneficia da aprovação de ajustes fiscais e outras medidas de incentivo à recuperação da máquina econômica brasileira, Itaú, Santander e Itausa (que carrega 90% de Itaú na carteira), também saem ganhando nessa jogada. E nessa conta entram tanto o lucro maior como rendimentos mais atraentes aos acionistas.

Cabe ainda lembrar que, a partir deste ano, houve mudanças na alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) de instituições financeiras, que na prática corta diretamente o lucro dos bancos. A taxa voltou ao patamar de 15% depois de passar mais de três anos na faixa dos 20%. Com uma tarifa menor, bancos devem se beneficiar com maiores margens.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Plataformas de investimento

BTG entra com denúncia contra a XP no Cade na disputa por agentes autônomos

Banco acusa a corretora de usar mecanismos para descumprir o acordo firmado com o órgão de defesa da concorrência para aprovar a venda de 49,9% do capital para o Itaú Unibanco. Mais especificamente, o compromisso da XP de não firmar contratos de exclusividade com os escritórios

Direto do Fórum Econômico Mundial

“O Brasil merece alguém melhor”, diz prêmio Nobel de Economia sobre Bolsonaro

Robert Shiller fez declarações sobre o presidente brasileiro durante o Fórum Econômico Mundial e completou: “ele me dá medo”

Olha a multa...

Em novo julgamento de fraude no Postalis, CVM multa acusados

Além da multa, a CVM proibiu o ex-presidente do Postalis Alexej Predtechensky, o ex-diretor financeiro Adilson da Costa e o ex-diretor da BNY Mellon Ativos e da DTVM José Carlos de Oliveira de atuarem no mercado de valores mobiliários por 70 meses

As notícias que mexeram com o seu bolso hoje

O capitão e o astronauta

O discurso de Bolsonaro e o filme que ficou fora da disputa de melhor filme no Oscar, o frango brasileiro barrado na Arábia e mais nos destaques do dia

dia 22

É o que tem para hoje

Discurso de Bolsonaro em Davos não empolga, mas não poderia ser muito diferente mesmo

Repercussão após a fala do presidente

Mourão diz que discurso de Bolsonaro em Davos foi “geral” e que detalhes das reformas só virão no Congresso

Presidente em exercício deixou claro que o detalhamento das propostas deverá ser feito com os parlamentares

Análise

Decepção ou desalinhamento de expectativas na fala de Bolsonaro?

Esperado discurso em Davos gera críticas negativas de parte do mercado por não trazer “novidades” com relação à agenda de reformas

Efeito da mudança da embaixada de Israel

Líder árabe diz que embargo saudita à carne brasileira é retaliação ao governo Bolsonaro

Amr Moussa afirmou que países árabes estão enfurecidos com a decisão de Bolsonaro de mudar a embaixada de Israel para Jerusalém; ações da BRF caem forte na bolsa

Direto do Fórum Econômico Mundial

Executivo-chefe do JPMorgan avalia que China tem desaceleração “sob controle” e espera aperto monetário do Fed em 2019

Jacob Frenkel concedeu uma entrevista exclusiva à Bloomberg TV e traçou um panorama geral dos principais pilares macroeconômicos do mundo

Novela coreana

GWI aumenta participação na Gafisa para mais de 50% e pode fazer oferta para fechar capital da empresa

Oferta pelas ações dos minoritários está prevista no estatuto da incorporadora, mas não está claro se a gestora do coreano Mu Hak You terá de cumprir o requisito. De todo modo, os analistas do Credit Suisse não veem muito potencial para os papéis da Gafisa mesmo com a oferta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu