🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-05-23T10:19:21-03:00
Carolina Gama
VAI TER DISNEY?

Dólar acumula desvalorização de 12,59% frente ao real no ano — veja o que mexe com o mercado de câmbio

A moeda norte-americana teve o pior desempenho semanal em quase dois meses, quando levou um tombo de mais de 5%

21 de maio de 2022
10:05 - atualizado às 10:19
Dólar em foco
Imagem: Shutterstock

A pandemia de covid-19 não é mais um empecilho para as viagens para a Disney — pelo menos até agora. Mas o dólar, que andou acima de R$ 5,00, colocou um ponto de interrogação nos planos de muita gente que pretende visitar o Mickey.

Uma forcinha vinda da China nesta semana, no entanto, pode ajudar na retomada daquela planilha de gastos no exterior. 

Na semana, o dólar teve uma desvalorização de 3,63% — o pior desempenho para o período desde o tombo de mais de 5% visto na semana de 25 de março.

Na ocasião, o recuo foi provocado por declarações do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, reforçando a previsão do fim do ciclo de alta da taxa de juros, a Selic, em maio.

No ano, a moeda norte-americana acumula queda de 12,59%. Mas no mês, a alta é de 5,49%. 

Como foi a semana para o dólar

O dólar começou a semana com um recuo de 0,12% na última segunda-feira (16), dessa vez impactado pelas falas do diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra.

Ele não descartou novas altas de juros após a reunião de junho, incentivando apostas em um fim de ciclo mais elevado para a Selic, o que atrairia investimentos para o Brasil.

Em 4 de maio, última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), a taxa de juros subiu pela décima vez consecutiva, a 12,75%.

Na terça-feira (17), os dados econômicos mais fracos da China foram os principais responsáveis pela baixa de 2,15% do dólar — a maior queda percentual diária desde 24 de julho de 2021.

No dia seguinte, a moeda norte-americana iniciou os negócios no menor patamar intradiário desde 4 de maio, a R$ 4,920. Mas acabou ganhando fôlego e acelerou a R$ 5,001, uma valorização de 1,18%.

Já na quinta-feira (19), o dólar voltou a recuar, acompanhando um movimento internacional. 

Após chegar a R$ 4,88 na mínima do dia, a moeda norte-americana à vista encerrou em queda de 1,24%, a R$ 4,919 — o menor patamar para um fechamento desde o dia 4 deste mês. 

Na sexta-feira (21), o dólar voltou a terminar o dia em queda, de 0,87%, cotado a R$ 4,871, embalado pelo corte na taxa de juros de referência para hipotecas maior que o previsto na China — um esforço para estimular a economia do país.

A China, um caso à parte

Além da batalha que o banco central brasileiro vem travando para colocar a inflação nos eixos via aumento da Selic, outro elemento é central para o comportamento do dólar neste momento: a China. 

Os investidores iniciaram a semana pessimistas sobre a maior economia do mundo depois que dados fracos da economia chinesa reforçaram temores de uma recessão econômica global. 

A atividade varejista e industrial da China caiu bruscamente em abril — muito por conta das medidas severas de bloqueio contra a covid-19, que confinaram trabalhadores e consumidores em casa e afetou as cadeias de abastecimento.

Se os investidores começaram a semana com a testa franzida para a China, eles encerraram a sexta-feira (20) mais aliviados. O gigante asiático cortou a taxa de referência para hipotecas por uma margem inesperadamente ampla. 

Em uma fixação mensal, a China reduziu a taxa primária de empréstimo (LPR) de cinco anos em 15 pontos base, para 4,45% — a maior redução desde que a país renovou o mecanismo de taxas de juros em 2019 e mais do que os cinco ou 10 pontos apontados pela maioria em uma pesquisa da Reuters.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

POBRES RICASSOS RUSSOS

Sanções contra Putin já bloquearam US$ 30 bilhões das fortunas dos maiores bilionários da Rússia — mas não é só isso

Em 100 dias, a força-tarefa global REPO congelou em torno de US$ 300 bilhões em ativos do banco central russo

QUEDA DAS COMMODITIES

Dieta dos carboidratos: XP inicia cobertura de Camil (CAML3) e M. Dias Branco (MDIA3) — saiba qual a preferida

Com a baixa nos preços das commodities, a XP inicia a cobertura de empresas no segmento de carboidratos; com recomendação diferentes para Camil e M. Dias Branco

CAOS EM CRIPTO

Coreia do Norte está por trás do ataque que roubou US$ 100 milhões da ponte do ethereum (ETH)? Entenda

Após o Lazarus ser considerado responsável pelo maior golpe hacker da história das criptomoedas na rede do Axie Infinity, empresas acusam o país asiático de ter financiado o ataque na plataforma Horizon

EXILE ON WALL STREET

O preferido nas eleições: Confira três dicas para se garantir na briga pela última vaga do G4

Por aqui, a Terceira Via perdeu o timing da candidatura, de modo que nos resta apenas mais do mesmo, seja com Lula ou com Bolsonaro

PENSANDO NO FUTURO

Plano de expansão? Entenda por que a Via (VIIA3) quer levantar até R$ 600 milhões com emissão de debêntures

Com o dinheiro, a Via (VIIA3) prevê pagar despesas relacionadas à abertura de novas lojas da rede, incluindo reformas e compra de imóveis

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies