🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-05-29T18:02:20-03:00
Liliane de Lima
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formada pela PUC-SP.
SISTEMA BITCOIN?

Pivô das sanções da guerra na Ucrânia, sistema de transferências Swift pode deixar de existir em cinco anos, diz CEO da Mastercard

Michael Miebach afirmou que o Swift deve evoluir ao passo das criptomoedas; vários países, inclusive Brasil, correm para regularizar bitcoin

26 de maio de 2022
15:32 - atualizado às 18:02
michael miebach, CEO da MasterCard, afirma que bitcoin deve integrar Swift
Michael Miebach, CEO da MasterCard - Imagem: Divulgação/Mastercard

O mundo foi apresentado ao Swift quando o sistema que conecta o sistema financeiro global surgiu entre as sanções à Rússia após o início da guerra na Ucrânia. Para escapar do bloqueio, tanto russos como ucranianos recorreram ao bitcoin (BTC) e às criptomoedas.

É com base nesse contexto que Michael Miebach, CEO da Mastercard, acredita que o sistema de pagamentos, que permite as operações do comércio internacional, deve deixar de existir num futuro próximo ‒ ou mudar a forma de negociar.

Miebach afirmou nesta terça-feira (24) que não espera que o Swift exista em cinco anos, durante painel sobre Moeda Digital do Banco Central (CBDCs), na Conferência Blockchain Central em Davos, na Suíça.

Na ocasião, o moderador do painel questionou se o sistema de pagamentos ainda existiria em 2027 e a resposta do CEO da MasterCard foi categórica: “não”, sem dar mais explicações.

Em seguida, um porta-voz da MasterCard afirmou que o CEO, na verdade, não teve a intenção de declarar que o sistema de pagamento vai acabar.

“Michael estava simplesmente reforçando o que Swift disse anteriormente ‒ que suas operações continuam a evoluir. Sua forma atual não será a mesma no futuro. Eles estão adicionando mais funcionalidades e deixando de ser apenas um sistema de mensagens”, disse o porta-voz à CoinTelegraph.

Swift e as moedas digitais

De olho no futuro das moedas internacionais, principalmente o bitcoin (BTC) e as criptomoedas, o sistema Swift já começou a testar o uso das moedas digitais (CBDCs) em transações comerciais.

Desde maio de 2021, o sistema vem explorando o uso de CBDCs para facilitar pagamentos. Neste ano, a Swift realizou a segunda rodada de experimentos em parceria com a empresa Capgemini.

Bitcoin: moeda mundial?

O uso de criptomoedas pode até facilitar a vida das grandes corporações internacionais. Mas, com certeza, já foi uma ótima alternativa para países que viram suas moedas locais entrarem em crise.

Um exemplo recente disso é a Guerra da Ucrânia. Com as transações em rublos, moeda russa, bloqueadas por conta das sanções do Ocidente, a saída de parte da população da Rússia foi manter os ativos em criptomoedas.

A Ucrânia também se beneficiou da tecnologia do mundo cripto. Cerca de US$ 54 milhões em bitcoin (BTC) foram doados ao país para reforçar as defesas contra ataques russos.

Ao redor do mundo, vários países, incluindo o Brasil, correm para regular os ativos digitais. O projeto brasileiro já foi aprovado pelo Senado e agora aguarda votação na Câmara dos Deputados.

Leia também

*Com informações de CoinTelegraph

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

QUEDA DAS COMMODITIES

Dieta dos carboidratos: XP inicia cobertura de Camil (CAML3) e M. Dias Branco (MDIA3) — saiba qual a preferida

Com a baixa nos preços das commodities, a XP inicia a cobertura de empresas no segmento de carboidratos; com recomendação diferentes para Camil e M. Dias Branco

CAOS EM CRIPTO

Coreia do Norte está por trás do ataque que roubou US$ 100 milhões da ponte do ethereum (ETH)? Entenda

Após o Lazarus ser considerado responsável pelo maior golpe hacker da história das criptomoedas na rede do Axie Infinity, empresas acusam o país asiático de ter financiado o ataque na plataforma Horizon

EXILE ON WALL STREET

O preferido nas eleições: Confira três dicas para se garantir na briga pela última vaga do G4

Por aqui, a Terceira Via perdeu o timing da candidatura, de modo que nos resta apenas mais do mesmo, seja com Lula ou com Bolsonaro

PENSANDO NO FUTURO

Plano de expansão? Entenda por que a Via (VIIA3) quer levantar até R$ 600 milhões com emissão de debêntures

Com o dinheiro, a Via (VIIA3) prevê pagar despesas relacionadas à abertura de novas lojas da rede, incluindo reformas e compra de imóveis

UNINDO FORÇAS

Fleury (FLRY3) compra Hermes Pardini (PARD3) e cria gigante no setor de saúde; veja os detalhes

Juntos, Fleury (FLRY3) e Hermes Pardini (PARD3) têm 487 unidades de atendimento e 24 áreas técnicas em 12 Estados e o Distrito Federal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies