Insights de investimento, análises de mercado e muito mais! Siga o Seu Dinheiro no Instagram

O melhor do Seu Dinheiro
Victor Aguiar
2022-01-22T10:13:02-03:00
Seu Dinheiro no Sábado

E a bolsa ainda pulsa: os grandões do Ibovespa brilham e puxam o índice — mas e as demais empresas?

Além do ciclo aquecido das commodities e da entrada de recursos estrangeiros, também vale lembrar o desconto nos ativos domésticos

22 de janeiro de 2022
10:12 - atualizado às 10:13
Montagem do touro de ouro da B3 com olho roxo e estrelinhas de tontura em cima da cabeça
Confira o que foi destaque esta semana no Seu Dinheiro. Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock / Flaticon

Caro leitor,

O mesmo Ibovespa que amargou uma queda de 12% em 2021 já acumula ganhos de quase 4% em janeiro — e sem qualquer tipo de novidade no cenário político-econômico doméstico que justifique uma injeção de otimismo na bolsa.

Pelo contrário: no exterior, o clima é cada vez mais pesado para os mercados de ações. E esse desempenho surpreendente foi o tema do podcast Touros e Ursos desta semana.

Eu, a Julia Wiltgen e o Vinicius Pinheiro debatemos a fundo os fatores que dão força ao Ibovespa neste início de ano. Mas, antes de entrarmos nos detalhes em si, eis uma ressalva: se, por um lado, o índice como um todo vai bem, não se pode estender o bom desempenho para a bolsa como um todo.

Enquanto os setores com mais peso na composição do Ibovespa estão subindo forte — especialmente as ações de empresas ligadas às commodities e ao segmento financeiro —, outros papéis têm mostrado um comportamento bem menos intenso. É o caso dos ativos mais ligados ao mercado doméstico e dependentes do cenário de juros.

Ou seja: o Ibovespa ir bem não quer dizer que a bolsa toda esteja subindo. As chamadas blue chips — empresas de grande porte, como Petrobras, Vale e os bancões — começaram o ano com tudo e puxam o índice para cima; já as small caps, companhias de porte menor e mais ligadas à dinâmica local, enfrentam turbulências.

Uma matéria publicada pelo Seu Dinheiro nesta semana explicou com detalhes os motivos por trás do bom desempenho do Ibovespa em janeiro, mas o podcast Touros e Ursos deu alguns passos além, trazendo percepções de gestores e outros players do mercado financeiro sobre o atual momento da bolsa.

Além do ciclo aquecido das commodities e do intenso fluxo de entrada de recursos estrangeiros no mercado acionário do país, também vale lembrar que os preços dos ativos domésticos estavam bastante deprimidos — especialmente quando convertidos para dólar. Assim, em meio à incerteza global, o Brasil apareceu como uma boa oportunidade para quem buscava uma alocação maior em ações.

Mas é claro que a força do Ibovespa não foi o único tema importante desta semana. Então, vamos aos destaques dos últimos dias:

1. Short em Nubank

O banco do cartão roxo chegou em Wall Street com tudo: precificado a US$ 9 no IPO, o Nubank ganhou as manchetes ao atingir um valor de mercado superior ao do Itaú. Mas a Empiricus recomenda cautela com toda essa empolgação.

Para os analistas, as ações do banco estão caras, mesmo após a queda recente nas cotações. E, em relatório, a casa recomenda uma operação short (vendida) em Nubank — os detalhes estão nesta matéria.

2. Onde investir em 2022

O podcast Touros e Ursos falou tudo sobre o Ibovespa, mas há muitas outras classes de ativos a serem consideradas por você. Renda fixa, criptomoedas, fundos imobiliários, dólar, BDRs... A lista é extensa.

Por isso, o Seu Dinheiro preparou um guia com expectativas para os diversos mercados e dicas de investimentos para os próximos meses. É só clicar aqui para ter acesso ao livro.

3. O fim da Lojas Americanas?

A sexta-feira marcou o último pregão das ações da Lojas Americanas (LAME3 e LAME4); a partir da próxima segunda, os papéis serão tirados de circulação.

Mas, como assim? Bem, tudo faz parte de um plano de reorganização societária do grupo, cuja base acionária passará a se concentrar na Americanas S.A. (AMER3). Neste texto, explicamos melhor as movimentações e o que acontecerá com os detentores dos papéis da empresa.

4. Série de terror na Netflix

Lá fora, a temporada de balanços do quarto trimestre teve a sua primeira grande decepção: a Netflix frustrou o mercado ao projetar um crescimento bastante fraco da base de assinantes — e suas ações desabaram. Clique aqui e entenda mais sobre a má fase da gigante de streaming.

5. A semana nos mercados

Na B3, os últimos dias foram de continuidade na tendência de ganhos: o Ibovespa fechou a semana com alta de 1,88% e encostou nos 110 mil pontos. O dólar à vista, por sua vez, caiu mais de 1% e foi aos R$ 5,45. Confira tudo o que movimentou os mercados domésticos na semana.

Um bom sábado e um ótimo fim de semana a todos!

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

DESTAQUES DA BOLSA

Incorporadoras da B3 sobem forte com novidades no programa Casa Verde e Amarela; veja quais ações mais ganham com as atualizações

As mudanças já anunciadas e outras ainda em discussão no Ministério do Desenvolvimento Regional trazem alívio ao segmento hoje

O pior já passou?

De volta ao céu? JP Morgan recomenda compra das ações da Cielo (CIEL3) e ações disparam na bolsa

Para os analistas do banco americano, a Cielo tem se mostrado eficiente em conter custos e repassar o preço aos seus clientes

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Não confie em alguém maior de idade que nunca tenha ido lá

Em um mundo ideal, eu evitaria investir em estatais, mas, o mercado morto de fome nos convida a alimentar o corpo e a alma com as saborosas ELET3, PETR4 e BBAS3 no Ibovespa

DE VOLTA À MESA

Privatização da Petrobras (PETR4) vai acontecer? Para Guedes, se Bolsonaro for reeleito, sim; confira o que disse o ministro em Davos

O ministro da Economia ainda afirmou que o Brasil está saindo da crise “na frente da curva” e que a inflação no país poderia ter atingido o pico e logo começaria a recuar

UM INIMIGO A ESPREITA

Bitcoin (BTC) cai para US$ 28 mil e ameaça mercado de criptomoedas com liquidação de US$ 1,73 bilhão prevista para amanhã; entenda

Enquanto voltamos ao mesmo patamar de medo, a velha Regra da Morte está no radar dos investidores por mais um dia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies