Insights de investimento, análises de mercado e muito mais! Siga o Seu Dinheiro no Instagram

2022-01-28T19:20:28-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Fechamento da semana

Ibovespa tem dia de realização de lucros e fecha em queda, mas acumula alta de 2,72% na semana; dólar fecha em R$ 5,39

Semana foi marcada pela volatilidade nas bolsas internacionais, mas estrangeiro continuou buscando ações brasileiras

28 de janeiro de 2022
19:20
dua setas indicam o movimento de alta e o de queda dos mercados e da bolsa
Bolsa em alta e dólar em queda têm sido a marca do mês de janeiro nos mercados locais. Imagem: Shutterstock

Numa semana marcada pela escalada das tensões entre Rússia e Ucrânia, decisão de juros nos Estados Unidos e um discurso mais hawkish (duro contra a inflação) por parte do presidente do banco central americano, Jerome Powell, o Ibovespa conseguiu, mais uma vez, acumular alta. E as bolsas americanas - pasme - também.

A sexta-feira (28) foi de realização de lucros na bolsa brasileira, após três pregões de alta, e o Ibovespa fechou em baixa de 0,62%, aos 111.910 pontos. O índice, que chegou a ultrapassar os 113 mil pontos nos últimos dias, até tentou buscar novas altas na parte da manhã, mas acabou virando para queda com o dia negativo no exterior.

Mesmo após Nova York ter virado para alta, o principal índice da B3 não teve fôlego para voltar para o azul. Ainda assim, na semana, o Ibovespa acumula alta de 2,72%, com ganho de 6,76% no mês.

A semana começou com as tensões no leste europeu derrubando os mercados e depois foi marcada pela volatilidade gerada pelo discurso duro contra a inflação do presidente do Federal Reserve, o banco central americano, na última quarta-feira.

Ainda assim, os índices de Wall Street terminaram a semana bem. Nesta sexta, o Dow Jones subiu 1,65%, o S&P 500 avançou 2,43%, e o Nasdaq teve alta de 3,13%. O balanço excepcional da Apple puxou os indicadores, e a divulgação de um índice de inflação ao consumidor (PCE) em linha com o esperado trouxe alívio ao mercado. Na semana, os índices acumularam ganhos de 1,34%, 0,77% e 0,01%, respectivamente.

Já na Europa, a recuperação dos tombos vistos ao longo da semana não foi completa. Hoje, uma série de indicadores econômicos negativos, com destaque para a retração do PIB alemão, levaram o índice Stoxx 600, que reúne as principais empresas do continente, a cair 1,02%, acumulando baixa de 1,87% na semana.

O dólar à vista, por sua vez, continuou na trajetória de queda ante o real, apesar das perspectivas de aperto monetário nos Estados Unidos.

Com a alta nos preços das commodities - notadamente petróleo e minério de ferro -, os investidores globais buscam ações baratas em países cuja economia possa ser beneficiada por esse cenário, como é o caso do Brasil. A perspectiva de alta de juros por aqui também é um fator que tende a fortalecer o real.

Assim, a moeda americana fechou o dia em baixa de 0,62%, a R$ 5,39, acumulando queda de 1,20% na semana. Em janeiro, o alívio já é de 3,33%.

Finalmente, os juros futuros passaram o dia em queda, seguindo o desempenho do dólar e beneficiados também pelo IGP-M abaixo do esperado e pelo veto do presidente Jair Bolsonaro à PEC dos Combustíveis, o que tirou um pouco a pressão sobre o fiscal.

Na reta final, porém, as taxas mais curtas viraram para alta e fecharam com movimento levemente positivo. Na semana, o movimento geral foi de alta nos juros curtos e queda nos vencimentos longos.

O IPCA-15 acima do esperado, divulgado nesta semana, aumenta os temores do mercado quanto a um aperto monetário ainda mais duro por parte do Banco Central brasileiro.

Veja os fechamentos dos principais contratos de DI nesta sexta:

  • Janeiro/23: alta de 12,233% para 12,245%;
  • Janeiro/25: alta de 11,318% para 11,35%;
  • Janeiro/27: queda de 11,327% para 11,315%.

Semana de volatilidade no exterior

A semana foi marcada por grande volatilidade nas bolsas internacionais, em razão de dois fatos marcantes: a escalada das tensões entre Ucrânia e Rússia e a decisão de juros do Fed.

A segunda-feira foi um dia de estresse nos mercados com as notícias de que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) enviou tropas para a fronteira entre Ucrânia e Rússia e de que os governos britânico e americano ordenaram a retirada dos funcionários das suas respectivas embaixadas da capital ucraniana, Kiev.

O mercado entendeu esses fatos como uma sinalização de que aumentaram os temores de que Moscou ordene uma invasão ao país vizinho, mas o Kremlin nega que haja essa intenção.

Um eventual conflito poderia pesar sobre os preços do petróleo, do gás natural e de alimentos, produzidos ou transportados na região. Com isso, o mercado viu os preços do petróleo subirem ainda mais ao longo da semana.

O petróleo WTI com entrega para março avançou 1,97% na semana, para US$ 86,82 o barril; já o Brent, que serve como referência para os preços da Petrobras, teve alta de 1,67% na semana, para US$ 88,52, depois de ter chegado a bater os US$ 90.

Contudo, as bolsas internacionais se recuperaram, ao menos parcialmente, do susto de segunda-feira. O ponto de estresse seguinte foi a decisão de juros do Fed na quarta-feira. Na ocasião, o presidente da instituição, Jerome Powell, sinalizou com o aumento de juros já na reunião de março, quando também deve ser interrompida a compra de ativos.

Porém, Powell manifestou grande preocupação quanto à inflação e disse que há muito espaço para aumentar os juros sem afetar o mercado de trabalho americano, o que deixou os investidores em alerta. O que se seguiu daí foram dias de bastante volatilidade nas bolsas americanas.

Inflação dos EUA

Nesta sexta, foi divulgado nos Estados Unidos o índice de preços de gastos com consumo, conhecido como PCE, indicador de inflação mais utilizado pelo Fed para a política monetária.

O índice subiu 0,4% em dezembro ante novembro. O núcleo do índice, que exclui itens voláteis, como alimentos e energia, avançou 0,5%, em linha com as projeções do mercado. Em termos anuais, o PCE aumentou 5,8%, e seu núcleo, 4,9% em dezembro.

O fato de que o indicador veio em linha com as expectativas do mercado trouxe certo alívio para os ativos de risco, indicando que o Federal Reserve não precisará de uma postura ainda mais dura na política monetária.

Alívio para o fiscal

Já no cenário doméstico, alguns fatores trouxeram alívio para o risco fiscal. O primeiro dele foi o veto do presidente Jair Bolsonaro à PEC dos Combustíveis na tarde de ontem. A Proposta de Emenda Constitucional se propunha a baixar os preços dos combustíveis por meio do corte de impostos federais, com grande impacto na arrecadação.

Outro fator positivo para o cenário das contas públicas foi a divulgação do resultado do Governo Central e do Tesouro Nacional em 2021.

As contas do Governo Central registraram déficit de R$ 35,073 bilhões em 2021, o equivalente a 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB). Foi o menor déficit primário desde 2014. Já as contas do Tesouro Nacional - incluindo o Banco Central - registraram um superávit primário de R$ 212,265 bilhões no ano passado.

Finalmente, nesta manhã a Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou a inflação medida pelo IGP-M, que terminou janeiro em alta de 1,82%, uma aceleração em relação ao índice de 0,87% em dezembro.

Ainda assim, o resultado ficou abaixo da mediana das expectativas do mercado colhidas pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Estadão, que era de 2,00%, variando de 0,80% a 2,34%.

O IGP-M em 12 meses desacelerou de 17,78% em dezembro para 16,91% em janeiro, também abaixo da mediana do levantamento, que era de 17,10%.

Sobe e desce do Ibovespa

Veja as maiores altas do Ibovespa nesta sexta-feira:

CÓDIGOAÇÃOVALORVARIAÇÃO
BRKM5Braskem PNAR$ 50,00+7,50%
CIEL3Cielo ONR$ 2,28+6,05%
HAPV3Hapvida ONR$ 12,40+2,31%
JBSS3JBS ONR$ 36,06+2,21%
B3SA3B3 ONR$ 14,74+1,94%

Veja também as maiores quedas:

CÓDIGOAÇÃOVALORVARIAÇÃO
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 6,71-7,06%
NTCO3Natura &Co ONR$ 21,50-6,48%
AMER3Americanas S.A. ONR$ 31,41-6,15%
RAIL3Rumo ONR$ 15,76-5,40%
ALPA4Alpargatas PNR$ 28,75-4,83%

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

SISTEMA BITCOIN?

Pivô das sanções da guerra na Ucrânia, sistema de transferências Swift pode deixar de existir em cinco anos, diz CEO da Mastercard

Michael Miebach afirmou que o Swift deve evoluir ao passo das criptomoedas; vários países, inclusive Brasil, correm para regularizar bitcoin

PREPARE-SE PARA O LANÇAMENTO

Com lançamento agendado para amanhã, corretoras de criptomoeda se preparam para listagem de Terra 2.0 — mas isso não quer dizer nada; entenda

Os analistas estão pouco otimistas com o projeto, ainda que haja uma corrida das exchanges pela LUNA

MODELO EXPORTAÇÃO

Da Europa pro Brasil: novo ETF de criptomoeda desembarca na B3; conheça mais sobre o BTCE11

O BTCE11 dará exposição ao bitcoin (BTC) por meio de todas as plataformas de investimentos ou de bancos, sem a necessidade de utilizar uma carteira específica de criptomoedas para armazenar o ativo

Disputa presidencial

Bolsonaro aparece no retrovisor e reduz diferença para Lula; veja os números da pesquisa Modalmais

Pesquisa divulgada pela Modalmais/Futura Inteligência mostra ex-presidente liderando as intenções de voto para segundo turno, com o atual presidente logo atrás.

DESTAQUES DA BOLSA

Incorporadoras da B3 sobem forte com novidades no programa Casa Verde e Amarela; veja quais ações mais ganham com as atualizações

As mudanças já anunciadas e outras ainda em discussão no Ministério do Desenvolvimento Regional trazem alívio ao segmento hoje

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies