Insights de investimento, análises de mercado e muito mais! Siga o Seu Dinheiro no Instagram

2022-01-27T19:25:56-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Fechamento Hoje

Em dia de ajuste pós-Fed, Ibovespa fecha em alta de mais de 1% e testa os 113 mil pontos; dólar cai

Piora em NY chegou a desacelerar as altas na bolsa brasileira, que conseguiu se recuperar na reta final do pregão

27 de janeiro de 2022
18:48 - atualizado às 19:25
Volatilidade
Apesar do sobe e desce lá fora, Ibovespa conseguiu novamente se manter no azul. Imagem: Shutterstock

Após o discurso duro do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, na tarde de ontem, o que desencadeou uma forte queda nas bolsas americanas, hoje foi dia de ajuste nas bolsas globais.

O Ibovespa começou o dia novamente com uma alta substancial, ainda movido pela entrada de recursos estrangeiros na bolsa brasileira, aproveitando-se dos descontos nas ações e dos preços elevados das commodities.

As bolsas americanas abriram em alta, e as europeias, embora já estivessem fechadas quando foi divulgada a decisão de juros do Fed ontem, tiveram hoje novamente um dia de ganhos. O índice Stoxx 600, que reúne as principais empresas do continente, terminou a sessão com ganho de 0,65%.

Mas no início da tarde, o clima lá fora virou, e os índices de Wall Street perderam força, até finalmente virarem para o negativo. Embora tenham tentado sustentar alguma alta, fecharam em queda, com o Dow Jones caindo 0,02%, o S&P 500 recuando 0,54%, e o Nasdaq em baixa de 1,40%.

Assim, o Ibovespa, que chegou a subir mais de 1,5% mais cedo, superando os 113 mil pontos, também desacelerou as altas, e chegou até a perder os 112 mil pontos, no pior momento do dia. No fechamento, porém, o principal índice da B3 já havia conseguido recuperar parte do terreno perdido, e terminou a sessão em alta de 1,19%, aos 112.611 pontos.

Já o dólar à vista ficou no negativo durante todo o dia, tendo chegado a cair mais de 1% e bater os R$ 5,35 na mínima. Porém, desacelerou as quedas na parte da tarde, fechando em baixa de 0,32% ante o real, a R$ 5,4238, mesmo com as perspectivas de alta nos juros em breve nos Estados Unidos.

Os juros futuros, por sua vez, começaram o dia mistos, mas acabaram fechando em alta, ainda na esteira da postura mais hawkish (dura contra a inflação) do Fed ontem. Veja o fechamento dos principais vencimentos:

  • Janeiro/23: alta de 12,027% para 12,235%;
  • Janeiro/25: alta de 11,043% para 11,315%;
  • Janeiro/27: alta de 11,092% para 11,29%;
  • Janeiro/29: alta de 11,261% para 11,42%.

A força da economia americana

Na manhã desta quinta foram divulgados alguns dados econômicos importantes nos Estados Unidos. A primeira leitura do Produto Interno Bruto (PIB) mostrou que a economia americana cresceu 5,7% em 2021.

No quarto trimestre, o PIB cresceu a uma taxa anualizada de 6,9%, bem acima da estimativa de 5,5% dos analistas consultados pelo The Wall Street Journal.

A inflação anualizada medida pelo PCE, índice de preços ao consumidor usado como referência pelo Fed, foi de 6,5% no quarto trimestre. Já o núcleo do indicador, que desconsidera os preços de alimentos e energia, cresceu a uma taxa anualizada de 4,9% no mesmo período.

Os pedidos de auxílio-desemprego na semana encerrada em 22 de janeiro tiveram queda de 30 mil, para 260 mil, na série com ajustes sazonais. O número ficou abaixo das estimativas dos analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que era de 265 mil.

Os indicadores mostram que, de fato, a economia americana vem se recuperando com força, o que justifica o aperto monetário já sinalizado pelo Federal Reserve.

Ontem, Jerome Powell disse que há bastante espaço para aumentar juros sem prejudicar o mercado de trabalho, mostrando bastante preocupação com a inflação e indicando que a primeira alta das taxas já deve se dar na reunião de março.

Essa postura deixou o mercado em alerta, uma vez que um aumento nas taxas de juros diminui a atratividade dos ativos de risco.

Sobe e desce do Ibovespa

Veja as maiores altas do Ibovespa nesta quinta:

CÓDIGOAÇÃOVALORVARIAÇÃO
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 7,22+6,96%
BIDI11Inter unitR$ 25,72+6,28%
VIIA3Via ONR$ 4,62+6,21%
BBSE3BB Seguridade ONR$ 22,39+5,91%
CRFB3Carrefour ONR$ 16,55+5,75%

Confira também as maiores baixas:

CÓDIGOAÇÃOVALORVARIAÇÃO
GNDI3NotreDame Intermédica ONR$ 68,40-4,70%
HAPV3Hapvida ONR$ 12,12-3,43%
NTCO3Natura &Co ONR$ 22,99-3,24%
MRFG3Marfrig ONR$ 22,39-2,99%
PETZ3Petz ONR$ 17,51-2,78%
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

DESTAQUES DA BOLSA

Incorporadoras da B3 sobem forte com novidades no programa Casa Verde e Amarela; veja quais ações mais ganham com as atualizações

As mudanças já anunciadas e outras ainda em discussão no Ministério do Desenvolvimento Regional trazem alívio ao segmento hoje

O pior já passou?

De volta ao céu? JP Morgan recomenda compra das ações da Cielo (CIEL3) e ações disparam na bolsa

Para os analistas do banco americano, a Cielo tem se mostrado eficiente em conter custos e repassar o preço aos seus clientes

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Não confie em alguém maior de idade que nunca tenha ido lá

Em um mundo ideal, eu evitaria investir em estatais, mas, o mercado morto de fome nos convida a alimentar o corpo e a alma com as saborosas ELET3, PETR4 e BBAS3 no Ibovespa

DE VOLTA À MESA

Privatização da Petrobras (PETR4) vai acontecer? Para Guedes, se Bolsonaro for reeleito, sim; confira o que disse o ministro em Davos

O ministro da Economia ainda afirmou que o Brasil está saindo da crise “na frente da curva” e que a inflação no país poderia ter atingido o pico e logo começaria a recuar

UM INIMIGO A ESPREITA

Bitcoin (BTC) cai para US$ 28 mil e ameaça mercado de criptomoedas com liquidação de US$ 1,73 bilhão prevista para amanhã; entenda

Enquanto voltamos ao mesmo patamar de medo, a velha Regra da Morte está no radar dos investidores por mais um dia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies