Menu
2021-04-22T17:36:19-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
perspectivas

Temporada de balanços 1º tri: quem deve se sair bem e quem ainda está mal, segundo o BofA

Empresas começam a divulgar resultados de um período marcado por lockdowns e alta dos preços das commodities; veja o que esperar

22 de abril de 2021
13:00 - atualizado às 17:36
temporadadebalancos

Começa nesta sexta-feira (23) a temporada de balanços do primeiro trimestre de 2021, e a expectativa é de que a maioria das companhias que compõem o Ibovespa apresentem bons resultados, mesmo excluindo as empresas do setor de commodities, que voaram neste começo de ano.

A conclusão é do Bank of America (BofA), que projeta um crescimento médio de 43% do lucro por ação das companhias do principal índice da B3, não considerando aquelas ligadas a commodities.

Mas é preciso levar em consideração, segundo os analistas David Beker, Nicole Inui e Paula Andrea Soto, a baixa base de comparação do primeiro trimestre de 2020 e que deve influenciar os balanços.

“No ano passado, o lucro por ação foi pressionado para baixo devido à redução da atividade durante a pandemia, os efeitos do câmbio nos custos da dívida e maiores provisões dos bancos”, diz trecho do relatório.

Excluindo commodities, o setor que vai se destacar no primeiro trimestre será o financeiro, justamente pela expectativa de que os bancos não realizaram grandes provisões de recursos em seus balanços.

Para o BofA, o segmento de gastos discricionários deve registrar o maior aumento do lucro por ação em base anual, alta de 147%, puxado pelo segmento de distribuição de combustíveis e novamente pelo e-commerce, em especial o Magazine Luiza (MGLU3).

Já as operadoras de shopping centers devem continuar divulgando resultados baixos, afetados pelas medidas de restrição à circulação de pessoas adotadas no começo do ano para frear o ritmo de contaminação pela covid-19, assim como o setor de educação.

Commodities brilham novamente

Quem deve ser o destaque da temporada de balanços do primeiro trimestre é o setor de commodities, que tem grande peso no Ibovespa.

A alta das cotações no mercado internacional (minério de ferro, aço, celulose e cobre alcançaram máximas históricas) e a desvalorização cambial (o valor do real foi, em média, 23% menor que no mesmo período de 2020) devem resultar num crescimento médio de 115% da receita e 247% do lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês), segundo o BofA.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Seu Dinheiro na sua noite

O grande respiro do câmbio e mais…

“Ih, vai ser uma semana daquelas”, pensei eu na segunda-feira, ao olhar a agenda de eventos previstos para os dias seguintes. Teríamos decisão do Copom e relatório de empregos nos EUA — e isso sem contar os inúmeros balanços corporativos. Em semanas assim, eu gosto de traçar alguns cenários na minha cabeça: se o BC […]

Fechamento da semana

Real ganha do dólar na semana e bolsa sobe mais de 2% com economia americana nem tão aquecida e Copom incisivo

Os problemas domésticos foram para baixo do tapete e os fatores externos ajudaram o Real a se valorizar e a bolsa a romper resistências importantes. Confira um resumo da semana.

Mudou de ideia?

Elon Musk passa a recomendar cautela com o dogecoin às vésperas de sua participação no SNL

O bilionário, que já fez a moeda-meme disparar 60% com apenas um tweet, exibiu um alerta para as limitações do mercado de criptoativos

pandemia

Estudo aponta relação entre negacionismo de Bolsonaro e evolução da pandemia no Brasil

Segundo o levantamento, em cidades onde o presidente obteve mais de 50% dos votos no segundo turno das eleições de 2018, número de mortes foi 415% maior do que nos municípios onde ele perdeu o pleito

Insistência incomoda

Ex-presidente do BC Affonso Pastore acredita que ajuste parcial da Selic é insustentável

O economista defende o reconhecimento explícito de que a instituição perseguirá o ajuste integral da taxa básica de juros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies