Menu
Marina Gazzoni
Escolha da CEO
Marina Gazzoni
É CEO do Seu Dinheiro
2021-03-20T11:59:22-03:00
escolha da ceo

14º salário, noivado de Stefani e revanche da renda fixa

Tivemos decisão de juros no Brasil e nos EUA, com destaque para a primeira alta da Selic em quase seis anos. Veja o que mais rolou na semana.

20 de março de 2021
11:59
Selic, Dólar, Real
Imagem: Shutterstock

Espero que esteja tudo bem com você e família. Não está fácil ficar em casa, eu sei, mas o ditado da vovó nunca valeu tanto: o importante é ter saúde.

Enquanto tiver saúde, notícia, estoque de vinho e restaurante com delivery, sigo firme por aqui.

Notícia tem de sobra. O destaque da semana foi a alta da taxa básica de juros, a Selic, na quarta-feira, a primeira em cerca de seis anos. Subiu de 2% para 2,75%, acima do que a maioria do mercado esperava.

Mas não foi só isso. Olha só outros highlights importantes para o seu bolso:

  • O banco central dos EUA, o Fed, manteve sua taxa de juros inalterada. Mas outras medidas de redução de estímulos à economia trouxeram pressão sobre os juros futuros americanos.
  • O André Brandão deixou a presidência do Banco do Brasil. Não foi surpresa para ninguém. Ele já estava na “mira” de Jair Bolsonaro há um tempo - o presidente não gostou nada do seu plano de reestruturação do BB que inclui demissões de 5 mil pessoas. Desde que o presidente da Petrobras caiu, ele era apontado como o próximo.
  • A Petrobras reduziu o preço da gasolina pela primeira vez no ano. A cotação internacional do barril deu um alívio nos últimos dias e houve espaço para a queda, embora ela não compense as altas recentes.
  • A situação da covid-19 no Brasil continua a piorar e mais medidas de isolamento social foram tomadas. Em São Paulo, a prefeitura antecipou feriados e ampliou o rodízio de carros. No Rio, há restrição de circulação nas praias e outros locais públicos.

No fim das contas, o Ibovespa fechou aos 116.221 pontos, um avanço de 1,81% na semana. Já o dólar recuou 1,51%, para R$ 5,4853. Veja aqui a cobertura completa dos mercados.

Como de costume, selecionei abaixo cinco reportagens do Seu Dinheiro que vale a pena ler (ou reler) no fim de semana.

1 - A revanche da renda fixa?

Muita gente começou a se perguntar se os tempos de juros altos, com retorno gordo garantido nas aplicações conservadoras estão de volta. Seria a revanche da renda fixa?

A Julia Wiltgen traz um panorama do impacto da alta dos juros para seus investimentos. Ela também faz as contas e mostra o rendimento atualizado da renda fixa conservadora com a nova taxa: poupança, Tesouro Selic, fundo de renda fixa e LCI. Confira aqui.

2 - Que tal um Stories com dividendos?

O Seu Dinheiro embarcou na onda dos web-stories para trazer informações em mais um formato para você. Este aqui, por exemplo, foi feito para quem gosta de ter dinheiro pingando na conta com dividendos.

Selecionamos cinco ações da bolsa brasileira que ainda pagam dividendos acima da Selic. Veja a lista no stories.

3 - [Patrocinado] O 14º salário, que cai antes do 13º

Sempre que chega esta época do ano vem uma onda de sofrência com a declaração do Imposto de Renda. Você pode embarcar nessa maré de lamentações ou enxergar o copo cheio dessa situação. Veja só…

A temporada do IR é a sua chance de garantir uma renda extra todo ano. Uma restituição gorda, praticamente um 14º salário, com a vantagem de que, se você fizer tudo certo, o dinheiro cai na sua conta antes mesmo do 13º.

A repórter Letícia Pinheiro explica nesta reportagem como fazer do imposto de renda o seu “14º salário”.

4 - Noivado de Stefani…

Um IPO (oferta de ações na bolsa) pode ser comparado a uma cerimônia de casamento. A empresa te chama para ser sócio do negócio e colher os frutos nos próximos anos. O início da união é marcado com festa no prédio histórico da B3, ao som do sino do pregão.

Podemos dizer que a gigante de tecnologia brasileira Stefanini está numa espécie de noivado com os mercados. Ela já decidiu que vai “casar”, mas ainda não sabe quando.

A boa notícia para você é que o fundador da empresa, Marco Stefanini, contou todos os seus planos ao Vinícius Pinheiro. Eu recomendo que você leia aqui a reportagem e vá pensando se quer participar do casamento.

5 - ‘DR’ um ano depois de casado

A incorporadora Mitre está casada com os mercados há cerca de um ano. E como está essa união? A Julia Wiltgen fez uma live ao vivo com o CEO da empresa, Fabrício Mitre, nesta semana no YouTube do Seu Dinheiro.

Ele falou que o preço da ação não reflete os resultados positivos da companhia. E disse ainda que deseja quebrar o paradigma de que empresas de construção civil não são boas pagadoras de dividendos. Dá o play no vídeo para ver o papo completo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Seu Dinheiro na sua noite

O grande respiro do câmbio e mais…

“Ih, vai ser uma semana daquelas”, pensei eu na segunda-feira, ao olhar a agenda de eventos previstos para os dias seguintes. Teríamos decisão do Copom e relatório de empregos nos EUA — e isso sem contar os inúmeros balanços corporativos. Em semanas assim, eu gosto de traçar alguns cenários na minha cabeça: se o BC […]

Fechamento da semana

Real ganha do dólar na semana e bolsa sobe mais de 2% com economia americana nem tão aquecida e Copom incisivo

Os problemas domésticos foram para baixo do tapete e os fatores externos ajudaram o Real a se valorizar e a bolsa a romper resistências importantes. Confira um resumo da semana.

Mudou de ideia?

Elon Musk passa a recomendar cautela com o dogecoin às vésperas de sua participação no SNL

O bilionário, que já fez a moeda-meme disparar 60% com apenas um tweet, exibiu um alerta para as limitações do mercado de criptoativos

pandemia

Estudo aponta relação entre negacionismo de Bolsonaro e evolução da pandemia no Brasil

Segundo o levantamento, em cidades onde o presidente obteve mais de 50% dos votos no segundo turno das eleições de 2018, número de mortes foi 415% maior do que nos municípios onde ele perdeu o pleito

Insistência incomoda

Ex-presidente do BC Affonso Pastore acredita que ajuste parcial da Selic é insustentável

O economista defende o reconhecimento explícito de que a instituição perseguirá o ajuste integral da taxa básica de juros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies