O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2021-05-18T16:47:55-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
As apostas do mercado

As ações favoritas para o mês de maio, segundo 16 corretoras

Depois da operação de guerra montada no ano passado, o setor financeiro mostra que saiu da crise muito melhor do que o esperado e domina as indicações para maio.

5 de maio de 2021
6:04 - atualizado às 16:47
Ações do mês | Vale VALE3
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Assim que o Santander Brasil divulgou os seus resultados do primeiro trimestre, lá no fim de abril, o meu colega Vinícius Pinheiro, especialista máximo quando o assunto é bancos aqui no Seu Dinheiro, escreveu assim: "Disseram que os bancos estavam na pior. Mas esqueceram de contar para o Santander". Isso porque a operação brasileira do bancão espanhol atingiu o maior lucro já registrado em um único trimestre — R$ 4 bilhões. 

Com a temporada de balanços ganhando força, fica cada vez mais claro que de fato o pior ficou para trás. Nos últimos dias, o Itaú também trouxe resultados acima do esperado. Ontem foi a vez do Bradesco, e os investidores olham cada vez mais com os olhos brilhando para o setor financeiro. 

Antes mesmo do coronavírus bater na nossa porta, os "mensageiros do apocalipse" já falavam sobre como a concorrência das novas empresas de tecnologia (fintechs) poderia representar o fim dos bancos tradicionais como os conhecemos. Depois, a desaceleração econômica parecia ter vindo para sacramentar essa realidade. 

O Santander Brasil não figurou entre as principais indicações do mercado neste mês, mas dois dos seus pares sim, mostrando que os fantasmas que ameaçavam assombrar o setor andam ficando para trás — as ações preferenciais do Bradesco (BBDC4) e as do Itaú Unibanco (ITUB4) foram as escolhidas.

A B3 (B3SA3), administradora da bolsa brasileira, tem aparecido cada vez mais por aqui nos últimos meses e fecha a tríade de indicações do setor financeiro. 

Mas o que leva o setor a renascer como uma fênix?

Bom, além do desconto acumulado nos últimos anos nos papéis do setor, o recente aumento da Selic, a manutenção da inadimplência sob controle e uma redução das provisões bilionárias feitas no pior momento da crise devem aumentar os ganhos da margem financeira e da tesouraria.

Além da reversão das provisões e gestões mais enxutas, os bancos também devem ser beneficiados por decisões favoráveis ao setor em projetos relacionados à tributação e taxas de juros que hoje se encontram no Congresso. Juntando isso a uma recuperação econômica mais rápida do que o esperado, os bancos devem em breve tornar a registrar lucros em patamares pré-covid. 

A B3 ficou com a medalha de bronze, com três indicações, e o Itaú foi a escolha de quatro casas. Já o Bradesco divide a medalha de ouro com uma velha conhecida - a Vale (VALE3) -, com cinco indicações. Com os investimentos em infraestrutura crescendo rapidamente em todo o mundo e o preço do minério de ferro não mostrando sinais de enfraquecimento, a companhia segue se fortalecendo como uma das empresas mais sólidas da América Latina. 

Além das empresas que compõem o pódio das mais indicadas pelos analistas, vale destacar também as companhias que tiveram duas indicações. É o caso de Iguatemi (IGTA3), Marfrig (MRFG3), Rumo (RAIL3) e BTG Pactual (BPAC11). Confira a tabela completa de indicações:

Entendendo a Ação do Mês: todos os meses o Seu Dinheiro Premium consulta as principais corretoras do país para descobrir quais são as principais apostas para o período. Dentro das carteiras recomendadas, normalmente com até 10 ações, os analistas indicam as suas três prediletas. Com o ranking nas mãos, selecionamos as que contaram com pelo menos duas indicações.

Bradesco - Melhor do que os melhores

Nos últimos dias, as ações preferenciais e ordinárias da companhia sobem forte na expectativa pelos números do primeiro trimestre - o Bradesco registrou um lucro de R$ 6,5 bilhões no 1º trimestre, uma alta de 73,6% ante ao mesmo período do ano passado. Esse é o retrovisor, mas a perspectiva de futuro também é boa e por isso o ativo foi a escolha de cinco instituições - Banco Santander, Elite Investimentos, CM Capital, Nova Futura e Investmind.

Os analistas acreditam que o Bradesco encontra-se em uma tendência de alta - no curto e no longo prazo -, sendo negociado a múltiplos atrativos e se destacando perante os seus pares. O anúncio do aumento do programa de recompra e ações só reforça esse ponto. Para a Elite Investimentos, a companhia é a mais preparada dentre os grandes bancos para capturar todo o potencial de melhora do cenário.

Essa é uma visão também compartilhada com os analistas do Santander. “O Bradesco é a nossa escolha entre os bancos privados, principalmente pelo perfil da sua carteira de crédito e pelo potencial de melhora na eficiência de suas operações. Para o próximo ano, vislumbramos um aumento da carteira acima do mercado e uma relevante redução das despesas operacionais”.

Além disso, os analistas do banco também pontuam que o Bradesco hoje possui a melhor execução potencial em despesas com vendas e administrativas, é o maior pagador de dividendos em 2021 entre os grandes bancos e tem um alto retorno potencial. 

B3 - Faça chuva ou faça sol, ela está ganhando

Termos da moda é o que não faltam no mercado financeiro. Assim como as coleções de outono, inverno, primavera e verão, novos termos - na maior parte das vezes anglicalizados - vivem surgindo e desaparecendo rapidamente nas rodas de conversa da Faria Lima. 

Um que parece que veio para ficar e que ganha cada dia mais força é o “financial deepening” - termo utilizado para caracterizar o crescimento do leque de serviços financeiros oferecidos no país. Tem muita gente pronta para surfar essa onda no Brasil, mas ninguém parece mais pronto que a B3, empresa que tem o monopólio da bolsa brasileira. Um cenário que não deve mudar tão cedo. 

A empresa foi a seleção de três instituições - Órama Investimentos, Planner Corretora e Necton. 

A B3 hoje é a maior bolsa de valores da América Latina em valor de mercado, com mais de 340 companhias listadas que totalizam um valor de mercado de mais de US$ 900 bilhões. E a lista de pretendentes só aumenta.

Além de investir pesado em novos tipos de produtos, a B3 se favorece da volatilidade que deixa os repórteres de mercado - e investidores - de cabelo em pé (falo por experiência própria). 

Sem concorrentes ou perspectivas de adversários, a B3 (B3SA3) tende a ganhar em todos os cenários. Além de ser um ativo visto como defensivo para a carteira, com a volatilidade em alta, os volumes negociados também aumentam e a receita recebe o impacto positivo desse movimento. 

“Nossa perspectiva para este ano é de que o volume diário médio siga em alta, o que, combinado com o bom histórico de entrega de resultados e desenvolvimento de novos produtos, justifica um nível de avaliação elevado” - Banco Santander

Nos últimos meses, a empresa sofreu uma derrapada e acumula uma desvalorização, mas, para os analistas, essa é uma boa oportunidade de compra.

Itaú - Mostrando tração

Depois de quatro trimestres de queda, o lucro do Itaú cresceu 63,6% na comparação com o primeiro trimestre do ano passado - a R$ 6,398 bilhões. Com a perspectiva de que o maior banco privado do país volte aos trilhos, Ativa Investimentos, Planner Corretora, Banco Daycoval e Terra Investimentos apontaram a ação entre as suas favoritas.

Enquanto no ano passado as provisões contra calotes pesaram no balanço, os analistas destacam a forte redução no custo de crédito como um ponto positivo nos primeiros três meses do ano.

"Combinado com aumento da margem financeira e menores despesas operacionais, isso permitiu que o retorno sobre patrimônio líquido alcançasse patamares próximos ao pré-covid”, comenta a equipe de research da Ativa Investimentos.  

Como fator de risco, os analistas destacam a deterioração da qualidade da carteira de crédito, mas a projeção é que isso melhore ao longo de 2021. Para Mario Mariante, da Planner Corretora, o crescimento do lucro e do retorno nos próximos meses deve ser sustentado por uma margem financeira maior, estabilidade das despesas não decorrentes de juros e uma redução no custo do crédito. 

Grande temor durante a crise, a inadimplência do Itaú se mantém controlada, e a busca por maior eficiência é um dos grandes destaques da gestão atual. Diante deste cenário, o Itaú segue conservador na concessão de crédito, com o foco voltado para produtos de menor risco - como empréstimo consignado e financiamento de veículos e imobiliário.

Vale - Cumprindo os prognósticos

O aumento na produção e o avanço do preço do minério de ferro em escala global, aliados a uma gestão mais eficiente, vêm impulsionando a receita da Vale e fazem com que ela não saia da cabeça dos analistas do mercado financeiro. 

Há mais de um ano ela é presença garantida entre as ações mais indicadas - e quase sempre na primeira posição. Uma alta superior a 160% só nos últimos 12 meses. Dessa vez não foi diferente. A companhia foi a seleção de cinco instituições - Investmind, CM Capital, Nova Futura, Guide Investimentos e Órama Investimentos. 

No primeiro trimestre de 2021, a mineradora teve um lucro menor que o projetado pelo mercado, mas ainda assim 2.200% maior do que o mesmo período do ano passado - US$ 5,546 bilhões. 

As coisas não devem parar por aí. Com Estados Unidos e China investindo alguns trilhões em obras de infraestrutura, a expectativa é que a demanda e o preço do minério de ferro sigam em alta. Os analistas já estão apostando que a companhia, que já é a empresa mais valiosa da América Latina, pode crescer ainda mais e ultrapassar a casa dos R$ 850 bilhões em valor de mercado.

A polêmica da vez fica por conta da declaração dada por Eduardo Bartolomeo, presidente da mineradora, sobre uma possível cisão da operação de metais básicos da companhia. O comentário foi feito durante uma teleconferência com analistas e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) pediu explicações. 

Retrospectiva

Em um mês marcado pelo fim da novela do Orçamento e novos pacotes de estímulos trilionários nos Estados Unidos, a bolsa brasileira avançou quase 2%, mas ainda encontra dificuldades para se reaproximar do seu topo histórico. O que segura o índice são os persistentes ruídos poíticos e o cenário fiscal, que seguem fazendo pressão sobre os negócios.

Pegando carona na valorização do preço do minério de ferro, as empresas ligadas às commodities metálicas tiveram um bom desempenho e seguraram o Ibovespa. A Vale, principal indicação do mês passado, avançou 10,68% em abril. Fechando o pódio, nós tivemos Itaú Unibanco - que recuou 1,96% - e as ações da B3 - que tiveram uma quda de 6,36%. Confira o retorno de todas as indicações do mês passado:

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa surfa no otimismo internacional e abre em alta; dólar é negociado abaixo dos R$ 5

RESUMO DO DIA: Os sinais de alívio da covid-19 na China devolveu o apetite de risco dos investidores nesta terça-feira (17). O tom menos agressivo dos representantes do Federal Reserve na tarde de ontem (16) também incentivam uma busca por barganhas nas bolsas hoje. Por aqui, o Ibovespa acompanha os debates envolvendo a PEC 63, […]

CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Oportunidade de swing trade: compra de ações da Positivo (POSI3) e lucro de 2% no bolso com Wiz (WIZS3)

Identifiquei uma oportunidade de swing trade – compra dos papéis da Positivo Tecnologia (POSI3), com entrada em R$ 7,87; veja a análise das ações

O melhor do Seu Dinheiro

Velozes e autônomos: desafio Imigrantes; veja a história do dia e outras oito notícias que mexem com os seus investimentos

Descubra tudo o que você precisa saber sobre os carros autônomos e o que é preciso para eles ganharem de vez as estradas brasileiras

BARGANHANDO EM PÚBLICO?

Elon Musk acha que o Twitter tentou enganá-lo, suspende negociação e exige clareza sobre número de contas falsas

Twitter e Elon Musk divergem sobre quantidade de usuários falsos e spams; empresa fala em 5%, bilionário acha que é bem mais

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas no exterior reagem ao alívio da covid-19 na China e sobem pela manhã; Ibovespa acompanha PEC que pode gerar até R$ 7,5 bi em novos gastos

A proposta de reajuste para juízes e procuradores acontece em meio à greve dos servidores do Banco Central e Receita Federal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies