Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-03-27T19:58:50-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Crédito privado

Fundo de debêntures Select Light, da gestora Quatá, reabre para resgates

Investidores do fundo, que possui aproximadamente R$ 100 milhões em patrimônio, poderão voltar a fazer pedidos de saque a partir de segunda-feira

27 de março de 2020
19:58
Tela mercado juros
Imagem: Shutterstock

Cinco dias depois do fechamento, os investidores do fundo Select Light poderão voltar a fazer pedidos de resgate a partir de segunda-feira, informou a Quatá Investimentos, responsável pela gestão.

O fundo de crédito privado investe a maior parte do patrimônio em debêntures, títulos de dívida emitidos por empresas, e está fechado para saques desde segunda-feira.

A Quatá informou que a decisão foi tomada para preservar o patrimônio dos investidores em meio ao choque nos mercados provocado pelo coronavírus.

Em nota, a gestora afirmou que havia uma grande divergência entre os preços dos ativos na carteira do Select Light em relação aos valores negociados em mercado.

“Após o dia 23, esta defasagem de preço entre os ativos da carteira e os negociados a mercado começou a diminuir, permitindo que a gestora reabrisse o fundo, já que poderá se desfazer dos ativos em condições melhores”, acrescentou.

No fim de fevereiro, o Select Light contava com patrimônio líquido de R$ 103 milhões, dos quais 76% estavam aplicados em debêntures.

O fundo possui aproximadamente mil cotistas e é distribuído em plataformas para investidores de varejo como Ativa, Azimut, Guide, Modal, Órama, Genial e RB, segundo o site da administradora. Pelo regulamento, os pedidos de resgate são pagos em 15 dias.

Leia também:

O mercado de debêntures vem sofrendo com a falta de liquidez em meio ao choque do coronavírus. Com muito mais vendedores do que compradores, os poucos negócios acabam saindo com taxas mais altas – o que representa uma perda para quem havia adquirido os papéis com taxas menores.

Diante da restrição de liquidez no mercado, o Banco Central anunciou na segunda-feira a liberação de até R$ 91 bilhões em recursos do compulsório para os bancos comprarem debêntures.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O Ibovespa na contramão do mundo, o impulso das commodities, a pressão dos servidores públicos e tudo o que agitou os mercados nesta terça

Nada como uma perspectiva de aperto monetário para segurar o desempenho dos ativos de risco. E nesta terça-feira (18), os mercados financeiros americanos voltaram do feriado colocando nos preços a expectativa dos investidores com a alta dos juros e a redução dos estímulos monetários nos Estados Unidos. O resultado foi uma disparada nos juros futuros, […]

Fechamento Hoje

Ibovespa sobrevive a mar vermelho no exterior e consegue fechar em alta; avanço nos retornos dos Treasuries pesa nos juros e no câmbio

Principal índice da B3 lutou para se manter no lado positivo ao longo de todo o pregão, com ajuda das commodities; dólar, porém, também fechou em alta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies