Menu
2020-06-30T08:25:06-03:00
evento

Economistas criticam atuação de Bolsonaro

Segundo eles, a atuação do presidente, ao defender a reabertura do comércio e a extinção de medidas restritivas para possibilitar a retomada da economia, é “imperdoável”

30 de junho de 2020
8:24 - atualizado às 8:25
49721350673_8196c49f16_c
(Brasília - DF, 31/03/2020) Pronunciamento do Presidente da República, Jair Bolsonaro em Rede Nacional de Rádio e Televisão. - Imagem: Isac Nóbrega/PR

Economistas que participaram na segunda-feira, 29, do painel sobre futuro da economia no Brazil Forum UK 2020 afirmaram que, neste momento, não dá para escolher entre economia e saúde. Segundo eles, a atuação do presidente Jair Bolsonaro, ao defender a reabertura do comércio e a extinção de medidas restritivas para possibilitar a retomada da economia, é "imperdoável".

Na visão do economista e professor do King’s College London Alfredo Saad-Filho, as "raízes" do impacto da pandemia no País têm relação com a desigualdade brasileira e com "o descaso deliberado do governo" ao lidar com a questão. Saad-Filho cita "a tentativa deliberada de se manter a atividade econômica a partir de um ponto de vista de que, para se manter o nível da renda, valeria a pena sacrificar vidas".

Com um ministro interino na Saúde, o Brasil somava, até às 19h30 desta segunda, 57.658 mortes por covid-19, conforme Consórcio de imprensa. Segundo Saad-Filho, o governo brasileiro abriu mão de suas responsabilidades com a população. "A psicopatia impede os níveis mais altos de governo de olhar para o outro, de cuidar do seu, de tratar da população. Estamos lidando com um desastre que poderia ter sido evitado. Isso, ao meu ver, é imperdoável."

Zeina Latif, colunista do Estadão e ex-economista chefe da XP, avalia que "faltou articulação (do governo) com os Estados" no enfrentamento à pandemia. Citando um cenário em que nenhuma medida tivesse sido tomada, Zeina afirma que "a contaminação seria muito rápida", com consequências duras. "Isso poderia gerar crise social, distúrbios, e de qualquer forma ia acabar impactando a economia pelas mortes, pela mão de obra que você perde, pelo caos social, pelo medo das pessoas".

Segundo ela, é importante ter em vista este cenário extremo, senão podemos acabar "confundindo a análise, achando que o isolamento causa a crise, e não exatamente a doença".

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

resultado da volta parcial

Indústria cresce 7% em maio, após dois meses de queda com a pandemia

Em comparação com maio de 2019, a produção teve queda de 21,9%, sendo o sétimo resultado negativo subsequente e a segunda queda mais elevada desde o início da série histórica

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

12 notícias para você começar o dia bem informado

Você provavelmente conhece algum pequeno empresário que está passando por dificuldades nesta crise. É o restaurante da esquina se virando no delivery, o salão de beleza que ficou fechado, a lojinha de bairro… E as linhas de crédito emergencial liberadas pelos bancos? Bem, não estão chegando para todo mundo. Além disso, não tem tanto dinheiro […]

atualização

Brasil tem 60,8 mil mortes por covid-19; total de casos vai a 1,4 milhão

Compilação é feita por uma série de jornais, incluindo Estadão, Folha e G1, a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde

esquenta dos mercados

Otimismo com vacina para covid-19 embala os negócios em dia de payroll

Agentes financeiros ignoram os novos recordes de casos do coronavírus nos Estados Unidos e sustentam o otimismo com as notícias de avanços na produção de uma vacina para a doença

histórico

Tesla passa Toyota e se torna a montadora mais valiosa

Papéis da fabricante de carros elétricos do bilionário americano Elon Musk encerraram o dia com alta de 3,7%, fazendo a empresa ser cotada a US$ 207,6 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements