Menu
2020-02-25T22:58:09-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Caiu mal

Hambúrguer indigesto? Ações do Burger King despencam 7% após empresa entregar resultados medianos

Resultados operacionais da rede de fast food preocupam os investidores; analistas do BTG, no entanto, enxergam resultado dentro do esperado

20 de fevereiro de 2020
15:34 - atualizado às 22:58
Burger King
Imagem: Shutterstock

A quinta-feira (20) veio com um sabor amargo para o Burger King. A gigante de fast food decepcionou o mercado ao entregar resultados financeiros fracos e levou suas ações ladeira abaixo na bolsa.

Por volta das 15h, os papéis ordinários da empresa (BKBR3) caíam mais de 7% no pregão da bolsa.

No quarto trimestre de 2019, o BK apresentou um lucro líquido de R$ 41,3 milhões, uma queda de 50,6% na comparação com o mesmo período do ano anterior. No ano, a empresa entregou lucro de R$ 48,5 milhões, uma forte queda de 62,1% quando comparamos com os R$ 128 milhões de lucro registrados em 2018.

  • Lucro líquido (4tri19): R$ 41,3 milhões (↓50,6%)
  • Lucro líquido (2019): R$ 48,5 milhões (↓62,1%)

Apesar da geração de caixa via Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) e da receita líquida terem subido tanto no quarto trimestre como no ano de 2019, alguns números operacionais do BK acabaram puxando o foco de preocupação dos investidores.

  • Ebitda ajustado (4tri19): R$ 171,2 milhões (↑36,6%)
  • Ebitda ajustado (2019): R$ 465,4 milhões (↑61,6%)
  • Receita líquida (4tri19): R$ 803,4 milhões (↑11,9%)
  • Receita líquida (2019): R$ 2,868 bilhões (↑22,1%)

De acordo com relatório divulgado pelos analistas do banco BTG Pactual, o cenário desafiador do mercado brasileiro seguiu complicando os números do Burger King no quarto trimestre do ano passado. O banco cita os desempenhos medianos nas vendas líquidas (R$ 803 milhões) e na margem Ebitda (16,4%) como prova dessa turbulência.

Mesmo fracos, esses resultados eram amplamente esperados pelos analistas do BTG, que disseram ter recebido o balanço sem grandes surpresas. Na visão deles, embora os próximos meses sejam persistentemente desafiadores para o BK, o sólido plano de crescimento e as perspectivas convincentes sustentam o otimismo com a empresa para os próximos anos.

O BTG recomenda compra das ações do BK, com preço-alvo de R$ 26 em doze meses. Hoje, a ação era negociada em torno dos R$ 16.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Seu Dinheiro na sua noite

O grande respiro do câmbio e mais…

“Ih, vai ser uma semana daquelas”, pensei eu na segunda-feira, ao olhar a agenda de eventos previstos para os dias seguintes. Teríamos decisão do Copom e relatório de empregos nos EUA — e isso sem contar os inúmeros balanços corporativos. Em semanas assim, eu gosto de traçar alguns cenários na minha cabeça: se o BC […]

Fechamento da semana

Real ganha do dólar na semana e bolsa sobe mais de 2% com economia americana nem tão aquecida e Copom incisivo

Os problemas domésticos foram para baixo do tapete e os fatores externos ajudaram o Real a se valorizar e a bolsa a romper resistências importantes. Confira um resumo da semana.

Mudou de ideia?

Elon Musk passa a recomendar cautela com o dogecoin às vésperas de sua participação no SNL

O bilionário, que já fez a moeda-meme disparar 60% com apenas um tweet, exibiu um alerta para as limitações do mercado de criptoativos

pandemia

Estudo aponta relação entre negacionismo de Bolsonaro e evolução da pandemia no Brasil

Segundo o levantamento, em cidades onde o presidente obteve mais de 50% dos votos no segundo turno das eleições de 2018, número de mortes foi 415% maior do que nos municípios onde ele perdeu o pleito

Insistência incomoda

Ex-presidente do BC Affonso Pastore acredita que ajuste parcial da Selic é insustentável

O economista defende o reconhecimento explícito de que a instituição perseguirá o ajuste integral da taxa básica de juros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies