O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2020-11-16T19:35:27-03:00
Estadão Conteúdo
Tensão no ar

Próximos três meses terão maior peso para o governo do que as eleições de 2020, diz Maia

Maia não acredita, contudo, que será possível concluir a votação dessa matéria no Senado e na Câmara até o fim do ano.

16 de novembro de 2020
19:07 - atualizado às 19:35
dsc_5770df
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. - Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta segunda-feira (16) que os próximos três meses no Congresso Nacional terão um peso maior para o governo federal e a articulação rumo às eleições de 2022 do que o pleito municipal deste ano.

Leia também:

Em palestra na Associação Comercial de São Paulo (ACSP), ele apontou que a força da gestão de Jair Bolsonaro à frente do Palácio do Planalto será conhecida depois do ciclo de votações no Congresso, protagonizado pela Proposta de Emenda à Constituição conhecida como PEC Emergencial e o Orçamento de 2021.

Para o parlamentar, o governo federal vai ter de tomar decisões difíceis em votações que não são simples. Maia destacou principalmente a PEC emergencial. "São cortes e realocação de recursos do orçamento primário atual para o orçamento de 2021 para que se possa não só atender um programa de transferência de renda, mas possa, também, continuar olhando a necessária redução do déficit primário brasileiro."

Maia não acredita, contudo, que será possível concluir a votação dessa matéria no Senado e na Câmara até o fim do ano. Nesse sentido, ele lamentou que a pauta da sua sucessão à frente da Mesa Diretora da Câmara tenha se misturado com a pauta de votações da Casa.

O deputado do DEM também comentou que não se deve, nas suas palavras, cair na armadilha de votar projetos "bonitos" e que têm "charme", mas não enfrentariam os problemas estruturais do País. Nesse trecho do pronunciamento, ele citou o projeto de facilitação da cabotagem enviado pelo governo federal.

"Não dá para fazer uma lista de dez projetos e fingir que a sociedade não entende o tamanho do problema fiscal", acrescentou.

Em seguida, Maia questionou, deixando as perguntas no ar, se o governo tomará a decisão de transferir verbas hoje dedicadas ao abono salarial para contemplar um programa de renda mínima, ou se terá coragem de cortar a indexação das aposentadorias que corrige a inflação para ampliar o Bolsa Família.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

PERSONA NON GRATA

A lista de Putin: veja quem são as pessoas proibidas de entrar na Rússia — Trump escapa, mas Zuckerberg não

Essa lista está sendo considerada um movimento simbólico em resposta às duras sanções impostas pelos países ocidentais pela invasão da Ucrânia, em fevereiro

MADE IN CHINA

Shopee, Shein e AliExpress livre de taxas? Bolsonaro diz que sim e Guedes diz que não!

Chefe do Executivo volta a contrariar o ministro da Economia, Paulo Guedes, que na última semana defendeu o digitax — um imposto que seria aplicado em compras online de fornecedores estrangeiros

BYE BYE GOVERNO!

Privatização vem aí: conselho do PPI altera regras da capitalização da Eletrobras (ELET3); saiba por que mudou

O TCU aprovou na sessão de quarta-feira (18) o processo de privatização da companhia — a proposta do relator venceu por 7 votos a favor e 1 contra

NOVO SHAPE

Da academia pra carteira: Smart Fit (SMFT3) tem potencial de alta de 34%, diz Itaú BBA — saiba se é hora de comprar

Depois do confinamento provocado pela covid-19, a indústria fitness enfrenta agora um cenário desafiador, com inflação alta, segundo o banco de investimentos

SEM LIMITE

STF nega impor prazo a Lira para análise de pedidos de impeachment de Bolsonaro

O chefe do Executivo é alvo de mais de 140 solicitações de impedimento; entenda a decisão da corte máxima

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies