Menu
2020-02-25T12:35:17-03:00
JUROS

Crescem apostas do mercado de que FED pode cortar juros nas próximas reuniões

Dados do CME Group mostram que os investidores enxergam 18,8% de chance de um novo corte de juros de 0,25 ponto porcentual na reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) de março

25 de fevereiro de 2020
12:35
Jerome Powell Fed
Presidente do Fed, Jerome Powell. - Imagem: Federal Reserve

Cresceram no mercado as apostas em uma nova rodada de flexibilização monetária por parte do Federal Reserve (Fed, o banco Central dos Estados Unidos) devido aos temores de desaceleração econômica com o surto de coronavírus.

Dados do CME Group mostram que os investidores enxergam 18,8% de chance de um novo corte de juros de 0,25 ponto porcentual na reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) de março, que levaria a taxa básica para a faixa entre 1,25% e 1,50% ao ano. Uma semana atrás, a chance era de 11,1% e, um mês atrás, de 3,8%.

As perspectivas de novos cortes sobem quando consideradas as reuniões futuras da autoridade monetária dos EUA. Para abril, o mercado precifica 53,6% de probabilidade de cortes na taxa. Os investidores aumentam as apostas olhando para as reuniões de junho (76,2%), julho (85,7%) e setembro (90,2%).

Mesmo com esse movimento, os dirigentes do Fed têm sinalizado que estão confortáveis com o nível da taxa de juros e que, por enquanto, as incertezas causadas pelo surto de coronavírus podem não ser suficientes para justificar um novo ciclo de afrouxamento.

A presidente do Fed de Cleveland, Loretta Mester (vota), disse nesta segunda-feira, 24, que não apoiaria uma nova rodada de cortes na taxa de juros americana, apesar de monitorar de perto os desdobramentos do surto. "Eu a incorporei como um risco na minha projeção modal, que prevê que o crescimento continue, um pouco mais lentamente do que no ritmo do ano passado", afirmou.

Também na segunda-feira, o presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari (vota), disse em entrevista que ainda é cedo para definir como o Banco Central americano vai responder ao coronavírus. "Eu não vejo necessidade urgente de movimento até termos mais informações", declarou o dirigente.

Na última reunião do Fomc, em janeiro, o presidente do Fed, Jerome Powell, já havia afirmado que a autoridade monetária via o coronavírus como um risco, mas que a taxa de juros dos EUA "provavelmente continuará apropriada" enquanto os dados da economia permanecerem consistentes com a perspectiva do banco.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

esquenta dos mercados

Após ganhos recentes, incertezas com covid-19 e economia voltam a pesar nos mercados

Depois de um dia em que os mercados globais foram embalados pela esperança em uma recuperação rápida, a terça-feira começa em um tom mais cauteloso. Com os investidores absorvendo as incertezas que podem prejudicar a tão sonhada recuperação em V. Nos Estados Unidos, o avanço do coronavírus pode ser um obstáculo para a retomada da […]

crise no setor

Azul inicia demissões e sindicato afirma que já são mais de mil em todo o País

Empresa informa estar buscando soluções para enfrentar a crise decorrente da pandemia da covid-19

disputa em meio à crise

Acordo com Gol acirra disputa entre sócios da Smiles

Segundo sócios do Carpena Advogados, as operações de compra antecipada de passagens “não estão sendo realizadas pelo interesse da companhia, mas da sua controladora”

caçador de assimetrias

Admirável semestre novo: riscos e oportunidades para a segunda metade do ano

Devemos parar, respirar fundo e observar o panorama de risco, antes de refletir sobre uma suposta alocação ideal. Sobre os risco, eu poderia enumerá-los; veja neste texto

pedido de liminar

MPF pede afastamento de Ricardo Salles

De acordo com doze procuradores que assinam a ação, ministro atuado em série de atos, omissões e discursos que caracterizariam conduta intencional ‘com o objetivo de fragilizar a atuação estatal na proteção do meio ambiente’

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements