Menu
Julia Wiltgen
O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
2020-10-21T19:22:55-03:00
SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

2020 é o novo ‘ano dos IPOs’?

21 de outubro de 2020
19:22
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Se um viajante do tempo contasse à Julia de março ou abril que, bem antes do fim do ano, as bolsas americanas já teriam se recuperado e ultrapassado os patamares anteriores à crise, o Ibovespa já teria retornado ao patamar dos 100 mil pontos e que 2020 seria um grande ano de aberturas de capital na bolsa brasileira, a Julia do passado certamente teria duvidado.

Mas em pleno ano da pandemia do coronavírus, e ainda sem uma vacina pronta e aprovada, aqui estamos: 18 IPOs concluídos e mais de 40 na fila, o que transformou 2020 no ano com mais estreias de empresas na bolsa desde 2007, quando 64 companhias abriram o capital.

Recentemente, algumas empresas andaram interrompendo os seus processos de IPO, dada a piora percebida no mercado. Porém, as novas candidatas não param de chegar.

Apenas hoje, noticiamos no Seu Dinheiro que mais duas empresas protocolaram pedidos de IPO junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM): a varejista de móveis Tok & Stok e o grupo Fartura, dono da rede de hortifrútis Oba.

É bacana ver empresas de outros segmentos indo à bolsa. Não só o nosso mercado está ficando carente de papéis para comprar - à medida que mais e mais pessoas começam a investir em ações, diretamente ou via fundos - como também a nossa B3 é muito concentrada em alguns setores, como commodities e instituições financeiras.

Neste ano tivemos até mesmo a estreia bem-sucedida de uma rede de pet shops, a Petz, e há até um brechó on-line na fila, o Enjoei.

Mas se, por um lado, a onda de IPOs é positiva e necessária, por outro, o investimento em empresas estreantes costuma ser arriscado, já que a novata tem menos dados disponíveis do que companhias abertas há mais tempo. Se estamos falando de uma empresa sem concorrentes abertas, então, pior ainda, pois não tem com quem comparar.

A nossa história recente mostrou muitos casos de IPOs bem-sucedidos de empresas com desempenho posterior brilhante, mas também muitos fiascos, e investidores que compraram gato por lebre.

O tema da coluna do Felipe Miranda hoje girou justamente em torno dessa questão: nesse afã de empresas querendo aproveitar o bom momento do mercado para buscar sócios e investidores ávidos por novidades, será que vamos voltar a comprar discursos bonitos, mas que não se concretizam? Recomendo muito a leitura!

MERCADOS

 A quarta-feira foi de zero a zero - tanto na bolsa quanto no câmbio. O Ibovespa não conseguiu manter o patamar dos 101 mil pontos atingido pela manhã e terminou o dia perto da estabilidade, aos 100.552,44 pontos. O dólar também mal saiu do lugar. Mas o noticiário do dia foi cheio. Confira todos os lances do pregão na matéria do Felipe Saturnino.

 A Cielo não tem tido vida fácil. Com a previsão de resultados fracos no terceiro trimestre, o Goldman Sachs reduziu o preço-alvo para as ações da empresa de maquininhas de cartão. Confira o novo valor e a recomendação para os papéis nesta matéria

 A partir de amanhã, todos os brasileiros poderão investir em empresas estrangeiras, via BDRs. E boa parte dos investidores estão dispostos a embarcar nessa, segundo uma nova pesquisa da XP Inc.

EMPRESAS

 Reviravolta no mercado! Depois de ter firmado acordo com a Ser Educacional para a venda dos seus ativos, a Laureate acabou optando pela oferta da Ânima, considerada mais atrativa. Mas a Ser não se deu por vencida. Confira os detalhes da “novela”.

 Outra que não está se mostrando disposta a desistir da sua tentativa de aquisição é a Totvs, que prorrogou até 31 de dezembro a sua proposta para comprar a Linx. Entenda todo o caso na matéria.

 Para manter o tema desta newsletter, outro IPO que o mercado pode aguardar, provavelmente não para este ano, é o da unidade digital da Caixa. Pelo menos foi o que disse o ministro da Economia, Paulo Guedes.

ECONOMIA

 Com Huawei ou sem Huawei? A pressão americana sobre a decisão da participação da gigante chinesa no leilão de frequências 5G no Brasil pode ficar para o ano que vem, segundo o embaixador brasileiro em Washington.

 Com a proximidade do fim do ano, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, pediu para que governo e lideranças fechem com urgência um cronograma para a votação de medidas que podem garantir a tranquilidade fiscal nos próximos anos.

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

reajuste

Petrobras aumentará gasolina em 4% e diesel em 5% nas refinarias

Este é a segunda elevação de preços em novembro e segue a alta do petróleo no mercado internacional

saúde na bolsa

Bank of America: Com foco em saúde, ação da SulAmérica está barata e tem perspectiva positiva

Para o banco, a companhia opera 70% abaixo do potencial e tem espaço para crescer e se aproximar dos outros players do mercado de saúde

PESSIMISMO

Risco fiscal impede Brasil de aproveitar bom momento dos mercados globais

Rogério Xavier, da SPX Capital, e Carlos Woelz, da Kapitalo Investimentos, criticam duramente falta de interesse em controlar contas públicas

Substituição barrada

Investidores de debêntures da Rodovias do Tietê rejeitam venda da empresa para Latache

Venda para fundo foi rejeitada pelos debenturistas da concessionária, que possui pelo menos R$ 1,5 bilhão em dívidas, a maior parte na mão de pequenos investidores

Termômetro da crise

Pedidos de auxílio-desemprego sobem 30 mil na semana nos EUA, a 778 mil

O total de pedidos da semana anterior foi ligeiramente revisado para cima, de 742 mil para 748 mil.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies