Menu
2020-09-29T08:39:58-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Pedalada, calote e debate presidencial: a tríade do mau humor nos mercados

Nos Estados Unidos, os investidores seguem atentos ao novo pacote de estímulos fiscais e aguardam com cautela o primeiro debate da corrida presidencial

29 de setembro de 2020
8:21 - atualizado às 8:39
shutterstock_1766199932
Imagem: Shutterstock

A preocupação com a situação fiscal do país volta a pesar nos mercados. Os investidores não gostaram do plano do governo para financiar o Renda Cidadã, o programa social que deve ser a marca do governo Bolsonaro. Para o mercado, o plano de utilizar recursos destinados ao pagamento de precatórios e parte do Fundeb sem que exista compromisso com a redução de gastos configura uma tentativa de pedalada fiscal e calote.

Não é só o quadro fiscal em Brasília que inspira cautela nesta terça-feira (29). Os mercados internacionais dão um empurrãozinho para que a cautela prevalece, com a maior parte das bolsas europeias e índices futuros em Wall Street operando no vermelho, em compasso de espera pelo primeiro debate das eleições presidenciais americanas.

Cheiro de pedalada

O Ibovespa não só fechou o pregão de ontem na contramão dos mercados internacionais como també atingiu a sua menor marca desde o dia 26 de junho, após queda de 2,41%, aos 94.666,37. O dólar também ficou sob pressão, com alta de 1,44%, a R$ 5,6353.

Embora ainda no radar, dessa vez a razão do mau humor dos investidores não está relacionado ao aumento do número de casos do coronavírus na Europa. O foco principal de tensão vem diretamente de Brasília, mais precisamente dos planos de financiamento para o programa Renda Cidadã, substituto do Bolsa Família, anunciado ontem.

Ao contrário do que o mercado esperava, o governo não trouxe alternativas de redução de gastos para tornar o plano viável e respeitar o teto de gastos. Ao invés disso, a proposta pretende utilizar até 5% dos recursos do Fundeb - Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - e recursos destinados ao pagamento de precatórios - valores devidos pelo governo após sentença definitiva na Justiça. Para os investidores, a leitura não foi nada positiva: trata-se de uma tentativa de pedalada fiscal para driblar o teto de gastos e calote.

Subiu no telhado?

O novo programa social do governo está longe de ser o único foco de tensão em Brasília. Ruídos sobre a reforma tributária também têm inspirado cautela.

Nesta segunda-feira (28), o líder do governo, deputado Ricardo Barros (PP-PR) afirmou que ainda não existe um acordo sobre a reforma tributária, o que deve atrasar ainda mais a apreciação da pauta. A tentativa de criar um imposto de transações financeiras, no estilo da antiga CPMF, também é ponto de desgaste para o assunto.

O cronograma inicial indicava votação no próximo dia 7 de outubro, mas a data deve ser adiada.

Otimismo parcial

Na tarde de ontem, esperanças com o avanço de um novo pacote de estímulos fiscais nos Estados Unidos e a recuperação do setor bancário sustentaram o movimento de alta observado em Wall Street .

Durante a madrugada, as bolsas asiáticas fecharam em alta, mas com ganhos menos expressivos.

Além da preocupação com a retomada de medidas de isolamento social na Europa, cenário que parece cada vez mais provável, os agentes financeiros também repercutem a marca de 1 milhão de mortos pela covid-19 pelo mundo - um risco para a recuperação da atividade econômica e a demanda futura.

O grande debate

Faltando pouco mais de um mês para a eleição presidencial americana, o mercado observa de perto o primeiro debate entre os dois principais candidatos ao cargo mais importante do mundo - o presidente Donald Trump e o ex-vice-presidente Joe Biden. No país, a discussão em torno de um novo pacote fiscal também segue nos holofotes.

Outro ponto de tensão tem origigem no velho continente. A União Europeia e o governo britânico começam mais uma rodada decisiva de negociações para discutir termos da saída do Reino Unido do bloco, movimento conhecido como Brexit.

Diante de tantos pontos de cautela, a maioria dos pregões europeus operam no vermelho. Em Wall Street, os índices futuros seguem a mesma tendência, no aguardo de maiores novidades.

Agenda

No Brasil, o IGP-M de setembro (8h) é um dos destaques. O índice conhecido como a 'inflação do aluguel' tem mostrado grande aceleração nos últimos meses.

Além disso, o mercado também monitora o resultado primário do Governo Central de agosto (14h).

Nos Estados Unidos, destaque para o índie de confiança do consumidor de setembro (11h) e o debate presidencial americano (22h).

Fique de olho

  • A Cosan desistiu de realizar a abertura de capital da Compass. A companhia citou as condições de mercado para justificar a decisão.
  • Braskem foi multada em R$ 200 mil pelo Instituto do Meio Ambiente do Estado de Alagoas.
  • IRB fará proposta para 1ª oferta de debêntures.
  • IPO da Boa Vista foi precificado em R$12,20 por ação, no centro da faixa indicativa.
  • Restoque homologou recuperação judicial.
  • A Hapvida segue indo às compras. A operadora de saúde anunciou a compra do Grupo Santa Filomena, por R$ 45 milhões.
  • As ações da TIM passarão a ser listadas no Novo Mercado, o mais alto nível de governança da B3.
  • Eztec fará pagamento de dividendos no valor de R$ 0,2940 por ação ordinária.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

balanço do mês

Dívida Pública Federal sobe 2,47% em outubro e chega a R$ 4,6 trilhões

Instituições financeiras foram as principais detentoras da Dívida Pública Federal interna, com 28,1% de participação no estoque

reajuste

Petrobras aumentará gasolina em 4% e diesel em 5% nas refinarias

Este é a segunda elevação de preços em novembro e segue a alta do petróleo no mercado internacional

saúde na bolsa

Bank of America: Com foco em saúde, ação da SulAmérica está barata e tem perspectiva positiva

Para o banco, a companhia opera 70% abaixo do potencial e tem espaço para crescer e se aproximar dos outros players do mercado de saúde

PESSIMISMO

Risco fiscal impede Brasil de aproveitar bom momento dos mercados globais

Rogério Xavier, da SPX Capital, e Carlos Woelz, da Kapitalo Investimentos, criticam duramente falta de interesse em controlar contas públicas

Substituição barrada

Investidores de debêntures da Rodovias do Tietê rejeitam venda da empresa para Latache

Venda para fundo foi rejeitada pelos debenturistas da concessionária, que possui pelo menos R$ 1,5 bilhão em dívidas, a maior parte na mão de pequenos investidores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies