2020-05-05T18:18:35-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Tensão política

Efeito Moro: Ibovespa desacelera e dólar vai a R$ 5,59 com depoimento do ex-ministro

A publicação da íntegra do depoimento do ex-juiz federal provocou uma reação imediata nos mercados. O Ibovespa fechou em alta, mas não conseguiu recuperar os 80 mil pontos

5 de maio de 2020
18:18
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A sessão desta teça-feira (5) pode ser dividia em duas etapas: até as 16h15, o Ibovespa subia perto de 2% e o dólar à vista operava em leve alta; daí em diante, a bolsa perdeu força e a moeda americana foi às máximas do dia.

O divisor de águas veio de Brasília: foi exatamente nesse horário que a CNN Brasil divulgou a íntegra do depoimento do ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, à Polícia Federal em Curitiba. E, como num reflexo, os investidores começaram a diminuir a exposição ao risco quase que imediatamente.

Afinal, ninguém queria pagar para ver: e se o documento trouxesse elementos que comprometessem o presidente Jair Bolsonaro? E se o depoimento gerasse uma deterioração ainda maior no ambiente político?

Como resultado, o Ibovespa tirou o pé do acelerador: o índice, que chegou a subir 2,78% na máxima, aos 81.065,90 pontos, fechou o dia com uma alta bem mais modesta, de 0,75%, aos 79.470,78 pontos.

Gráfico mostrando o comportamento do Ibovespa nesta terça-feira (5). A linha vermelha mostra que, às 16h15 — horário em que a CNN Brasil publicou o depoimento de Moro —, o índice começou a desacelerar

No mercado de câmbio, pudemos ver um fenômeno semelhante: o dólar à vista manteve-se perto da faixa de R$ 5,55 durante boa parte do dia, operando em alta inferior a 1%. Mas, com a divulgação do depoimento de Moro, a moeda americana foi às máximas da sessão, tocando os R$ 5,6045 (+1,52%).

Ao fim do dia, a divisa valia R$ 5,5925, em alta de 1,30% — na semana, o dólar à vista acumula ganhos de 2,83%. E olha que, lá fora, a terça-feira foi de valorização das moedas de países emergentes.

A rapidez com que o Ibovespa perdeu força mostra que os investidores optaram por diminuir suas posições na bolsa antes mesmo de conhecer o teor do depoimento de Moro — o que deixa claro como o mercado está sensível ao noticiário político.

Entre outros pontos da fala, Moro afirma que Bolsonaro almejava a troca no comando da Polícia Federal no Rio de Janeiro, tentando indicar ele mesmo um novo superintendente. Além disso, o juiz da Lava Jato dá mais detalhes a respeito dos bastidores de seu pedido de demissão do ministério da Justiça, novamente dando sinais de que o presidente tentava intervir em seu trabalho.

Mas, apesar da cautela, o Ibovespa não chegou a virar ao campo negativo. E isso graças à sustentação oferecida pelo clima mais ameno no exterior e pelo tom positivo visto nas bolsas globais.

Lá fora, as principais praças da Europa avançaram mais de 2% e, nos Estados Unidos, o Dow Jones (+0,56%), o S&P 500 (+0,90%) e o Nasdaq (+1,13%) fecharam em alta, sem enfrentar grandes turbulências.

  • Eu gravei um vídeo para explicar a dinâmica do mercado brasileiro nesta terça-feira. Veja abaixo:

Exterior positivo

Mesmo com os recentes atritos entre americanos e chineses, os agentes financeiros mostraram-se focados na reabertura econômica gradual na Europa e em algumas regiões dos EUA.

A expectativa é a de que, com a atividade voltando lentamente ao normal nessas áreas, o ciclo de recuperação da economia global poderá começar o mais rápido possível — e essa perspectiva sustenta as bolsas mundiais no campo positivo nesta terça-feira.

Além disso, os indicadores de atividade do setor de serviços nos EUA vieram ligeiramente mais fortes que o projetado pelo mercado, o que contribuiu para elevar a percepção de que a retomada econômica poderá ocorrer mais cedo que o esperado.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Expectativa para o Copom

No Brasil, os investidores aguardam a decisão de juros do Copom, com divulgação prevista para amanhã, depois do fechamento dos mercados. As projeções são de corte na Selic, mas não há unanimidade no mercado quanto à magnitude da redução — as apostas dividem-se entre baixas de 0,5 ou de 0,75 ponto.

A fraqueza demonstrada pela produção industrial do país em março deu ainda mais força à percepção de que será necessário continuar cortando a Selic para dar sustentação à economia: o indicador caiu 9,1% em relação a fevereiro, a maior queda para o mês desde 2002.

Nesse cenário, o mercado de juros futuros fechou em baixa, tanto na ponta curta quanto na longa — uma evidência de que os investidores veem espaço para mais cortes na Selic:

  • Janeiro/2021: de 2,77% para 2,71%;
  • Janeiro/2022: de 3,66% para 3,53%;
  • Janeiro/2023: de 4,91% para 4,73%;
  • Janeiro/2025: de 6,63% para 6,52%.

Essa certeza de que a Selic será cortada na reunião de amanhã e a possibilidade de o ciclo de alívio monetário continuar ao longo do ano acabaram trazendo pressão ao dólar à vista — e, com o 'risco Moro' entrando no radar, a moeda americana ganhou ainda mais força.

Itaú em foco

No lado corporativo, destaque para o Itaú Unibanco: a instituição fez uma provisão de R$ 10 bilhões no primeiro trimestre deste ano, antevendo os impactos futuros da crise do coronavírus. Com isso, o lucro do banco caiu 43% na base anual, para R$ 3,912 bilhões.

Apesar dessa forte baixa no lucro, as ações PN da instituição (ITUB4) fecharam em alta de 3,70% — os números do balanço chamaram a atenção, mas a abordagem cautelosa do Itaú também foi bem recebida pelos investidores.

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta terça-feira:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
GOLL4Gol PN11,78+5,65%
KLBN11Klabin units18,70+5,17%
SBSP3Sabesp ON41,70+4,49%
ITUB4Itaú Unibanco PN22,70+3,70%
PETR3Petrobras ON18,67+3,43%

Confira também as maiores quedas do índice hoje:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
IRBR3IRB ON9,01-6,05%
COGN3Cogna ON4,96-4,98%
CVCB3CVC ON12,39-4,03%
CSNA3CSN ON7,96-3,28%
HGTX3Cia Hering ON13,86-3,14%
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Exclusivo

Na “caça aos unicórnios”, Itaú lança fundo para aplicar em gestores de investimentos alternativos

O banco acaba de abrir para captação o Polaris, fundo com objetivo de retorno de até 25% ao ano e foco em investimentos que vão bem além do “combo” tradicional de bolsa, dólar e juros

CONSTRUTORAS COM DESCONTO

Vendas de imóveis em alta, ações em baixa. A queda das incorporadoras abriu uma oportunidade de compra na bolsa?

Os resultados do quarto trimestre mostram que as empresas do setor entregaram desempenhos sólidos, mas as ações caminham na direção contrária

COMPRA PROGRAMADA

‘Vale Gás’: Ultragaz cria cartão que permite ‘congelar’ o preço e parcelar a compra do gás de cozinha

O GLP é um dos derivados de petróleo afetado pela alta do dólar frente ao real e pela valorização da commodity no mercado internacional

SALTO COM FINANÇAS

Itaú (ITUB4) escala 53 posições em ranking e se torna único brasileiro entre 500 marcas globais mais valiosas; veja lista completa

Além de figurar entre as marcas mais valiosas, o Itaú conquistou uma posição na lista dos 250 principais CEOs ou “guardiões de marca”

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Volatilidade a mil com decisão de juros do Fed, reabertura do fundo da Dynamo e nova aquisição da Petz: veja o que mexeu com o mercado hoje

O bom humor nos mercados era tanto nesta quarta-feira (26) que nem parecia dia de decisão de juros pelo Federal Reserve, o banco central americano. As bolsas americanas e europeias operavam em alta, ainda em clima de recuperação das perdas do início da semana, e o Ibovespa subia mais de 1,5%, ainda puxado pela entrada […]