Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-10-14T14:55:20-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Cenário

Itaú trabalha com Selic de 4% em 2020

Banco revisou projeção de juro básico de 5% para 4,5% em 2019 e trabalha com câmbio a R$ 3,90 neste ano e R$ 4,25 em 2020

14 de outubro de 2019
10:57 - atualizado às 14:55
Montagem de meteoro no espaço em direção para baixo com o texto juros em cima; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A equipe de macroeconomia do Itaú Unibanco, liderada pelo economista Mario Mesquita, passou a trabalhar com Selic de 4,5% no fim de 2019 e de 4% em 2020, contra estimativas anteriores de 5% para o custo do dinheiro.

Em relatório, o banco afirma que os principais fatores que justificam uma política monetária ainda mais flexível já existem há algum tempo. São eles: inflação baixa, expectativas ancoradas, ampla folga econômica e consolidação fiscal. A mediana do mercado captada pelo Focus mostra juro básico em 4,75% no fim de 2019 e de 2020.

O banco pondera que o caminho para cortes adicionais foi mais claramente desbloqueado pela trégua comercial, que provavelmente resultará em menor volatilidade de ativos de risco, como o real.

Antes de seguirmos adiante, temos falado que esse cenário de juro baixo vai exigir cada vez mais dedicação dos investidores para rentabilizar seus recursos. Deixo umas dicas de leitura sobre investimentos com Selic nesses patamares. Há dicas para investidores conservadores e para os de perfil mais arrojado. Também deixo como sugestão o nosso e-book sobre investimentos em bolsa de valores.

De volta ao relatório, reflexo desse juro mais baixo, as estimativas para a taxa de câmbio saíram de R$ 3,80 para 3,90 agora em 2019 e de R$ 4 para R$ 4,25 em 2020.

Esse juro mais baixo também terá impacto sobre o desempenho da economia. O Produto Interno Bruto (PIB) deve ter crescimento de 2,2% em 2020, acima da projeção anterior de 1,7%. Neste ano, o crescimento deve ser de 1%, ante 0,8% estimados anteriormente.

Juro baixo, crescimento melhor e inflação comportada. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) projetado para 2019 é de 3,3% (3,4% anteriormente), contra uma meta de 4,25%. Para 2020, breve elevação para 3,7% (3,5% anteriormente), ante meta de 4%.

Rumos aos 4%

Além de um novo corte de meio ponto percentual no encontro de 31 de outubro do Comitê de Política Monetária (Copom), o banco passou a estimar nova redução de mesma magnitude em dezembro, seguida por dois cortes de 0,25 ponto em fevereiro e março de 2020.

No lado da inflação, o banco fala em leituras “bem-comportadas” do IPCA. Na atividade, os dados ensaiam uma recuperação mais consistente. Mas num contexto de capacidade ociosa ainda muito elevada, “melhoras nesse front ainda não representam risco relevante de pressão inflacionária no horizonte relevante de política monetária”.

Do lado externo, o Itaú avalia que o ambiente se tornou mais favorável. Os avanços recentes nas negociações entre China e EUA reduzem, ainda que não eliminem, a incerteza sobre o cenário externo.

Além disso, a desaceleração da economia americana aumenta a perspectiva de cortes de juros por parte do Federal Reserve (Fed), banco central americano.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Analistas respondem

Marcopolo (POMO4) perdeu metade do valor desde o início da pandemia, mas está pronta para a retomada. Hora de comprar a ação?

A queda das ações trouxe uma oportunidade para que os investidores comprem os papéis, mas analistas ainda alertam para os riscos da retomada

Derretendo no pregão

Por que o minério de ferro perdeu mais da metade do valor em poucos meses, impactando Vale e siderúrgicas

O preço da tonelada derreteu 8,80% nas vendas do porto de Qingdao, na China. Com isso, a principal commodity metálica do mundo passou a custar US$ 92,98

RAIO-X DE UM GIGANTE CAÍDO

Quem é a Evergrande, a gigante chinesa que está assustando os mercados globais

Da ascensão meteórica ao recorde mundial de endividamento em seu setor, conheça a história da megaincorporadora que nos últimos dias tem causado calafrios nos investidores

Exile on Wall Street

Tic-tac para Evergrande: entenda o que está em jogo com a crise de crédito envolvendo a incorporadora chinesa

Havia outros planos para este Day One. A realidade insiste em sua agressividade e seu não comedimento, atropelando de maneira avassaladora qualquer planejamento. “O campo escala”, ensina o filósofo Tite. Futuros de Wall Street em queda significativa, commodities em forte baixa, dólar em alta, corrida para os títulos do Tesouro norte-americano. “Ah, e as criptomoedas?” […]

Dinheiro na conta

Com dividendo bilionário, Copel (CPLE6) se salva da queda generalizada da bolsa

Estatal paranaense de energia anunciou que vai pagar R$ 1,4 bilhão em dividendos e Juros sobre o Capital Próprio (JCP) aos acionistas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies