Menu
2019-06-29T10:09:21-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Mais acordos no radar?

Acordo entre Mercosul e UE terá “efeito dominó”, avalia Bolsonaro no Japão

Presidente afirmou em entrevista coletiva que “outros países devem fazer acordos” com o Mercosul

29 de junho de 2019
10:09
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro - Imagem: Alan Santos/Presidência da República

O fechamento do acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia se tornará uma "operação dominó", segundo o presidente Jair Bolsonaro.

"Outros países devem fazer acordo conosco", afirmou durante entrevista coletiva a jornalistas na manhã deste sábado no Japão (fim da noite de sexta-feira, 28, no Brasil).

Ele disse que as informações foram passadas de Bruxelas pelos ministros de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e de Agricultura, Tereza Cristina. "Os ministros estão muito felizes com esse desenlace após 20 anos", comemorou.

Ele salientou que as principais pendências nos momentos finais das negociações foram no setor de vinho e laticínios. "Tinha problemas nesses setores.", comentou. Bolsonaro analisou que, com base no que os ministros reportaram, o fechamento do acordo foi "muito bom para o Brasil".

O presidente afirmou que, durante sua campanha, a imprensa duvidada de que ele seria "convertido ao livre mercado", mas afirma que "evoluiu".

"Confesso que em grande parte eu tinha ideias estatizantes, mas todos nós evoluímos. Nós acreditamos que somente o livre comércio, onde o indivíduo é forte e não o Estado, é que podemos sonhar com democracia, liberdade e prosperidade. Estamos alinhados", afirmou.

Para Bolsonaro, países europeus estão acostumados a ver o Brasil como colônia. A fala vem em meio a pressões de Alemanha e França por mudanças nas políticas ambientais do governo.

"Não é uma questão de arrogância, eles foram acostumados a tratar nós como colonizados. Faltava alguém que educadamente mostrasse que o Brasil não é isso, que o Brasil é um país que merece e vai ser respeitado enquanto eu for ser presidente. Esses chefes de Estado estão fazendo seu papel e o Brasil nunca fez isso", afirmou a jornalistas.

O presidente afirmou que a chanceler alemã, Angela Merkel, "arregalou os olhos" ao saber das questões ambientais brasileiras ao conversar com ele no G-20 e disse ter falado com a alemã sobre a "psicose ambientalista" que existe no Brasil - ele definiu o termo como "aquele cara que acha que o meio ambiente está acima de tudo". "Nós temos como conviver com o meio ambiente casado com o progresso", afirmou Bolsonaro.

Bolsonaro afirma que "no momento" o País está no Acordo de Paris e que o Brasil não pode se deixar "difamar" na questão ambiental.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

novos rumos

Com Biden, meio ambiente entra no foco de comércio entre Brasil e Estados Unidos

Exportadores brasileiros passam a ter outro motivo de apreensão a partir de hoje, com a chegada de Joe Biden à Casa Branca

simplificação

Governo federal lança sistema para simplificar a abertura de empresas

Segundo o Ministério da Economia, empreendedores podem abrir empresas em apenas um dia e sem necessidade de percorrer vários órgãos públicos

fim da barreira

China autoriza retomada da exportação de carne de duas unidades da JBS

Com isso, todas as restrições impostas à exportação da JBS para a China ao longo de 2020 foram levantadas e a companhia volta a ter 25 unidades aptas a exportar para o país asiático

DESTAQUES DA BOLSA

Ações ligadas ao e-commerce sobem com “efeito Netflix” e entusiasmo por Biden

Desempenho positivo da Netflix puxa Nasdaq e reflete nas empresas da “nova economia” listadas na bolsa brasileira

entrevista

Fusão entre Fiat e Peugeot tem objetivo de evitar o fechamento de fábricas, diz presidente da Stellantis

Operação reuniu 14 marcas sob uma única organização, com vendas de cerca de 8 milhões de unidades e faturamento (antes de sinergias) de € 167 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies