Menu
2019-09-12T12:05:36-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Risk-on

Trump paz e amor e BC Europeu impulsionam tomada de risco. Mas até quando?

Presidente americano, Donald Trump, abrandou o tom com os chineses, mas já desceu caneladas no Fed, após BCE reduzir juros e anunciar compra de ativos

12 de setembro de 2019
10:26 - atualizado às 12:05
Presidente dos EUA, Donald Trump
Presidente dos EUA, Donald Trump - Imagem: shutterstock

Um cenário positivo para os ativos de risco começou a se desenhar na noite de ontem, depois que um Donald Trump “paz e amor” anunciou que vai postergar a entrada em vigor de tarifas contra a China. Agora pela manhã, o foco está no Banco Central Europeu (BCE), que adotou taxas ainda mais negativas, retomou a compra de ativos e anunciou medidas para dar fôlego aos bancos.

As bolsas europeias passaram a operara em alta após o BCE e os índices futuros americanos também apontam para cima, mas com modestas variações na casa dos 0,2%. Mas o tom positivo perdeu um pouco de ímpeto com a entrevista do presidente do BCE, Mario Draghi, que pediu ajuda da política fiscal para dar suporte à atividade econômica.

Mas o tom conciliador de Trump, se restringe aos chineses. Pois pouco depois do BCE anunciar sua decisão, o presidente já foi ao “Twitter” dar mais umas caneladas no Federal Reserve (Fed), banco central americano.

Segundo Trump, enquanto o BCE age rapidamente e consegue desvalorizar o euro, o Fed fica sentado e esperando. “Eles recebem para pegar dinheiro emprestado, enquanto nós estamos pagando juros”.

Além do BCE e de Trump, o mercado também digere declarações do secretário de Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, que entre outras coisas falou que Trump está considerando reduções de impostos nos EUA. Além disso, ele voltou a falar na possibilidade de emitir um título de 50 anos do Tesouro já em 2020.

Os investidores receberam, ainda, dados sobre a inflação ao consumidor nos EUA. O índice de preços ao consumidor (CPI) subiu 0,1% em agosto, acumulando 1,7% em 12 meses. Já o núcleo, que tira alimentos e energia, subiu 0,3% no mês e 2,4% em 12 meses, maior leitura em 13 meses.

Risk-on até quando?

A questão que fica é como o Fed vai interpretar todas essas informações na sua reunião do dia 18. O presidente Jerome Powell não fez mudanças no seu discurso de olhar os dados e atuar conforme o necessário para sustentar a expansão da economia americana. Por isso mesmo, a expectativa é de que teremos nova redução de 0,25 ponto no juro, que está entre 2% e 2,25%, no encontro da semana que vem.

O grande “se” é se o Fed optar por não fazer nada ou cortar os juros e não acenar continuidade no movimento de baixa. Algo que pode despertar, novamente, a ira de Trump, como vimos após a reunião de agosto. Insatisfeito com a postura do Fed, Trump anunciou novas tarifas contra os chineses e classificou o país de manipulador cambial, dando início a um mês negativo para os mercados globais.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Lançamento

Marfrig lança hambúrguer vegetal na rede Chicohamburger

Produto será vendido com o nome de Revolution Burger CH; hambúrguer vegetal da Marfrig já tinha sido novidade do cardápio do Burger King em 2019

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta segunda-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Mercados agora

Ibovespa sobe aos 115 mil pontos, atento aos sinais positivos da China; dólar avança a R$ 4,32

O Ibovespa abriu a semana em leve alta, pegando carona no bom humor externo com as medidas de estímulo adotadas pelo governo da China. Carrefour Brasil ON e Magazine Luiza ON estão entre os maiores avanços do índice

Exile on Wall Street

Você quer eliminar as perdas de seu portfólio?

Se você não está cometendo equívocos, é porque não está no seu limite, não está tentando o máximo que pode

maior desvalorização em 45 dias...

Fundos imobiliários perderam este ano R$ 3,28 milhões em valor de mercado

No total, a cesta que congrega os 131 fundos mais negociados do mercado, o Ifix, encolheu 5,15% em 2020 – em fevereiro, apesar da melhora dos últimos dias, a queda é de quase 1%

após IBC-Br

Mercado reduz projeção para alta do PIB em 2020

A atualização do número é apresentada após o próprio BC divulgar que o IBC-Br em 2019 avançou 0,89%, abaixo da previsão de analistas

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

11 notícias para começar o dia bem informado

A semana pré-carnaval promete ser intensa, com uma bateria de balanços corporativos. O dia começa com novidades vindas da Ásia sobre o coronavírus e o PIB do Japão. O Seu Dinheiro também traz um “check-up” das empresas de saúde, um segmento que ganhou relevância na bolsa nos últimos anos e que tem ações “queridinhas” dos […]

de olho no balanço

Lucro do Magazine Luiza cresce 54% e chega a R$ 921 milhões em 2019

Varejista divulgou as cifras do ano com os resultados do quarto trimestre de 2019. Entre os destaques dos últimos três meses, está novamente o e-commerce

Esquenta dos mercados

Atuação do BC chinês e agenda corporativa cheia dão força extra aos negócios

Os novos cortes nos juros pelo Banco Central chinês ajuda o mercado a balancear a notícia da queda do PIB japonês. As bolsas americanas ficam fechadas por conta de feriado

dinheiro na mão

Receita paga nesta segunda restituição do lote residual do Imposto de Renda de 2008 a 2019

Crédito bancário será feito para 116.188 contribuintes, somando mais de R$ 297 milhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements