Menu
Gabriel Casonato
Cannabusiness
Gabriel Casonato
É editor da Empiricus e entusiasta do mercado de cannabis
2019-06-06T15:30:15-03:00
Canabusiness

Fundos de índice (ETF) permitem jogar contra ou duplicar a aposta no setor de maconha

Empresa canadense Horizons lançou ETF com referência no North American Marijuana Index, principal índice para o mercado de maconha

9 de junho de 2019
6:02 - atualizado às 15:30
Maconha bolsa
Imagem: Shutterstock

Em mais um sinal de amadurecimento da indústria legal de cannabis, investidores agora podem comprar fundos de ações negociados em Bolsa para jogar contra as empresas de maconha ou, em sentido oposto, duplicar a aposta em um bom desempenho do setor.

A empresa canadense Horizons, responsável pelo lançamento em 2017 do primeiro fundo de índice (ETF) do mundo focado exclusivamente nas chamadas pot stocks, anunciou há cerca de um mês o lançamento de mais dois fundos dedicados a elas.

São eles: o BetaPro Marijuana Companies 2x Daily Bull ETF, negociado na Bolsa de Toronto através do código "HMJU", e o BetaPro Marijuana Companies Inverse ETF, encontrado no mesmo local sob o ticker "HMJI". Ambos possuem uma taxa de administração de 1,45% ao ano.

Como o próprio nome indica, o primeiro é um ETF alavancado, que corresponde a duas vezes a performance do North American Marijuana Index, principal índice de referência para o mercado norte-americano – leia-se Estados Unidos e Canadá – de maconha.

Na prática, ele é indicado para os investidores mais otimistas, na medida em que duplica o desempenho das principais companhias que atuam no setor.

Por exemplo, digamos que o North American Marijuana Index suba 2% em um pregão. Neste caso, a variação de HMJU será positiva em 4%. Por outro lado, se o índice tiver um dia ruim e cair 3%, o ETF cairá o dobro, ou 6%.

Por este motivo, trata-se de um ativo bastante arriscado, indicado apenas para aqueles que acreditam no avanço e consequente bom desempenho da indústria a longo prazo. E, não menos importante, para aqueles que também tenham estômago para suportar a volatilidade acima da média das ações de maconha.

Para os pessimistas (mas não só)

O HMJI, por sua vez, é um ETF inverso, o que significa que ele proporciona uma exposição contrária ao índice de referência, shorteando ele na prática.

Usando o mesmo exemplo acima, de uma alta de 2% para o North American Marijuana Index, o HMJI amargaria uma queda da mesma magnitude. Já no caso de uma queda de 3% para o índice, o ETF subiria os mesmos 3% - daí vem o “Inverse” no nome.

Ao contrário do que possa parecer, não é um ativo indicado apenas para aqueles pessimistas com o setor. Ele também pode ser usado para fazer hedge de uma carteira majoritariamente comprada – long – no mercado de cannabis, reduzindo as perdas caso o racional para as empresas não se confirme.

Portanto, o BetaPro Marijuana Companies 2x Daily Bull ETF e o BetaPro Marijuana Companies Inverse ETF podem muito bem ser opções complementares, além de possibilitarem uma maneira muito mais simples para o investidor de se alavancar ou operar vendido no setor.

Índice sobe 146%

Tido como o principal índice de ações do setor e responsável por guiar o desempenho dos dois novos ETFs, o North American Marijuana Index acompanha o desempenho de 46 empresas que operam nos EUA e no Canadá, distribuindo um peso igual entre elas.

Dentre os principais requisitos mínimos exigidos para que uma companhia ingresse no índice estão uma capitalização de mercado média de, no mínimo, US$ 100 milhões e um volume diário de negociação de pelo menos US$ 2 milhões. O rebalanceamento do portfólio, por sua vez, é feito trimestralmente.

A maioria das ações que compõem o benchmark está listada no mercado OTC – sigla para over-the-counter, o chamado mercado de balcão. No entanto, as maiores empresas da carteira, como Canopy Growth, Aurora, GW Pharmaceuticals, Cronos e Tilray, já possuem seus papéis listados ou na NYSE ou na Nasdaq, podendo ser acessados com mais facilidade pelos investidores.

Dito isso, o North American Marijuana Index entregou um impressionante retorno de 146% desde a sua criação, em janeiro de 2015.

O desempenho foi ainda mais expressivo até o início de 2018, período em que o noticiário passou a ser dominado por manchetes sobre a legalização no Canadá e em diversos estados americanos – hoje o uso recreativo da maconha já é permitido em 11 estados nos EUA, sendo que outros 33 já liberaram o consumo para fins medicinais.

De lá para cá, o índice passou a oscilar e acumula uma queda, com o mercado corrigindo distorções de valuation, alguns altos e baixos no que diz respeito aos avanços na regulação e pelos primeiros resultados deixarem evidentes as dificuldades das empresas em transformar o forte crescimento das vendas em rentabilidade, o que é absolutamente natural para um setor ainda incipiente, com alta demanda por investimentos.

Aos olhos dos mais otimistas, tal correção pode ser encarada como uma rara janela de oportunidade para se posicionar, seja no ETF ou em algumas ações em específico.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

OLHO NO VÍRUS

Coronavírus está contido em solo americano sem impactos na cadeia produtiva

O assessor da Casa Branca também disse que não vê nenhum movimento do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) para cortes de juros em uma resposta ao “pânico” do coronavírus

MERCADOS HOJE

Bolsas europeias terminam mais um dia em queda acentuada, de olho no coronavírus

Outro que registrou perdas foi o índice acionário italiano, mas em menor grau. Após registrar a maior contração entre as bolsas ontem, o índice da Itália (FTSE-MIB) recuou 1,44% e fechou em 23.090,44 pontos nesta terça-feira

AVIAÇÃO

‘Portugal pode ajudar na venda do C-390’, diz ministro da Defesa do país

O governo de Portugal é sócio da Embraer na OGMA, de manutenção de aeronaves, com uma participação de 35%

CORONAVÍRUS

EUA pedem que Congresso autorize gasto de US$ 2,5 bilhões para conter coronavírus

Os Estados Unidos confirmaram 14 casos de infecção pelo coronavírus em sete Estados diferentes, mas não relataram mortes

ENERGIA

País tem ‘folga’ de energia pelo menos até 2024

“Temos uma folga estrutural, pois tivemos um aumento de capacidade instalada sem a contrapartida de aumento de consumo”, diz Cristopher Vlavianos

ESTÍMULO PARA AS EMPRESAS

China anuncia medidas para ampliar crédito a empresas atingidas pelo coronavírus

Em reunião presidida pelo primeiro-ministro Li Keqiang, o conselho disse que aumentará em 500 bilhões de yuans (US$ 71,2 bilhões) a cota de refinanciamento para empréstimos de bancos a pequenas empresas e fazendeiros

EM BUSCA DE PROTEÇÃO

Temor global com coronavírus faz ouro alcançar maior cotação desde 2013

Apenas neste ano, o ETF acumula alta de 8,25%. A razão para a valorização é uma só: ele é considerado porto seguro de quem investe quando o cenário externo parece mais incerto

JUROS

Crescem apostas do mercado de que FED pode cortar juros nas próximas reuniões

Dados do CME Group mostram que os investidores enxergam 18,8% de chance de um novo corte de juros de 0,25 ponto porcentual na reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) de março

CRIPTOMOEDAS

Buffett volta a dizer que “criptomoedas não têm valor e que nunca terá uma”

Apesar de não gostar muito das moedas digitais, o bitcoin não vem fazendo feio. Nos últimos 12 meses, a criptomoeda acumula valorização de 191,50%

SELEÇÃO DE NOTÍCIAS

No radar: Mercados com os nervos à flor da pele

Olá! Os mercados brasileiros continuam fechados nesta terça-feira (25), por causa do Carnaval. O timing dessa parada foi oportuno, já que, lá fora, o clima é de enorme tensão entre os investidores. O aumento súbito nos casos de coronavírus fora da China fez as bolsas globais despencarem na segunda-feira (24). E, hoje, a situação não […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu