Menu
2019-07-11T15:50:33-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Olha o bull market

Boas novas: oferta de ações no primeiro semestre atinge maior valor em 17 anos

Segundo dados da Anbima, foram emitidos R$ 29,3 bilhões no período, sendo R$ 4,5 bilhões em ofertas iniciais de ações (IPOs) e R$ 24,8 bilhões em ofertas subsequentes de ações (follow-on)

11 de julho de 2019
15:39 - atualizado às 15:50
Foguete voando na frente do Ibovespa
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A expectativa de aprovação da Previdência e de entrada de um governo mais liberal realmente animou o mercado. Além da alta da bolsa, o primeiro semestre de 2019 bateu o recorde de ofertas de ações. Segundo informações da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima), o valor de recursos captados foi de R$ 29,3 bilhões, o montante é o melhor resultado para o período desde o início da série histórica de 2002.

Desse valor, 4,5 bilhões foram captados em ofertas iniciais de ações (IPOs) e 24,8 bilhões em ofertas subsequentes de ações, mais conhecidas como follow-on. Apenas para fins de comparação, o montante captado neste ano ficou 159% acima do valor emitido em todo o ano passado.

O montante maior foi impulsionado principalmente pela venda de participações, como a que ocorreu com a Caixa Econômica Federal ao vender as participações que detinha na Petrobras. Com a operação, a instituição levantou R$ 7,3 bilhões com a venda dos papéis da petroleira.

E há outras no radar. A BR distribuidora e a Petrobras anunciaram no começo deste mês, o início do processo de redução de participação acionária da petroleira em sua subsidiária.

"O segundo trimestre foi bastante aquecido e promissor para a renda variável, já refletindo as expectativas positivas do mercado sobre a reforma da previdência. Com a notícia de ontem, de aprovação na Câmara dos Deputados em primeiro turno, renovamos nosso otimismo quanto a novas emissões de ações nos próximos semestres”, diz José Eduardo Laloni, vice-presidente da Anbima.

De olho nas debêntures

Um dos pontos que chamam a atenção é o aumento no total de emissões de debêntures, que são títulos de dívidas emitidos pelas empresas. A diferença é que ao emitir esses títulos, o investidor não se torna sócio, mas sim credor da empresa.

No relatório, a Anbima destaca que o total de emissões de debêntures alcançou o valor de R$ 84,6 bilhões entre janeiro e junho deste ano, o que representa um crescimento de 9,3%. Com isso, as debêntures se tornaram o principal instrumento de captação durante o período, com 51% do total. No ano passado, as debêntures corresponderam a 59% do total durante o mesmo período do ano anterior.

Os investidores institucionais mantiveram até junho a maior parcela nas ofertas públicas de debêntures, com 63,48% contra 57,5% do mesmo período do ano anterior. Mas o percentual de investidores pessoas física ficou em 3,4%, ante os 2,7% do mesmo período do ano anterior.

Outro detalhe interessante é que os prazos desses papéis foram alongados, o que é positivo para a empresa porque ela tem mais tempo para pagar as dívidas que fez com os credores, nesse caso, os investidores. Mas não é tão positivo para quem emprestou o dinheiro.

De acordo com os dados divulgados, a parcela de vencimento até três anos caiu de 36,4% para 15,8%, enquanto as faixas de quatro a seis anos e de sete a nove anos subiram nove e doze pontos percentuais, respectivamente.

Além disso, a má notícia é que a remuneração média de juros que as debêntures emitidas estão pagando caiu de 104,9% do CDI para 103,6% do CDI. Isso é bastante negativo, já que há investimentos de renda fixa como o de Certificados de Depósito Bancário (CDBs) que estão pagando acima de 100% do CDI e ainda possuem a garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

Por que isso vem ocorrendo?

Assim como havia adiantado o repórter Vinícius Pinheiro, as debêntures e outros títulos emitidos por empresas vêm ganhando um espaço cada vez maior para quem está em busca de um retorno maior na renda fixa.

A razão está atrelada a alguns fatores. Antes o Brasil tinha os juros muito altos, o que era menos animador para empresas que quisessem captar recursos por meio de emissão de títulos de dívidas. Além disso, o mercado contava com um “concorrente” praticamente imbatível: o BNDES.

A redução do tamanho do banco público aconteceu em um momento de redução da taxa de juros, o que ajudou a fomentar a demanda na ponta do investidor.

Ao emprestar menos, os bancos também diminuíram a captação de recursos com a emissão de seus papéis, como certificados de depósito bancário (CDB) e letras de crédito imobiliário (LCI) e do agronegócio (LCA). Esse movimento levou os investidores a buscarem outras alternativas na renda fixa.

Atenção para os fundos

Além das debêntures, outro aspecto que chama a atenção é o fato de que o número de investidores pessoas física que fizeram a subscrição de ações diminuiu entre janeiro e junho do ano passado e o mesmo período deste ano.

Em compensação, a participação entre os fundos de investimento na compra de ações teve um crescimento significativo e passou de 26,6% para 50% durante janeiro e junho deste ano.

Na visão da Anbima, a alta se deve à procura dos investidores por diversificação e retornos mais altos nos fundos, especialmente de ações e multimercados. Com isso, os gestores foram estimulados a buscar cada vez mais esses papéis.

Os bons resultados das ofertas de ações se refletiram no balanço do ano. No primeiro semestre, as empresas brasileiras movimentaram R$ 212,6 bilhões no mercado de capitais (incluindo operações locais e internacionais), o que representa alta de 23% em relação ao mesmo período do ano passado, quando o volume chegou a R$ 172,6 bilhões.

Investidores estrangeiros

A fatia ocupada pelos investidores estrangeiros nas ofertas de ações ficou em 41%. Entre os meses de janeiro e junho do ano passado, a participação tinha sido de 63,7%.

Já no acumulado do ano passado, a fatia de estrangeiros foi de 63,3%, enquanto os investidores institucionais locais corresponderam a 27,9%. O ano em que os investidores estrangeiros detiveram o maior percentual dos volumes de ofertas de ações foi em 2015, com 67,3%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

Como se preparar para a nova Era do Empreendedorismo

Quando as coisas mudam tão drasticamente quanto nos últimos meses, pode ser difícil perceber, mas esses momentos criam as maiores oportunidades.

Dados atualizados

Mortes por coronavírus no Brasil vão a 34.973; infectados são 643.766

Na quinta-feira, havia 34.021 mortes registradas, segundo o Ministério da Saúde. O balanço diário totalizava 614.941 infectados

Números da pandemia

‘Acabou matéria no Jornal Nacional’, diz Bolsonaro sobre atraso em dados do coronavírus

Questionado sobre o terceiro dia com atraso seguido na divulgação de mortos e infectados pela covid-19 pelo Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta sexta-feira, 5, que “acabou matéria no Jornal Nacional”, telejornal da TV Globo

seu dinheiro na sua noite

A crise do coronavírus vai ser uma marolinha?

Em 2008, ao ser questionado sobre a crise financeira, o ex-presidente Lula disse que o tsunami sobre a economia global chegaria ao Brasil como uma “marolinha”. O resultado você e eu conhecemos. Pois bem, com a rápida recuperação dos mercados nas últimas semanas já vejo muita gente resgatar a tese da marolinha. Na nova versão, […]

Marcelo Guaranys

Ninguém voltará para fila do Bolsa Família após fim do auxílio emergencial, diz secretário

Depois de o governo transferir quase R$ 84 milhões do Bolsa Família para publicidade institucional, secretários do Ministério da Economia disseram que o programa está com a fila zerada

Isso é que é alívio

Dólar despenca 6,52% na semana e fica abaixo de R$ 5,00; Ibovespa dispara mais de 8%

O dólar à vista terminou a semana a R$ 4,99, indo ao menor nível desde 26 de março, enquanto o Ibovespa cravou a sexta alta seguida e voltou ao patamar de 94 mil pontos. Entenda o que motivou toda essa onda de otimismo nos mercados

Secretário especial da fazenda

Bolsa Família não foi prejudicado com transferência de recurso à Secom, diz Waldery

Ele lembrou que o governo decidiu prorrogar o auxílio emergencial por duas parcelas “em princípio” e que, depois da medida provisória que previa o pagamento permanente do 13º para o Bolsa Família caducar, o governo analisará o espaço orçamentário para esse medida neste ano

Efeito coronavírus

Varejo de SP tem perdas de R$ 16 bilhões durante quarentena, diz Fecomercio

O cálculo é da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), levando em consideração 72 dias de quarentena até ontem

Menos frequência, mais gasto

Redes de supermercados e atacarejos faturam 12,5% a mais em maio

Os dados são de um levantamento da GS Ciência do Consumo, empresa de inteligência analítica e soluções de tecnologia para indústria e varejo

YDUQ3 salta 10% na bolsa

BTG mantém-se neutro sobre Yduqs, mas vê ‘gatilho valioso’ após aquisição de R$ 120 milhões

Yduqs salta mais de 10% no Ibovespa; para BTG, o fraco ímpeto de lucros da companhia e a falta de catalisadores ainda justificam a cautela na recomendação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements