Menu
2019-12-02T08:00:55-03:00
Fique de olho

Fundos cambiais são opção para proteção contra variação do dólar

Daqui para a frente, o que o investidor pode fazer é aplicar, aos poucos, parte da carteira para se defender da variação da moeda

2 de dezembro de 2019
8:00
dólar
Imagem: Shutterstock

O dólar foi o ativo que mais se valorizou no mês de novembro, com alta de 5,73% até o dia 28, segundo análise do administrador de investimentos Fábio Colombo. No entanto, tentar ganhar dinheiro prevendo os próximos passos do câmbio não é o caminho indicado pelos especialistas. Daqui para a frente, o que o investidor pode fazer é aplicar, aos poucos, parte da carteira para se defender da variação da moeda. Para isso, os fundos cambiais - já não tão populares - podem ser uma saída, além de uma opção para garantir a reserva de dinheiro de uma viagem sem o risco de deixar a quantia em casa. O foco nessa estratégia, porém, é a proteção da carteira e não o aumento dos rendimentos.

A desvalorização do real tem efeito sobre muitos investimentos, inclusive a renda fixa. A reação dos títulos do Tesouro prefixados ou atrelados à inflação se manifesta na marcação a mercado - valor do título caso ele seja vendido antes do prazo. "Nos títulos prefixados, a marcação a mercado caiu, em razão de uma mudança na expectativa de juros futuros, por decorrência do câmbio. Alguns fundos multimercados também sentiram essa mudança", diz o gestor da Guide Investimentos Leonardo Uram.

Isso acontece porque o mercado prevê a possibilidade de que, com o dólar mais alto, no médio prazo, os preços da economia sejam puxados por produtos que tenham artigos importados em sua cadeia produtiva. Caso isso venha a acontecer, o Banco Central teria de reduzir os cortes de juros, para impedir o aumento da inflação. Essas suposições, e um contexto internacional ainda conturbado, levaram a pequenas alterações na curva de juros futuros, o que desvaloriza momentaneamente os títulos prefixados e frustra a estratégia de alguns fundos. Uram pontua que esse efeito é passageiro, e, assim, vale a pena carregar os títulos por mais tempo na carteira, além de focar resultados dos fundos no médio prazo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

É justamente para se prevenir desses efeitos, e de outros - como perdas em ações de empresas que são afetadas pela alta do dólar - que estabelecer uma estratégia de isolamento da carteira do câmbio pode ser interessante. "Os fundos cambiais funcionam como proteção, não como um investimento rentável", diz Gilberto Kfouri, responsável por renda fixa e multimercados da BNP Paribas Asset Management. O gestor ressalta que, nesse ativo, se houver rendimentos, ainda é descontado o Imposto de Renda. "Esse tipo de ativo já é parte de uma estratégia mais diversificada", diz.

Esse ativo ainda pode ser uma medida de segurança para quem planeja viajar e não quer se arriscar a manter a moeda comprada em casa. "Nesse patamar de dólar mais caro, vai fazer sentido o investidor menor, que não pode alcançar carteiras de ações de fora do país, alocar pouco a pouco uma porcentagem maior em fundos cambiais. Assim, caso haja mais desvalorização, ele fica protegido. E se o real voltar a se fortalecer, o restante da sua alocação em ativos domésticos superara a queda do dólar", explica José Lucio Nascimento, sócio da BTG Pactual Asset Management.

É verdade, porém, que os fundos cambiais já não estão em seu melhor momento. Outubro foi o primeiro mês, desde março deste ano com resultado positivo no patrimônio líquido (o saldo de aportes e saídas) dessa classe de investimentos. Com R$ 188 milhões de resultado no mês, esse período foi também o melhor desde junho do ano passado, quando as entradas e saídas ficaram positivas em mais de R$ 1 bilhão.

Para Fábio Macedo, gerente comercial da corretora Easynvest, esse menor interesse em fundos cambiais é uma consequência da inflação mais controlada, taxa de juros mais baixa e maior conhecimento dos investidores, que já não se sentem tão inseguros a ponto de desejar ter maior quantidade do seu patrimônio em dólar.

Menos indicados pelos especialistas, mas muito negociados na Bolsa, os minicontratos futuros de dólar são outra opção para os investidores que desejam comprar a moeda. Em outubro deste ano foram negociados mais de R$ 1,2 trilhão, no tipo de contrato que mais atende às pessoas físicas (WDO - futuro de dólar mini). Ainda assim, o mínimo é de R$ 10 mil e, segundo o coordenador do centro de estudos em finanças da FGV Eaesp, William Eid Jr., é difícil que o investidor consiga operar esse tipo de ativo. "Há uma miopia que toma conta do investidor quando ele olha a valorização de um ativo nos últimos meses", diz Eid. "Geralmente, o investidor pessoa física chega atrasado e não capta as altas. Porque ele se move pelo fluxo e não pelo fundamento", complementa Dennis Kac, sócio da Brainvest.

Mais possibilidades

Para quem já tem um patrimônio maior e consegue respaldo profissional para fazer remessas ao exterior, investir em dívidas emitidas em dólar é uma saída de diversificação e proteção, diz Eid. Ele explica que, assim, o investidor consegue rendimentos melhores, capta a valorização da moeda americana - se houver - e cultiva uma parte do seu patrimônio isolada da variação do real. Além disso, para quem está um passo antes desse patamar de investimentos, fundos de ações em empresas estrangeiras podem ser uma maneira de manter uma porcentagem de suas aplicações longe de sustos com o real, avalia Gilberto Kfouri, da BNP Asset. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

DE OLHO NA TECNOLOGIA

Toyota investe US$ 394 milhões em companhia de táxi aéreo elétrico, Joby Aviation

Parecida a um drone, a aeronave tem capacidade para quatro passageiros mais o piloto, possui seis hélices, um alcance de 150 milhas (aproximadamente 240 km) e pode voar até 200 milhas por hora (cerca de 320 km/h)

POLÍTICA

Em Davos, Doria se ‘afasta’ de Bolsonaro

Nesses 12 meses de intervalo, o clima entre os dois não apenas esfriou como houve troca de farpas tendo como pano de fundo o cenário político de 2022

EMPREGO

Em 1º ano, Bolsonaro gera mais vagas que Temer, mas fica atrás de Lula e Dilma

Com a economia ganhando tração a partir do segundo semestre do ano passado, o Caged registrou saldo positivo de 644.079 vagas com carteira assinada em 2019

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

Ter um emprego versus empreender

Veja como avaliar se é melhor ter um próprio negócio, ser autônomo ou arrumar um emprego.

EMPREGOS

Para gerar 1 milhão de empregos, economia tem de crescer 3%, diz secretário

O secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo, evitou nesta sexta-feira, 24, fazer uma previsão oficial para a geração de empregos com carteira assinada em 2020, mas disse acreditar em até 1 milhão de novos postos de trabalho neste ano, caso o Produto Interno Bruto (PIB) tenha uma alta próxima de 3% até […]

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O que será que será da Selic?

A taxa básica de juros (Selic) vai continuar em queda? Quando fiz essa pergunta recentemente a um gestor de fundos, ele me devolveu com outra pergunta: – Você quer que eu responda o que o Banco Central deveria fazer ou o que ele vai fazer? Pode parecer uma diferença sutil, mas o mercado encontra-se atualmente […]

Dólar teve alta

Tensão com o coronavírus freia os mercados e faz o Ibovespa ficar no zero a zero na semana

O coronavírus trouxe cautela aos mercados, mas não desencadeou uma onda de pessimismo. Como resultado, o Ibovespa ficou praticamente zerado na semana — a nova doença neutralizou o otimismo estrutural visto na bolsa nos últimos dias

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: Já pensou em conquistar sua independência financeira?

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

de olho na inflação

BC está confortável com inflação após choque de proteína, diz Campos Neto

“Há um gap de política monetária que a gente tenta comunicar. É importante, porque parte do que foi feito não está totalmente dissipado”, afirmou em seguida

MAIS ESCLARECIMENTOS

BNDES atual pôs R$ 15 milhões a mais em auditoria

O reajuste de 25% aconteceu por meio de um aditivo contratual, publicado no dia 25 de outubro de 2019, e aumentou de US$ 14 milhões para US$ 17,5 milhões o contrato da Cleary Gottlieb Steen & Hamilton, escritório contratado para realizar os serviços de auditoria

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements