Menu
2019-09-20T06:35:53-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Tudo o que vai mexer com a bolsa hoje

Retomada do apetite por risco marca a sexta-feira

Alívio monetário e arrefecimento da guerra comercial alimentam otimismo entre investidores

20 de setembro de 2019
6:33 - atualizado às 6:35
selo bula do mercado
Imagem: Seu Dinheiro

Os ativos financeiros globais iniciam o último dia de negócios da semana impulsionados pela retomada do apetite por risco depois de uma série de medidas de alívio monetário anunciadas ou prometidas por diferentes bancos centrais ao redor do mundo no decorrer da última semana.

Hoje foi a vez de a autoridade monetária chinesa reduzir uma de suas taxas de juro de curto prazo, conforme o esperado por especialistas.

Em um dia marcado pela ausência de indicadores econômicos relevantes a serem divulgados, o retorno dos Estados Unidos e da China à mesa de negociações ajuda a alimentar o otimismo entre os investidores.

Os mercados de ações da Ásia fecharam quase todos em alta. Na Europa, as principais bolsas de valores abriram no azul enquanto os índices futuros de Nova York sinalizavam para uma valorização dos ativos negociados em Wall Street.

Reunião para marcar reunião?

A primeira reunião entre norte-americanos e chineses em quase dois meses para lidar com a guerra comercial entre os dois países é uma notícia bem-vinda. Delegações de médio escalão das duas potências retomaram ontem os contatos oficiais e seguirão reunidas hoje em Washington.

Produção agrícola, propriedade intelectual e transferência forçada de tecnologia figuram entre os principais assuntos em pauta. A ideia do encontro é buscar consensos que viabilizem uma reunião de alto nível no mês que vem.

Entretanto, não demorou para aparecer um conselheiro da Casa Branca para “avisar” que os EUA poderiam elevar as tarifas sobre bens e produtos chineses para 50% “ou até mesmo 100%” se um acordo não for alcançado em breve.

A ver se a retomada dos contatos bilaterais trará avanços ou não passará de uma reunião para marcar outra reunião.

Apostas na Selic recalibradas

O corte de meio ponto porcentual na taxa Selic pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BCB), anunciado na quarta-feira, levou agentes dos mercados financeiros a recalibrarem suas apostas para os próximos episódios da descida da taxa de juro de referência a seu piso histórico.

A Selic encontra-se atualmente em 5,50% ao ano. Até a reunião de quarta-feira, a maioria das casas apostava que a Selic encerraria o ano a 5,00%. Mas a ação no juro e a sinalização do Copom de que mais cortes vêm por aí levaram diversos bancos a passarem a enxergar o fim do ciclo no começo de 2020 em algum ponto entre 4,25% e 4,75% ao ano.

E enquanto os contratos de juros futuros tendem a acompanhar o reposicionamento dos investidores em relação à Selic, o Ibovespa deve iniciar a sessão beneficiado pelo otimismo em torno da guerra comercial enquanto investidores aguardam um anúncio sobre o descontingenciamento de verbas pelo governo federal.

No mercado de câmbio, o apetite por risco pode levar a uma recuperação do real ante o dólar depois de uma disparada da moeda norte-americana no fim da sessão de ontem em meio a uma fuga de investidores estrangeiros na busca por retornos mais altos, justamente por causa da sinalização do Copom em relação aos próximos passos da política monetária brasileira.

Greve Global pelo Clima

Também é bom prestar atenção aos protestos convocados por estudantes de todos os cantos do mundo para esta sexta-feira com o objetivo de chamar a atenção para uma ação mais enfática de líderes políticos e empresariais no combate às mudanças climáticas às vésperas da Assembleia Geral da ONU.

A chamada Greve Global pelo Clima resultou mais cedo em manifestações em mais de 100 cidades apenas na Austrália. Há eventos programados para hoje em mais de 800 cidades dos EUA, 400 na Alemanha e 50 no Brasil.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

novos rumos

Com Biden, meio ambiente entra no foco de comércio entre Brasil e Estados Unidos

Exportadores brasileiros passam a ter outro motivo de apreensão a partir de hoje, com a chegada de Joe Biden à Casa Branca

simplificação

Governo federal lança sistema para simplificar a abertura de empresas

Segundo o Ministério da Economia, empreendedores podem abrir empresas em apenas um dia e sem necessidade de percorrer vários órgãos públicos

fim da barreira

China autoriza retomada da exportação de carne de duas unidades da JBS

Com isso, todas as restrições impostas à exportação da JBS para a China ao longo de 2020 foram levantadas e a companhia volta a ter 25 unidades aptas a exportar para o país asiático

DESTAQUES DA BOLSA

Ações ligadas ao e-commerce sobem com “efeito Netflix” e entusiasmo por Biden

Desempenho positivo da Netflix puxa Nasdaq e reflete nas empresas da “nova economia” listadas na bolsa brasileira

entrevista

Fusão entre Fiat e Peugeot tem objetivo de evitar o fechamento de fábricas, diz presidente da Stellantis

Operação reuniu 14 marcas sob uma única organização, com vendas de cerca de 8 milhões de unidades e faturamento (antes de sinergias) de € 167 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies