Menu
2019-12-05T17:14:58-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Mais recordes

Ibovespa sobe e busca mais recordes, impulsionado pela Petrobras; dólar cai a R$ 4,18

Aproveitando o tom positivo no exterior, o Ibovespa opera em ligeira alta nesta quinta-feira e busca novos recordes

5 de dezembro de 2019
10:33 - atualizado às 17:14
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa até começou o pregão desta quinta-feira (5) com um leve viés negativo, dando pinta de que os investidores optariam por embolsar parte dos lucros recentes. Mas, em meio ao bom desempenho das ações da Petrobras, o índice brasileiro ganhou força e virou para alta, buscando novos recordes.

Por volta de 17h05, o Ibovespa avançava 0,33%, aos 110.660,42 pontos — na máxima do dia, chegou aos 111.072,80 pontos (+0,70%), um novo recorde intradiário. Com isso, o índice descola das bolsas americanas: o Dow Jones (+0,07%), o S&P 500 (+0,12%) e o Nasdaq (+0,01%) ficam perto da estabilidade.

O dólar à vista fez um caminho parecido com o do Ibovespa: no início do dia, a moeda americana chegou a subir 0,50%, a R$ 4,2235, mas, ao fim da sessão, estava cotado a R$ 4,1882, em baixa de 0,34%. O real, assim, juntou-se às demais divisas de países emergentes, que também se valorizaram nesta quinta-feira.

Em linhas gerais, o pano de fundo para os mercados continua o mesmo dos últimos dias: lá fora, há certo "otimismo cauteloso" em relação às negociações comerciais entre Estados Unidos e China; aqui dentro, segue a perspectiva de recuperação da economia do Brasil, após os dados animadores do PIB no terceiro trimestre e da produção industrial em outubro.

Lá fora, autoridades de Pequim disseram que as conversas entre as potências continuam em andamento, apesar dos recentes atritos entre os países nos assuntos ligados aos protestos sociais em Hong Kong.

Essa sinalização traz algum sentimento positivo aos agentes financeiros, mas o front da guerra comercial ainda inspira cuidados. Afinal, os Estados Unidos começarão a implantar uma nova rodada de tarifas às importações da China no próximo dia 15 — e, ao menos por enquanto, não há avanços concretos nas negociações para barrar essas sobretaxas.

Nesse cenário, as bolsas americanas exibem um ligeiro viés negativo, com os investidores evitando se expor a riscos desnecessários, apesar da indicação animadora do governo chinês. Por aqui, contudo, há fatores domésticos que ajudam a dar forças ao Ibovespa.

Otimismo com a Petrobras

Um dos motores por trás da nova sessão de ganhos do Ibovespa é o bom desempenho dos papéis da Petrobras: no momento, as ações PN da estatal (PETR4) sobem 1,72%, enquanto as ONs (PETR3) têm ganho de 1,88%.

Ontem, a companhia realizou um evento dedicado a analistas e investidores nos Estados Unidos, transmitindo uma mensagem positiva acerca do futuro. Casas como o BTG Pactual e o Credit Suisse mostraram-se otimistas quanto às perspectivas para a estatal, o que dá forças aos papéis da companhia.

Além disso, o petróleo não cedeu a um movimento de realização de lucros, mesmo após os ganhos expressivos da sessão passada. O WTI com vencimento em janeiro ficou estável, enquanto o Brent para fevereiro subiu 0,61%.

Vale lembrar que a reunião semanal da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados — grupo conhecido como Opep+ — está em andamento, e há a expectativa quanto a um anúncio de manutenção no corte de produção da commodity, o que elevaria os preços do produto.

Bancos avançam

O clima de otimismo em relação à economia doméstica também dá forças às ações do setor bancário. Bradesco ON (BBDC3) lidera o grupo, com alta de 0,56%, enquanto Bradesco PN (BBDC4) sobe 0,17%, Itaú Unibanco PN (ITUB4) avança 0,19% e as units do Santander Brasil (SANB11) têm ganho de 0,64% — a exceção é Banco do Brasil ON (BBAS3), em baixa de 1,28%.

Top 5

Confira as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa no momento:

  • Cielo ON (CIEL3): +4,82%
  • Bradespar PN (BRAP4): +3,1%
  • Weg ON (WEGE3): +2,61%
  • Petrobras ON (PETR3): +2,00%
  • BB Seguridade ON (BBSE3): +1,99%

Veja também as cinco maiores quedas do índice:

  • Ultrapar ON (UGPA3): -2,35%
  • Banco do Brasil ON (BBAS3): -1,45%
  • Ecorodovias ON (ECOR3): -1,43%
  • Raia Drogasil ON (RADL3): -1,41%
  • MRV ON (MRVE3): -1,34%

Dólar vira para queda

O dólar à vista iniciou o dia sob pressão e chegou a tocar o nível de R$ 4,22 na máxima do dia, em meio ao cenário estrutural para a moeda: diferencial de juros em queda, menor apelo do carry trade e remessas mais volumosas de divisas ao exterior — um fator comum no encerramento do ano.

Mas, segundo o operador de câmbio da corretora Correparti, Ricardo Gomes Filho, esse patamar mais elevado da divisa provocou um movimento de venda no mercado futuro — o que, consequentemente, puxou a cotação da moeda para baixo no segmento à vista.

"É uma faixa de flutuação absolutamente normal", diz Gomes Filho, referindo-se ao intervalo entre R$ 4,18 e R$ 4,22. "Não há nenhum fator macroeconômico mais relevante, tudo segue sob controle".

O operador da Correparti ainda lembra que, no fim de ano, o volume de negociações do mercado de câmbio tende a cair bastante, o que deixa as operações mais sujeitas à volatilidade. Ele ainda ressalta que, ao mudar de tendência, o real ficou em linha com os pares no exterior, que também se valorizaram em relação ao dólar.

Divisas como o peso mexicano, o rublo russo, o peso chileno, o rand sul-africano e o peso colombiano, entre outras, ganharam terreno pelo segundo dia seguido. E mesmo as moedas fortes também conseguiram passar por uma onda de alívio: o índice DXY, que mede o desempenho do dólar ante uma cesta com as principais divisas do mundo, caiu 0,23%.

"O investidor sai da proteção, da segurança, e se expõe mais ao risco. O ambiente externo está melhor, em meio às negociações EUA-China", diz Gomes Filho. "Não tem nenhum vento ruim lá fora, e, por aqui, o ambiente também é bom".

Juros em alta

As curvas de juros não acompanharam o alívio do dólar nesta tarde e fecharam em leve alta. Veja como ficaram os principais DIs nesta quinta-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,67% para 4,70%;
  • Janeiro/2023: de 5,82% para 5,85%;
  • Janeiro/2025: de 6,42% para 6,44%;
  • Janeiro/2027: de 6,73% para 6,77%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

plano do ipo

Espaçolaser compra lojas franqueadas em GO e PR por R$ 35,6 milhões

Rede de depilação já detinha opção de compra; no início do mês, companhia anunciou aquisição de outras 18 lojas

FECHAMENTO

Bolsa, dólar e juros terminam o dia no vermelho com repercussão do Orçamento e novo plano Biden

Plano de Biden de aumentar impostos não agradou o mercado e a perspectiva de nova injeção de estímulos puxou para baixo o dólar. Já os juros futuros recuaram de olho na sanção do Orçamento

dança das cadeiras

Carrefour muda alto escalão, em processo de integração com Grupo BIG

Sébastien Durchon deixa o cargo de vice-presidente de finanças e de relações com investidores; executivo ficará à frente do processo de integração com a companhia adquirida

Concorrência pesa

Lucro líquido da Intel despenca 41% no 1º trimestre

Apesar do resultado negativo, a receita da companhia caiu apenas 1% na comparação com os primeiros três meses do ano passado

Milionários na mira

Biden quer dobrar impostos sobre ganhos de capital dos mais ricos para financiar educação infantil

O presidente dos EUA aposta no aumento das taxas para investidores que ganham acima de US$ 1 milhão para financiar sua nova proposta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies