💸 Você pode receber R$ 120 para investir; veja como solicitar o depósito aqui

Cotações por TradingView
2019-05-21T12:24:14-03:00
Estadão Conteúdo
As queixas continuam...

Situação só piorou, dizem caminhoneiros um ano após greve que paralisou o país

Protestos foram iniciados por caminhoneiros autônomos por causa da escalada do preço do óleo diesel, cuja política da Petrobras previa aumentos semanais

21 de maio de 2019
12:13 - atualizado às 12:24
Greve dos caminhoneiros
Imagem: Douglas Magno/Estadão Conteúdo

Há um ano, os caminhoneiros iniciavam uma greve histórica que paralisou o Brasil por dez dias e provocou o desabastecimento da população. Faltou combustível nos postos e vários produtos sumiram das prateleiras dos supermercados. O resultado foi uma redução de quase R$ 48 bilhões no Produto Interno Bruto (PIB) de 2018, uma ruptura na confiança e alta da inflação no período.

Os protestos foram iniciados por caminhoneiros autônomos por causa da escalada do preço do óleo diesel, cuja política da Petrobras previa aumentos semanais. De abril para maio de 2018, o preço médio do litro subiu cerca de R$ 0,20 e alcançou R$ 3,62 - o que desencadeou uma sequência de bloqueios nas estradas de todo o País. A resposta do governo veio em forma de subsídio de até R$ 0,46 por litro do combustível e a criação da tabela do frete.

Um ano depois, no entanto, as queixas dos caminhoneiros continuam latentes. Para eles, a situação piorou. Após o fim do subsídio em dezembro, o diesel voltou a subir e, na semana passada, já havia superado o preço médio de maio de 2018. A tabela do preço mínimo do frete também não funciona adequadamente. E, para piorar o quadro, o fraco desempenho da economia tem diminuído o volume de carga para transportar.

Nos próximos dias, o jornal O Estado de S. Paulo trará reportagens mostrando a dependência do País do transporte rodoviário, a busca por alternativas, como a cabotagem, e a rotina dos motoristas nas estradas.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: O oráculo da noite

30 de novembro de 2022 - 20:50

Com juros referenciais de 13%, conservamos esperanças sobre algum tipo de horizonte possível. Já acima dos 15%, o ar fica extremamente rarefeito, comprometendo as condições básicas de sobrevivência.

DESINVESTIU

Petrobras (PETR4) conclui a venda da Reman, a Refinaria de Manaus, para a Atem — veja quanto entrou nos cofres da estatal

30 de novembro de 2022 - 20:30

Segundo a petroleira, o contrato ainda prevê um ajuste final do preço de aquisição, que será apurado nos próximos meses

CARTÃO VERMELHO!

CVM suspende oferta de investimentos em criptoativos da BlueBenx; entenda o motivo da decisão

30 de novembro de 2022 - 20:11

Em caso de descumprimento da determinação da autarquia, a multa diária para a empresa e os sócios é de R$ 100 mil

Balanço do mês

Ouro, pós-fixados, dólar e poupança foram os únicos investimentos positivos em novembro; veja o ranking completo

30 de novembro de 2022 - 19:40

PEC da Transição provocou maré vermelha entre os ativos brasileiros; bitcoin sofreu com a quebra da FTX

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Powell faz Nasdaq disparar, lei de criptomoedas é aprovada e Casino embolsa mais de R$ 2 bilhões; confira os destaques do dia

30 de novembro de 2022 - 19:33

Apesar do silêncio quase que total do presidente Jair Bolsonaro após a sua derrota nas urnas, o cenário político continuou exercendo pressão negativa na B3 ao longo de novembro.  Dessa vez, a origem dos ruídos deixou de ser o Palácio do Planalto para residir no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), também em Brasília, sede […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies