Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-12-05T16:55:51-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Gestoras

Dahlia Capital segue comprada em bolsa e dólar para 2020 e caça fantasmas no mercado

Em sua última carta de gestão do ano, gestora comenta sobre os fantasmas que voltaram a assombrar o mercado e diz que estrangeiro não deve vir

5 de dezembro de 2019
11:01 - atualizado às 16:55
fantasma caça-fantasma
Imagem: Shutterstock

A Dahlia Capital reafirma seu otimismo com os ativos brasileiros e diz que seu cenário para 2020 é de bolsa e dólar em alta e juros em queda. O investidor estrangeiro não deve vir mesmo.

O tema de sua última carta de gestão de 2019 deriva do filme “Os Caça-Fantasmas” e no site da gestora o investidor é convidado a ler o texto ao som da trilha sonora do filme. Os fantasmas a que a gestora se refere são, entre outros, a volta da inflação no Brasil e da esquerda na América Latina.

“Muitos medos são criados pelos alarmistas de plantão e poucos são, de fato, concretizados. Mas cabe a nós, gestores de recursos, avaliar o quanto desses riscos já está refletido nos preços dos ativos que podemos investir”, diz a gestora.

Os fantasmas brasileiros

O movimento que mais chamou a atenção do mercado em novembro foi a alta de 5,5% do dólar para R$ 4,24. “Nossos leitores já conhecem nossa visão de que a tendência do dólar é para cima e ainda mantemos nossa posição comprada na moeda americana”, escreve a gestora antes de apresentar três motivos para essa percepção (bem conhecidos dos nossos leitores):

  • Mudança de política econômica: desde 2016, o governo está promovendo um grande ajuste fiscal na economia (gasta menos). Como as políticas fiscais e monetárias deveriam andar juntas, isso permite que o Banco Central corte estruturalmente os juros.
  • Fim da exportação de juros: o principal produto de exportação do Brasil nunca foi minério de ferro e nem soja, mas sim juro real (juro nominal menos inflação). Com a queda de juros, o capital internacional que vinha ao país para se beneficiar dessa distorção (carry trade, ou arbitragem) está agora buscando outros mercados.
  • Fluxo de capitais: nem renda fixa e nem a bolsa, por conta de prêmio, liquidez e composição, são suficientemente atraentes aos investidores estrangeiros. Esses investidores, de forma estruturada, dificilmente virão para cá.

A pergunta que surge é se com dólar alto o fantasma da inflação não voltaria a aparecer. Diversos vetores atuam sobre a formação de preços, como inércia e expectativas, mas o fato é que desde meados de 2017, o país entrou em uma forte tendência desinflacionária. “Este movimento, para um país que ainda mal saiu da maior recessão de sua história, ainda não parece ter se esgotado.”

O fantasma vermelho

Ao discutir a onda de protestos populares na América Latina, que se viu no Chile, Bolívia, Equador e Colômbia, a Dahlia avalia que os ativos brasileiros têm sofrido um certo contágio por conta disso e acredita que a soltura do ex-presidente Lula também contribuiu para o aumento da volatilidade por aqui.

Nesse ponto, a gestora volta a usar a referência do filme, lembrando que o “mostro de marshmallow” foi fruto da imaginação de um dos protagonistas para dizer que “medos são criados pelos alarmistas de plantão” e que a equipe não subestima os riscos desses movimentos populares na região. “Mas cabe a nós, gestores de recursos, avaliar o quanto já está refletido nos preços dos ativos.”

Sugerindo que muito já pode estar no preço, a gestora cita o peso chileno, que caiu para o menor valor da história ante o dólar, pior que nas crises de 2002, 2008 e 2015, mesmo com a possibilidade de uma recuperação cíclica global nos próximos meses.

Em tempo, desde o início em maio de 2018, o retorno acumulado do Dahlia Total Return FIC FIM foi de 45,4%, equivalente a 480% do CDI e 4,4% acima do Ibovespa, mas com um risco 52% inferior. Em novembro, a variação foi positiva em 2,11%.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

NOVATA NA FINAL

Não estranhe: patrocinadora da final entre Palmeiras e Flamengo é a nova corretora de criptomoedas do Brasil; conheça Crypto.bom

A exchange resolveu investir no segmento de esportes e patrocina Fórmula 1, NBA e até o campeonato europeu

Raio-X

Análise: Por que a alta da inflação pode ameaçar o pacote de infraestrutura de Joe Biden?

O presidente americano tem ambiciosos planos pela frente, mas a alta da inflação e gargalos estruturais da economia podem alterar o rumo

A SEMANA EM GRÁFICOS

Covid-19 pressiona aéreas, turismo, Ibovespa e bitcoin, mas inflação avança no mundo: entenda a última semana com estes gráficos

As companhias aéreas sofreram perdas significativas na bolsa esta semana e nem o bitcoin (BTC) conseguiu se salvar

O MELHOR DA SEMANA

Piora da covid no mundo e criptomoedas além do bitcoin (BTC): 5 assuntos mais lidos no Seu Dinheiro esta semana

O mercado já trabalhava amplamente com a visão do verdadeiro normal. Mas os mercados globais voltaram a entrar em pânico com a covid-19

PAPO CRIPTO #007

Tecnologia que criou o bitcoin (BTC) pode reduzir custo de captação de recursos em quase 70%, diz chefe de ativos digitais do BTG

“Empresas pequenas e médias têm menor possibilidade de acesso ao mercado de capitais, muito por causa dos custos envolvidos”, comenta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies