O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2019-06-03T11:30:06-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
pit-stop

Alckmin anuncia pausa e diz que governo atrapalha a reforma da Previdência

Ex-governador Geraldo Alckmin falou, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, que fará um “pit-stop” na carreira política; para ele, o Executivo atual não tem agenda

3 de junho de 2019
11:28 - atualizado às 11:30
Presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) posa para foto antes de debate do SBT
O ex-governador de São Paulo disse que "não tenho nada de pessoal contra ele [o presidente Jair Bolsonaro]", mas que vê o oportunismo de querer se estigmatizar as instituições. - Imagem: Marcelo Chello/Seu Dinheiro

Derrotado nas eleições presidenciais ainda no primeiro turno, o ex-governador Geraldo Alckmin anunciou que fará um "pit-stop" na carreira política. O tucano falou ao jornal Folha de S. Paulo, em entrevista publicada nesta segunda-feira, 3.

Alckmin ainda disse que o governo indiretamente atrapalha a reforma da Previdência. Para ele, o Executivo não tem agenda, a não ser voltar com a CPMF. "Temos 13,2 milhões de desempregados, cadê a agenda de produtividade? [...] Cadê a reforma tributária, fiscal?", disse ao jornal em determinado trecho da entrevista.

O ex-governador de São Paulo disse que "não tenho nada de pessoal contra ele [o presidente Jair Bolsonaro]", mas que vê o oportunismo de querer se estigmatizar as instituições. Para ele, a democracia brasileira já deu provas de muita resistência.

"A melhor forma de fortalecê-la é com reformas, e a reforma política é parte importante", disse o político, que defende o sistema distrital misto. "E, no futuro, o parlamentarismo".

Mas, para ele o parlamentarismo não é uma opção enquanto não for feita a reforma política. "A sorte é que o [Rodrigo] Maia [presidente da Câmara] defende as reformas", falou.

Bens bloqueados

Alckmin foi também questionado pela reportagem sobre seus bens, que foram bloqueados por decisão da Justiça, em investigação sobre repasses não declarados da Odebrecht para a campanha de 2014.

Ele falou que isso é natural da vida pública e que "às vezes, há, num primeiro momento, sentimento de injustiça, e para isso existe o Judiciário, para corrigir".

Apesar disso, afirmou que não existe cabimento de entrar com ação de improbidade. "Fui prefeito aos 24 anos. Hoje tenho 66, um apartamento de dois quartos e um sítio de cinco alqueires em Pindamonhangaba. Mais nada", disse ao jornal.

Ele lembrou que abriou mão da aposentadoria especial e disse que vive de R$ 5.000 do INSS. "Se há um cuidado que eu sempre tive é o ético. Agora, pode ter questionamento? Pode. É explicar".

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

PORTFÓLIO DE BILHÕES

Aposta contra a Apple (AAPL34)? Veja as mudanças que Warren Buffett, Michael Burry e investidores de elite fizeram nas carteiras

Esses pesos-pesados do mercado financeiros tomaram decisões surpreendentes no primeiro trimestre; confira as mudanças mais significativas que eles fizeram no período

DO BRASIL PRO MUNDO

Guedes tem encontro com Escobari, da General Atlantic, e vai a jantar do BTG; confira a agenda do ministro em Davos

O banqueiro André Esteves, que em abril voltou ao comando do conselho do BTG Pactual, está participando do evento na Suíça

UMA TECH ATRAENTE

É hora da Locaweb? Saiba por que o Deutsche Bank vê ponto de entrada para as ações LWSA3

Banco alemão atualizou a recomendação para a empresa de neutra para compra e vê potencial de valorização de mais de 50% para os papéis

O QUE VEM POR AÍ

Ata do Fed e IPCA-15: confira a agenda de indicadores da semana aqui e lá fora

Nos Estados Unidos, a segunda prévia do PIB no primeiro trimestre também é destaque; na Europa, o PIB da Alemanha é o principal dado

CAMINHO DO MEIO

Menor rejeição e apoio interno no MDB dão vantagem a Simone Tebet; veja os rumos da senadora da terceira via

Maior desafio, segundo marqueteiros, é torná-la popular: 46% do eleitorado desconhece Simone Tebet, segundo pesquisas recentes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies