2019-04-02T15:43:43-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Em tempos de juro baixo

Fundos de pensão terão de aumentar em quatro vezes investimento em ativos de maior risco

Afirmação é de Jorge Simino, diretor de investimentos da Funcesp, fundação dos funcionários da Cesp, que administra R$ 26,5 bilhões em recursos

2 de abril de 2019
15:43
Com juro baixo, fundações terão de correr mais riscos para cumprirem meta atuarial - Imagem: Pomb/Seu Dinheiro

No admirável mundo novo dos juros baixos no Brasil, os fundos de pensão terão de aumentar em até quatro vezes a parcela de investimentos com maior risco para se manterem dentro das metas atuariais. A afirmação é de Jorge Simino, diretor de investimentos da Funcesp.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Com os títulos públicos pagando hoje ao redor de 4% ao ano além da inflação, os fundos precisarão deter até 20% do patrimônio em uma cesta de ativos como ações, títulos privados e aplicações no exterior.

Com R$ 26,5 bilhões em patrimônio administrado, a fundação dos funcionários da ex-estatal de energia Cesp possui hoje por volta de 15% alocado em ações, mas já chegou a ter 18%.

"Como o ano já demonstrou que deve ser uma montanha russa, não se justifica ter 20% em renda variável", disse Simino, que participa de evento promovido pelo Bradesco BBI, em São Paulo, e em uma referência às incertezas sobre o andamento da reforma da Previdência.

Poucas ações

O aumento da participação dos fundos de pensão em ativos de risco esbarra em outros problemas, como o tamanho do mercado brasileiro.

"Existem 110 papéis pra comprar hoje", afirmou, em uma referência à quantidade de empresas listadas na B3 que possuem liquidez.

Nesse cenário, será inevitável para as fundações investir uma parcela dos recursos no exterior, segundo Simino. As regras permitem aos fundos de pensão aplicarem no exterior há uma década, mas só recentemente alguns entraves que dificultavam a alocação.

Nesse meio tempo, os fundos perderam o maior ciclo de alta dos mercados internacionais. "É como se tivéssemos chegado em uma festa às 4h30 da manhã", diz o diretor da Funcesp.

Risco concentrado

Com R$ 67 bilhões em ativos, a Funcef, fundo de pensão dos funcionários da Caixa Econômica Federal, já tem na carteira uma alocação maior em ativos de risco.

O problema da fundação é outro, segundo Paulo Werneck, diretor de investimentos da Funcef. "Temos 12,5% do patrimônio alocado em uma única empresa de mineração", afirmou, em referência à Vale.

Werneck criticou o uso político dos recursos e disse que a função dos administradores dos fundo de pensão não é sentar no conselho de empresas ou fazer investimentos diretos, e sim selecionar gestores profissionais que façam esse trabalho.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

POBRES RICASSOS RUSSOS

Sanções contra Putin já bloquearam US$ 30 bilhões das fortunas dos maiores bilionários da Rússia — mas não é só isso

Em 100 dias, a força-tarefa global REPO congelou em torno de US$ 300 bilhões em ativos do banco central russo

QUEDA DAS COMMODITIES

Dieta dos carboidratos: XP inicia cobertura de Camil (CAML3) e M. Dias Branco (MDIA3) — saiba qual a preferida

Com a baixa nos preços das commodities, a XP inicia a cobertura de empresas no segmento de carboidratos; com recomendação diferentes para Camil e M. Dias Branco

CAOS EM CRIPTO

Coreia do Norte está por trás do ataque que roubou US$ 100 milhões da ponte do ethereum (ETH)? Entenda

Após o Lazarus ser considerado responsável pelo maior golpe hacker da história das criptomoedas na rede do Axie Infinity, empresas acusam o país asiático de ter financiado o ataque na plataforma Horizon

EXILE ON WALL STREET

O preferido nas eleições: Confira três dicas para se garantir na briga pela última vaga do G4

Por aqui, a Terceira Via perdeu o timing da candidatura, de modo que nos resta apenas mais do mesmo, seja com Lula ou com Bolsonaro

PENSANDO NO FUTURO

Plano de expansão? Entenda por que a Via (VIIA3) quer levantar até R$ 600 milhões com emissão de debêntures

Com o dinheiro, a Via (VIIA3) prevê pagar despesas relacionadas à abertura de novas lojas da rede, incluindo reformas e compra de imóveis