Menu
2019-10-09T16:20:30-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juros

Ata do Fed mostra maior preocupação com crescimento nos EUA

Documento também faz comentários sobre chance de recessão apontada por modelos estatísticos e inversão da curva de juros

9 de outubro de 2019
16:20
Fed banco central americano
Sede do Federal Reserve (Fed) - Imagem: Federal Reserve

A ata da reunião de 18 de setembro do Federal Reserve (Fed) mostra um banco central mais preocupado com o ritmo de crescimento da atividade nos Estados Unidos em comparação com as discussões de julho.

Entre os vetores de preocupação estão a guerra comercial, o Brexit e as tensões geopolíticas em Hong Kong e Oriente Médio. Esses eventos podem resultar em queda dos investimentos e no ritmo de contratação, trazendo consequências negativas sobre o consumo e a economia como um todo.

O documento também mostra que alguns participantes comentaram sobre os modelos de previsão e inversão da curva de juros mostrando um “aumento notável” na probabilidade de recessão nos próximos meses. Por outro lado, também foi destacada a dificuldade de se extrair os sinais corretos desses modelos de projeção.

Corte ou manutenção?

Nas discussões sobre política monetária, a maioria dos participantes achou apropriada a redução de 0,25 ponto percentual no juro, para o intervalo entre 1,75% e 2%. Mas sabemos que o placar não foi unânime, pois tivemos dois votos por manutenção e outro por corte de meio ponto.

Nessas discussões, a ata nos mostra que mais gente chegou a apoiar tanto a estabilidade, quanto o corte de meio ponto.

A parte predominante viu uma piora nos indicadores econômicos e inflação ainda longe da meta como vetores a favorecer o corte de 0,25 ponto. Para alguns deles, esse corte antecipado seria uma forma de dar melhor suporte para a economia enfrentar o ambiente de maior incerteza.

Os votos pela estabilidade se apoiaram na avaliação de que as projeções para a economia tinham mudado muito pouco desde a última reunião. Esse grupo reconhece o aumento das incertezas, mas não considera que isso seja suficiente para mudar a perspectiva de crescimento da economia. Outra preocupação expressada foi com relação a possíveis desequilíbrios financeiros.

Dois diretores chegaram a defender corte de meio ponto. Para eles, esse movimento ajudaria a reduzir os riscos de desaceleração da atividade e inflação ainda muito baixa. Esses dois membros do Fed também argumentaram que o Fed precisa de uma política de juro suficientemente acomodativa para afastar os EUA de uma combinação pouco desejável já vista em outros países de inflação baixa, atividade fraca e juro próximo de zero.

Sobre os próximos passos da política monetária, o consenso é de que não há um curso predeterminado e que as decisões seguirão dependendo da evolução dos dados.

O colegiado discutiu, no entanto, a necessidade de sinalizar ao mercado até que ponto o Fed pretende seguir afrouxando sua política. Alguns participantes destacaram que os preços de mercado sugerem mais cortes de juros e que seria interessante promover algum alinhamento de expectativas. Algo que pode acontecer no comunicado da reunião do dia 31 de outubro.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Novo corte

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 2,00% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central cortou a Selic mais uma vez

Mínima histórica

Banco Central reduz Selic para 2% ao ano e sinaliza fim do ciclo de cortes de juros

Essa foi a nona (e última?) redução consecutiva no atual ciclo de queda da Selic, que começou em julho do ano passado

Apuração do SD Premium

VVAR3: Via Varejo sobe 25% em um mês e confirma previsão de analistas consultados pelo Seu Dinheiro

Companhia segue em franco crescimento e foi a mais listada como favorita pelas corretoras e bancos, segundo apuração exclusiva feita aos leitores do SD Premium; dentre as recomendações, Banco Inter e Sinqia também trouxeram bons frutos

CRYPTO NEWS

O bitcoin e outras criptomoedas estão subindo. Você sabe como se aproveitar desse ‘bull market’?

Qual seria a alocação ideal para capturar o movimento? Tenho algumas proposições que vão das mais conservadoras até a mais ousada

Mercados hoje

Ibovespa fecha em alta consistente com exterior e expectativa de novo corte de juro

Dólar subiu com comentários de Guedes, mas situação global da moeda limitou alta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements