Menu
Marina Gazzoni
O melhor do Seu Dinheiro
Marina Gazzoni
2019-09-05T08:10:09-03:00
Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Perder dinheiro não é da nossa natureza

4 de setembro de 2019
10:02 - atualizado às 8:10
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

A frase acima não é minha, mas parece uma obviedade para qualquer mortal: afinal, ninguém gosta de perder dinheiro, certo? Pois de uns tempos para cá passei a questionar essa premissa. Há uma onda crescente de startups e fintechs, como o Nubank e a Rappi, que dizem que dão prejuízo de propósito. São malucos? Não exatamente... A estratégia é usar o dinheiro do caixa - e dos investidores - para reinvestir na empresa e crescer mais rápido.

Ninguém sabe até onde vai o fôlego dessas empresas ou a paciência dos seus acionistas. Mas o fato é que elas estão ganhando clientes e perturbando as gigantes do mercado. Afinal, como competir com uma empresa que oferece serviços mais baratos e que não está preocupada com o lucro?

Essa é a pergunta que a alta cúpula do Itaú precisou responder ontem na sua reunião anual com analistas e investidores. E foi aí que o presidente do banco, Candido Bracher, mandou a frase que me inspirou no título desta newsletter: “Se nós nos permitíssemos perder dinheiro, nosso regulador ficaria preocupado. Não é da nossa natureza.”

Com o reforço dos copresidentes do Itaú, Pedro Moreira Salles e Roberto Setubal, a diretoria tentou convencer o mercado de que o bancão vai sobreviver ao movimento de transformação digital. Eles admitiram, no entanto, que a instituição não vai passar incólume à competição. Será o fim dos lucros bilionários? O Vinícius Pinheiro esteve ontem neste evento e conta tudo que a alta cúpula do Itaú falou nesta reportagem.

Pedro Moreira Salles e Roberto Setubal, copresidentes do conselho de administração do Itaú Unibanco
Pedro Moreira Salles e Roberto Setubal, copresidentes do conselho de administração do Itaú Unibanco - Imagem: Divulgação Itaú

Alívio que vem da China

Brexit, indicadores econômicos fracos por conta da guerra comercial e incertezas em torno de um acordo entre Estados Unidos e China andam deixando o mercado financeiro com o cabelo em pé. Mas se o dia de ontem refletiu o acúmulo dessas incertezas, hoje o dia deve ser de recuperação dos ativos.

As bolsas asiáticas sustentaram fortes ganhos após Hong Kong retirar o projeto de extradição e atender às reivindicações dos protestos que já duram quase três meses. Além disso, bons números do setor de serviços chinês também contribuem para melhorar o clima nos mercados.

No Brasil, os dados fracos da indústria mostram um setor em recuperação lenta. Com os números e um cenário confortável da inflação, é quase certo um novo corte da Selic neste mês. O Banco Central deve manter o ritmo e reduzir o juro básico em 0,50 ponto percentual, o que deve ajudar a manter o dólar sob pressão.

Ontem, o Ibovespa fechou o dia com queda de 0,94%, aos 99.680,83 pontos. O dólar encerrou a sessão em leve baixa de 0,09%, a R$ 4,1790. Consulte a Bula do Mercado para saber o que esperar de bolsa e dólar hoje.

Cara nova no comando

Vivendo um momento conturbado em meio a sua recuperação judicial, uma boa notícia para a Oi. A Justiça finalmente deu o aval para que a empresa inicie o seu plano de transição para a troca de comando, pedido feito meses atrás pelo conselho de administração da operadora. Rodrigo Abreu, ex-presidente da TIM, deve assumir o cargo de diretor de operações e, até o fim do ano, substituir Eurico Teles no comando da companhia.

Essa transição é considerada essencial para que a Oi vire a página e consiga se recuperar de fato. Abreu é um executivo com experiência no comando de teles “saudáveis”. Já Teles vem da área jurídica e sua ascensão na Oi ocorreu no momento em que a empresa tinha de lidar com brigas judiciais entre acionistas e credores e precisava aprovar o plano de recuperação judicial. Saiba mais.

Menos para os partidos

Depois de protagonizar uma das maiores polêmicas no projeto de orçamento para 2020, a cota do fundo eleitoral - aquele dinheiro específico para financiamento de campanhas - deve ser revista pelo Ministério da Economia. O valor anunciado anteriormente, de R$ 2,5 bilhões, cairá para “apenas” R$ 1,8 bilhão. Confira os detalhes sobre esse novo cálculo e as justificativas para o corte.

Tem fatia para todo mundo

Em Brasília, mais uma novela está perto do fim. O Senado aprovou uma PEC para dividir entre União, Estados e municípios os recursos dos leilões do pré-sal, que virão do acordo da cessão onerosa. O valor a ser repartido é da ordem de R$ 70 bilhões. O governo ainda quer pagar uma dívida com a Petrobras com o que for arrecadado. Saiba como ficou a divisão e qual Estado deve se dar bem de imediato.

Um grande abraço e ótima quarta-feira!

Agenda

Índices
- Banco Central divulga dados semanais sobre o fluxo cambial
- IHS Markit divulga PMI de agosto de Alemanha, Reino Unido e zona do euro
- Zona do euro divulga resultados do comércio em julho
- Estados Unidos publicam resultado de sua balança comercial em julho e dados semanais sobre o mercado de petróleo

Bancos Centrais
- Fed divulga nova edição do Livro Bege
- ECON realiza votação sobre a candidatura de Christine Lagarde à presidência do BCE

Política
- CCJ do Senado inicia votação do parecer da reforma da Previdência

 

 

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Aí não!

Episódios contra a liberdade de imprensa podem afastar investidores, alerta Maia

Presidente da Câmara se pronunciou sobre a ofensa do presidente Bolsonaro à jornalista Patrícia Campos Mello, da Folha de S.Paulo

No aguardo

Secretário diz que modelo para privatização da Eletrobras está sendo elaborado

Proposta estaria sendo “remodelada” para se adequar às demandas dos senadores

Planos sob risco

AGU alerta para riscos de derrubada de decreto que facilita venda de ativos da Petrobras

Editado no governo Temer, o decreto permite à Petrobras vender, por exemplo, blocos de petróleo sem licitação

Novidade tecnológica

Banco Central lança o PIX, meio de pagamento que será mais prático que TED, DOC e boleto

Instituições financeiras e de pagamento com mais de 500 mil contas serão obrigadas a oferecer a opção

Nova alta

Petrobras anuncia aumento de 3% no preço médio da gasolina

Com o reajuste, o litro da gasolina subiu em média R$ 0,0512

Martelo batido

Cade aprova negócio da Brink’s, mas proíbe empresa de fazer aquisições por 3 anos

Conselho proibiu que a empresa adquira novas companhias de transporte de valores por três anos em todo o País

Fica como está

Cade rejeita recurso do MPF e mantém aprovação da compra da Embraer pela Boeing

Relator do processo entendeu que a lei não permite que o MPF recorra em casos de atos de concentração já aprovados

Puxando para baixo

FMI prevê economia global com recuperação frágil e dominada por riscos baixistas

Informação faz parte de um relatório produzido pela entidade para a reunião dos líderes das economias do G-20, marcada para esta semana

Aos números

Lucro da Caixa aumenta 20,6% em 2019 e chega a R$ 14,7 bilhões

Ano do banco foi marcado por uma agenda de vendas de ativos e devolução de recursos

mudança no calendário

CCJ adia votação da PEC de fundos para março após relator retirar mudança no teto

Votação da medida na comissão foi adiada para 4 de março; relator havia proposto que, por um ano, as despesas a serem desvinculadas de fundos obrigatórios não se sujeitariam à regra do teto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu