Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-12-05T17:02:51-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Gestoras

Dólar a R$ 4 ou R$ 4,50 pode impedir um rali na Bovespa?

Para gestora Persevera não haverá mais o “kit Brasil”, ou seja, os ativos brasileiros não necessariamente andarão todos na mesma direção

5 de dezembro de 2019
15:42 - atualizado às 17:02
dólar
Imagem: Shutterstock

Respondendo objetivamente ao questionamento do título, a resposta é não. Quem nos diz é a equipe da Persevera Asset, que se dedica a avaliar a ainda pouco compreendida nova relação do dólar com os demais ativos brasileiros na sua carta de gestão.

Para a Persevera, a trajetória do câmbio no Brasil não está mais tão relacionada ao desempenho dos demais investimentos. Essa visão estrutural da gestora não é nova, pois em julho ela já falava de um “novo normal” no mercado de câmbio e na carta de agosto tratou de um cenário de dólar de R$ 4 com Selic de 4%, que nos arrancaria da letargia econômica. Não por acaso, o título da carta de setembro é “O ministro Guedes tem razão”.

Segundo a gestora, Guedes apenas destacou algo que está correto: que com a queda da inflação e dos juros para patamares mais civilizados no Brasil é normal esperar que o câmbio brasileiro se situe mais próximo a R$ 4 do que a R$ 3 ou R$ 2,50, como há alguns anos.

Kit Brasil

Depois de avaliar a menor relevância da relação risco-país com o dólar, e fazer um modelo considerando não só o risco-país, mas também o diferencial de juros, o diferencial de crescimento e o preço do petróleo, a Persevera nos diz que o desempenho negativo do câmbio em relação aos demais ativos brasileiros poderá continuar.

“Essa análise nos leva a concluir que os ativos brasileiros podem apresentar bom desempenho ao mesmo tempo em que o real se mantém mais desvalorizado, entre R$ 4 e R$ 4,50. Em especial, acreditamos que o Ibovespa pode, sim, apresentar expressiva valorização mesmo num ambiente no qual o real permaneça mais desvalorizado”, diz a gestora.

Segundo a Persevera, esse é mais um aspecto da normalização econômica pela qual passa o Brasil.  Assim, não haverá mais o “kit Brasil”, ou seja, os ativos brasileiros não necessariamente andarão todos na mesma direção.

“A correlação entre o câmbio e a bolsa e o câmbio e os juros tenderá a ficar menor, e, portanto, o câmbio desvalorizado não necessariamente estará relacionado a um mau desempenho da bolsa ou dos juros. Essa é uma realidade nova que ainda gera polêmica e ceticismo, mas temos bastante convicção de que o Brasil está seguindo essa rota de normalização.”

Na renda fixa, a gestora avalia que a recessão de balanços (famílias e empresas ainda ajustando contas, por assim dizer) limita o efeito do câmbio sobre a taxa de inflação, permitindo a continuidade do processo de queda de juros apesar da moeda depreciada.

Para o mercado de ações, a avaliação é de que a recuperação de margens das empresas num ambiente de recuperação lenta, mas contínua da atividade econômica, e custo financeiro reduzido permitirá um crescimento robusto dos lucros.

“Esse crescimento, combinado com uma continuação da expansão dos múltiplos do mercado para refletir a melhora macroeconômica vivida pelo Brasil desde 2016, culminarão em excelentes resultados para os investidores em ações.”

Estrangeiros

A Persevera também faz uma análise sobre a relação entre o fluxo de investidores estrangeiros e o retorno do Ibovespa ano a ano.

Embora haja uma relação entre as variáveis, há períodos em que apesar do fluxo de estrangeiros, o Ibovespa apresenta má performance (2011 a 2015) e períodos, como 2018-2019, em que o Ibovespa tem bom desempenho apesar da saída de investidores estrangeiros.

A conclusão é que os investidores estrangeiros perderam boa parte do primeiro movimento de alta da bolsa, de 165% desde 2016, e a impressão é de que perderão esse segundo movimento nos próximos 2 anos.

Em tempo, o Persevera Compass FIC FIM fechou novembro com baixa de 0,69%, e acumula alta de 7,96% no ano.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

NOVATA NA FINAL

Não estranhe: patrocinadora da final entre Palmeiras e Flamengo é a nova corretora de criptomoedas do Brasil; conheça Crypto.bom

A exchange resolveu investir no segmento de esportes e patrocina Fórmula 1, NBA e até o campeonato europeu

Raio-X

Análise: Por que a alta da inflação pode ameaçar o pacote de infraestrutura de Joe Biden?

O presidente americano tem ambiciosos planos pela frente, mas a alta da inflação e gargalos estruturais da economia podem alterar o rumo

A SEMANA EM GRÁFICOS

Covid-19 pressiona aéreas, turismo, Ibovespa e bitcoin, mas inflação avança no mundo: entenda a última semana com estes gráficos

As companhias aéreas sofreram perdas significativas na bolsa esta semana e nem o bitcoin (BTC) conseguiu se salvar

O MELHOR DA SEMANA

Piora da covid no mundo e criptomoedas além do bitcoin (BTC): 5 assuntos mais lidos no Seu Dinheiro esta semana

O mercado já trabalhava amplamente com a visão do verdadeiro normal. Mas os mercados globais voltaram a entrar em pânico com a covid-19

PAPO CRIPTO #007

Tecnologia que criou o bitcoin (BTC) pode reduzir custo de captação de recursos em quase 70%, diz chefe de ativos digitais do BTG

“Empresas pequenas e médias têm menor possibilidade de acesso ao mercado de capitais, muito por causa dos custos envolvidos”, comenta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies