Menu
2019-04-10T06:15:08-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Um dia que vale por cem

Governo Bolsonaro completa hoje 100 dias de mandato e a data no mercado financeiro é marcada por uma forte agenda de eventos e indicadores relevantes no Brasil e no exterior

10 de abril de 2019
5:18 - atualizado às 6:15
100
No exterior, guerra comercial e desaceleração econômica global preocupam

O presidente Jair Bolsonaro chega hoje aos cem primeiros dias de mandato e a data é marcada por uma forte agenda de indicadores e eventos econômicos, capazes de agitar o mercado financeiro hoje. Ainda assim, o foco dos investidores segue na capacidade do novo governo de romper com a “velha política” e avançar com a agenda de reformas.

O primeiro passo nessa direção foi dado ontem. Sem grandes novidades, o parecer da reforma da Previdência foi lido na primeira comissão da Câmara dos Deputados, que analisa se a proposta fere algum princípio constitucional. A votação do texto, que preservou na íntegra o projeto original do governo, está marcada para a semana que vem.

O cenário ideal para o mercado doméstico é de que o projeto seja aprovado sem alterações, deixando as eventuais mudanças para a próxima etapa, durante discussão na comissão especial. E é aí que mora o perigo. Os principais riscos estão relacionados ao tempo de negociação até a aprovação e o quanto do conteúdo será diluído durante esse período.

Para o investidor, quanto mais próximo for a proposta final aprovada no Congresso do texto original apresentado pela equipe econômica, chegando perto de uma economia fiscal de R$ 1 trilhão em dez anos, melhor. Ou seja, a expectativa já embutida nos preços dos ativos locais é de que o Legislativo irá aprovar uma reforma robusta, com a potência fiscal esperada pelo ministro Paulo Guedes (Economia).

Tudo vai depender, porém, do desempenho do Executivo nas negociações com o parlamentares, sem a prática costumeira do “toma-lá-dá-cá”. Por ora, percebe-se que a base de apoio é bem mais fraca do que se imaginava e a articulação política pode esbarrar na popularidade de Bolsonaro, que é a menor após três meses de governo desde 1985.

Novas ameaças

Já no exterior, as polêmicas envolvendo o presidente norte-americano, Donald Trump, que ameaçou impor novas tarifas contra a Europa, elevam o temor dos mercados internacionais em relação à desaceleração econômica global. Afinal, a possibilidade de sobretaxar produtos europeus pode provocar um revés nas negociações comerciais com a China.

Um dos principais receios dos chineses é justamente em relação à imprevisibilidade de Trump. Pequim alega riscos quanto ao descumprimento do acordo à revelia do temperamento do comandante da Casa Branca, ao mesmo tempo em que o presidente chinês, Xi Jinping, mostra-se resiliente.

Por mais que tais ameaças do governo Trump possam ser uma estratégia de Washington em busca de vantagens comerciais, não se trata de uma postura positiva para a economia global, que já vive um momento de fraqueza. A revisão para baixo nas estimativas do Fundo Monetário Internacional (FMI) ontem para o crescimento mundial já reflete esse movimento.

Diante disso, as principais bolsas da Ásia encerraram a sessão de forma mista, em meio ao aumento da tensão entre Estados Unidos e União Europeia (UE) e à redução do FMI para a economia global ao nível mais baixo desde a crise financeira de 2008. As perdas foram lideradas por Tóquio (-0,5%), ao passo que Hong Kong teve leve baixa e Xangai, leve alta.

Em Wall Street, os índices futuros das bolsas de Nova York ensaiam ganhos, tentando recuperar-se das perdas ontem, o que tenta embalar a abertura do pregão europeu. Nos demais mercados, o petróleo segue em alta, beneficiado pelas interrupções na oferta da commodity e também pela fraqueza do dólar, que mede forças em relação às moedas rivais.

Agora, os investidores aguardam pela forte agenda econômica desta quarta-feira, em busca de mais pistas sobre a saúde da economia global. Os eventos e indicadores previstos para o dia podem aumentar a ansiedade nos mercados com risco ou trazer calma aos negócios, em meio ao ambiente econômico-financeiro bastante complicado.

Inflação, BCE e Brexit em destaque

O calendário do dia está carregado no Brasil e no exterior. Entre os indicadores econômicos, o destaque fica com a inflação de março ao consumidor brasileiro (9h) e norte-americano (9h30). A estimativa para o IPCA é de aceleração, a 0,6% em relação a fevereiro, confirmando a recente pressão de alta nos preços no varejo.

Com isso, a taxa acumulada em 12 meses deve se afastar da meta perseguida pelo Banco Central (4,25%), indo a 4,4%. Tal comportamento tem reduzido o ímpeto das apostas quanto a novos cortes na taxa de juros (Selic) em breve. Já o CPI dos EUA deve manter o ritmo lento, com a ausência de pressão inflacionário mantendo o Federal Reserve paciente.

Também no calendário doméstico, antes do IPCA, sai a primeira prévia deste mês do IGP-M (8h) e, depois, é a vez dos números preliminares de abril sobre a entrada e saída de dólares no país (12h30). Já nos EUA, além do CPI, merece atenção a ata da reunião de março do Fed (15h), quando abandonou a previsão de aumento nos juros do país neste ano.

Entre os indicadores econômicos norte-americana, serão conhecidos também os estoques no atacado em fevereiro (11h), os estoques semanais de petróleo bruto e derivados (11h30) e o orçamento do Tesouro em fevereiro (15h). No fim do dia, a China divulga os índices de preços ao consumidor e ao produtor em março.

Na Europa, serão conhecidos vários indicadores de atividade no Reino Unido, mas o destaque fica com a reunião de emergência de líderes europeus sobre a saída dos britânicos da União Europeia. O encontro pode decidir se o Brexit acontecerá nesta sexta-feira ou se será adiado - para maio, junho ou, quiçá, em até um ano.

Já no bloco comum, o Banco Central Europeu (BCE) anuncia a decisão sobre a taxa de juros na zona do euro, às 8h45. Não se espera novidades em termos de política monetária, após novas medidas de estímulo anunciadas em março. Ainda assim, merece atenção a entrevista coletiva do presidente do BCE, Mario Draghi, às 9h30.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

FECHAMENTO

Bolsa, dólar e juros terminam o dia no vermelho com repercussão do Orçamento e novo plano Biden

Plano de Biden de aumentar impostos não agradou o mercado e a perspectiva de nova injeção de estímulos puxou para baixo o dólar. Já os juros futuros recuaram de olho na sanção do Orçamento

dança das cadeiras

Carrefour muda alto escalão, em processo de integração com Grupo BIG

Sébastien Durchon deixa o cargo de vice-presidente de finanças e de relações com investidores; executivo ficará à frente do processo de integração com a companhia adquirida

Concorrência pesa

Lucro líquido da Intel despenca 41% no 1º trimestre

Apesar do resultado negativo, a receita da companhia caiu apenas 1% na comparação com os primeiros três meses do ano passado

Milionários na mira

Biden quer dobrar impostos sobre ganhos de capital dos mais ricos para financiar educação infantil

O presidente dos EUA aposta no aumento das taxas para investidores que ganham acima de US$ 1 milhão para financiar sua nova proposta

Oferta de ações

Caixa Seguridade (CXSE3): reservas para o IPO terminam no dia 26; veja os detalhes e se vale a pena investir

Banco público pretende captar até R$ 6,5 bilhões com a venda de parte de suas ações na empresa que reúne suas participações em seguros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies