Independência do Banco Central vai acabar? Entenda melhor aqui

Cotações por TradingView
2019-04-05T15:45:49-03:00
Estadão Conteúdo
Mercado aquecido

Volume de operações de fusões e aquisições cresce 28% em 2018, diz Anbima

De acordo com dados da associação, a alta foi puxada pela transação entre a Suzano Papel e Celulose e Fibria

18 de março de 2019
16:25 - atualizado às 15:45
Acordo Fusão
Número de operações, no entanto, caiu de 143 em 2017 para 140 no ano passadoImagem: Shutterstock

O volume de operações de fusões e aquisições (M&A, na sigla em inglês) anunciadas em 2018 cresceu 28% frente ao ano de 2017, para R$ R$ 177,2 bilhões, de acordo com boletim da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima). Em número de operações houve queda de 143 em 2017 para 140 no ano passado. O crescimento em volume acima do número de operações foi puxado pela transação da Suzano Papel e Celulose e Fibria.

Os fundos de private equity participaram com R$ 3,7 bilhões em operações relacionadas a investimento, abaixo dos R$ 9,7 bilhões de 2019, enquanto os desinvestimentos somaram R$ 6,7 bilhões no ano passado, contra R$ 3,4 bilhões em 2017.

Operações para aquisição de controle seguiram como principal objetivo dos negócios feitos nesse mercado no ano passado, envolvendo R$ 111 bilhões em volume de transações. Esse número é inferior ao de 2017, quando somaram R$ 110,9 bilhões.

O ranking das instituições financeiras que mais conduziram operações de M&A no ano passado é liderado pelo BTG Pactual, em número de operações, com 26 delas, enquanto em volume financeiro o ranking é liderado pelo JPMorgan, com R$ 82,4 bilhões em transações fechadas pela casa.

Expectativa

A indústria de fusões e aquisições está bastante otimista com o ano de 2019, especialmente do ponto de vista econômico, mas muitos players aguardam uma maior visibilidade sobre as reformas e mudanças estruturais no mercado para tomarem suas decisões, segundo o coordenador do Subcomitê de Fusões e Aquisições da Anbima, Dimas Mena.

"O ano de 2018 foi muito bom e esperamos que essa trajetória se mantenha em 2019", afirmou Mena, em teleconferência para apresentar os números do ano passado. "O desempenho econômico e as sinalizações de aumento do papel do mercado de capitais são fatores positivos e temos expectativa favorável para a reforma da previdência e outras reformas necessárias para o investimento de longo prazo", acrescentou.

No entanto, Mena indicou que o fechamento das operações, dada a característica do investimento de longo prazo, dependerão de uma sinalização mais clara da previdência e, em certos casos, de alterações do ambiente e marco regulatório. Ainda assim, Mena acredita que isso não necessariamente indica que o fechamento das transações ficará para 2020.

"As companhias buscam se preparar nesse momento para tomar decisões estratégicas e conforme as reformas forem sendo discutidas e houver indicação de consenso, é possível que a criação de um ambiente de segurança facilite o fechamento das operações", observou.

Mena comentou ainda os fundos de private equity seguem captando e otimistas com o País.

Ele disse ainda ser cedo para projetar números para 2019, mas reiterou que a perspectiva é favorável.

Mena destacou que o setor de infraestrutura tende a ser o que deve atrair investidores, lembrando que em 2018, os asiáticos devem retomar seus investimentos assim que novas oportunidades forem sendo geradas. Ele citou que em 2018, a participação desses investidores em transações no País caiu para 5,4%, de 23,2% em 2017.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

DIA 39

Cabo de guerra: Lula ganha reforço nas críticas ao BC — e deixa Rui Costa e Haddad do outro lado da corda

8 de fevereiro de 2023 - 20:40

Insatisfeito com o Banco Central, que na semana passada manteve a Selic em 13,75%, Lula tem protagonizado uma ofensiva sobre o presidente da autoridade monetária, Roberto Campos Neto — também pelo fato de ver nele um bolsonarista no governo que não pode ser demitido

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Padilha afaga relação de Lula e RCN, Itaú (ITUB4) embolsa o mercado e a primeira semana do Tesouro Renda+; confira os destaques do dia

8 de fevereiro de 2023 - 19:35

Mudam-se os governos, mas o roteiro das gestões de crise segue o mesmo — depois de um incêndio, é quase certeza que um bombeiro será escolhido dentro do panteão de ministros do primeiro escalão para tentar aplacar os ânimos.  Depois de dias de críticas pesadas feitas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva à forma […]

ENTREVISTA COM CEO

Log (LOGG3) quebra recordes em 2022 e aposta na venda de galpões para seguir no ‘guinness book’ da logística neste ano

8 de fevereiro de 2023 - 19:24

Meta de entregas batidas, vendas recordes de ativos e o resultado financeiro em um patamar nunca antes registrado marcaram o ano da empresa de galpões logísticos

Petróleo à vontade

Petrobras (PETR4) bate recorde de produção em 2022 e cumpre as metas operacionais para o ano; veja os destaques

8 de fevereiro de 2023 - 19:06

A Petrobras (PETR4) atingiu um novo patamar de produção operada no ano; no refino e vendas, a gasolina e o querosene de aviação foram destaque

FICA TUDO COMO TAVA

Tarcísio barrou: redução de imposto sobre doações e heranças, o ITCMD, é vetado em SP

8 de fevereiro de 2023 - 18:00

Se o projeto de lei tivesse sido sancionado, a tributação cairia de 4% para 1% sobre heranças e para 0,5% nas doações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies