2018-09-26T12:31:14-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Bancos

Governo sai do crédito e banco privado tem melhor desempenho desde 2012

Saldo das operações de instituições nacionais e estrangeiras mostra alta de dois dígitos

26 de setembro de 2018
12:25 - atualizado às 12:31
Crédito nos bancos privados nacionais cresce 8,9% em 12 meses - Imagem: Matheus Obst/Shutterstock.com

Os dados sobre o mercado de crédito apresentados Banco Central (BC) mostram uma situação interessante para os bancos privados e seus acionistas. A carteira de crédito apresenta a maior taxa de crescimento desde julho de 2012. E o movimento acontece em um ambiente de baixa inadimplência e queda do juro ao tomador final.

Olhando o comportamento em 12 meses, que ajuda a tirar volatilidade de curto prazo, o saldo de crédito dos bancos privados, tanto nacionais quanto estrangeiros, registra uma alta de 10,2%, avançando de 9,2% vistos até julho. O movimento de recuperação acontece desde julho de 2017, mas ganhou tração em março deste ano.

Considerando apenas os privados nacionais, que têm pouco mais de R$ 1 trilhão do crédito no país, o crescimento em 12 meses até agosto foi de 8,9%, maior desde maio de 2012. Os estrangeiros respondem por R$ 457 bilhões do crédito, com alta de 13,1% em 12 meses, taxa não vista desde agosto de 2012.

O crédito como um todo tem crescimento de 3,4% em 12 meses, somando R$ 3,155 trilhões ou 46,7% do PIB. Assim, 2018 caminha para se firmar como melhor ano para o mercado desde 2015 ao menos em termos nominais. Já que considerando a inflação, o mercado não tem crescimento real desde 2014.

Essa retomada do setor privado no crédito capta a mudança de orientação na atuação dos bancos públicos e também um processo de desalavancagem das empresas nos últimos anos, principais tomadoras de crédito direcionado. O que lidera o crescimento das carteiras é o crédito com recursos livres para as pessoas físicas (alta de 9,1% em 12 meses), embora as empresas tenham esboçado reação nos últimos meses, marcando alta de 8,7% em 12 meses até agosto.

O peso do BNDES

Os bancos públicos seguem perdendo espaço, mas ainda respondem por R$ 1,66 trilhão do crédito, ou 53% do total. Essa fatia vem caindo depois de marcar 57% durante boa parte de 2016. Não por acaso ano em que foi feita a reorientação na política de uso os bancos públicos como vetores do crescimento econômico. Olhando as variações em 12 meses os bancos públicos, mostram retração de 2,1% até agosto. E não registram expansão de carteira nessa métrica desde agosto de 2016.

A queda é puxada pela carteira do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que encolhe 10,3% em 12 meses até agosto. No auge das políticas anticíclicas essa carteira crescia acima de 40%. O banco de fomento é o principal responsável pelo crédito direcionado no país, que recua 2,2% em 12 meses, enquanto o crédito livre total sobe 8,9%, melhor resultado desde julho de 2013.

Tirando o BNDES do grupo de instituições públicas, conseguimos captar o comportamento agregado dos demais bancos públicos, como Banco do Brasil e Caixa. O que se observa é um movimento tímido, mas de recuperação. O saldo tem variação positiva de 1,5% em 12 meses até agosto, melhor leitura desde novembro de 2016.

Os calotes no sistema seguem estáveis em 3%, entre as menores leituras da série histórica. Considerando apenas os recursos livres, a inadimplência é de 4,2%, nova mínima da série iniciada em 2011.

Já o custo do dinheiro segue em queda. O juro médio é de 24,5% ao ano, caindo 3,8 pontos percentuais em 12 meses. Com recursos livres a taxa para as pessoas físicas é de 51,8% ao ano, queda de 10,2 pontos percentuais, também em 12 meses.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Dê o play!

A bolsa ainda pulsa, mas será um último suspiro? O podcast Touros e Ursos discute o cenário para o Ibovespa

No programa desta semana, a equipe do Seu Dinheiro discute o cenário para o Ibovespa e os motivos que fazem a bolsa brasileira subir

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O respiro da bolsa brasileira, o tropeço do bitcoin e o vazamento de dados do PIX: confira as principais notícias do dia

Para quem não aguentava mais ver a bolsa brasileira apanhando enquanto Wall Street renovava recordes, este início de ano está sendo o momento da revanche. Ou melhor, de o Ibovespa “correr atrás do prejuízo”. Nesta terceira semana de janeiro, o principal índice da B3 mais uma vez contrariou o exterior e enfileirou altas, enquanto as […]

Fechamento da semana

Ibovespa tem dia morno com exterior negativo, mas termina semana com ganho de 1,88%; dólar fecha em alta, mas acumula queda de 1,05% no período

Bolsa terminou o dia em baixa, com dólar e juros em alta, com piora no exterior e preocupações fiscais

CASOS DE FAMÍLIA

Elon Musk pega pesa pesado com o Twitter após integração de NFTs; veja o que o bilionário falou

Rede social passou a permitir que usuários do iOS, sistema da Apple, utilizassem os chamados tokens não fungíveis como fotos de seus perfis

Renda fixa

Nubank lança fundo para reserva de emergência que busca retorno entre 100% e 105% do CDI – mas tem uma pimentinha

Nu Reserva Imediata é o primeiro fundo de renda fixa da família Nu Reserva; embora seja de baixo risco, ele tem opção de investir em títulos privados